Trabalho e diversidade sexual e de gênero: dilemas entre a inserção econômica e social no mercado de trabalho e as estratégias de sobrevivência da população LGBT

Autores

Resumo

O presente artigo tem como proposta refletir sobre as formas de inserção econômica e social no mercado de trabalho e as estratégias de sobrevivência da população (LGBT) lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no capitalismo contemporâneo. O objetivo é compreender como e em quais condições a população LGBT tem sido inserida no mercado de trabalho e as estratégias de sobrevivência encontradas por essa população para garantir a sua reprodução social quando não estão inseridas. Metodologicamente, as reflexões aqui apontadas partem de um relato de experiência, na prerrogativa da sistematização da prática, da atuação do Serviço Social no (CECH) Centro Estadual de Combate à Homofobia do Estado de Pernambuco. Teoricamente, nos ancoramos na Teoria Social Crítica nos estudos sobre o Trabalho, em interlocução com as produções acadêmico-científicas sobre a temática de gênero e sexualidade. Como resultados, compreendemos que as formas de inserção no mundo do trabalho dos sujeitos que, em razão de assumirem suas identidades de gênero ou orientação sexual, são historicamente oprimidos, como uma das estratégias do capital em recriar as modalidades da divisão sexual do trabalho e ampliar as suas possibilidades de extração da mais-valia. Nessa mesma direção, apreendemos que, em uma sociabilidade que reforça valores individualistas, esses mesmos sujeitos, no anseio de garantir a sua reprodução social, procuram, de forma particular, estratégias de sobrevivência de modo a suprir suas necessidades básicas vitais.

Biografia do Autor

Luiz Henrique Braúna Lopes de Souza, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando em Serviço Social pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da UFPE. Mestre em Psicologia (Psicologia Social) pela Universidade Federal de Pernambuco. Bacharel em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor Assistente II e Supervisor Acadêmico de Estágio do Curso de Serviço Social do Centro Universitário dos Guararapes - UniFG. Atuou como Assistente Social no Centro Estadual de Combate à Homofobia / Secretaria Executiva de Direitos Humanos / SEJUDH-PE, no período de 10/2016 a 05/2019. Integra o Núcleo de Pesquisas em Gênero e Masculinidades - GEMA/PPGP - UFPE (cadastrado no CNPq desde 1998), no qual, participa de projetos que aliam ensino, pesquisa e extensão em temas relativos à saúde, comunicação, gênero, sexualidade, feminismo, homens e masculinidades, a partir do estudo das práticas discursivas, produção de sentidos no cotidiano, relações de poder e processos de subjetivação, integrando campos de saber interdisciplinares como psicologia social, linguagem e saúde pública. Em Serviço Social desenvolveu pesquisa na área da Formação Profissional, Serviço Social, Direitos Humanos e População LGBT. Atualmente dedica-se a pesquisas em Psicologia que abordam as temáticas: Sociabilidade, Cultura, Política, Diversidade Sexual e de Gênero, Direitos Sexuais, Movimento LGBT e Estudos Feministas e de Gênero.

Referências

AMARAL, Angela Santana do. Precarização estrutural e exploração da força de trabalho: tendências contemporâneas. Revista Argumentum, Vitória, v. 10, n. 3, p. 244-256, 2018.

ANTUNES, Ricardo. A explosão do novo proletariado de serviços. O privilégio da servidão: O novo proletariado de serviço na era digital. São Paulo: Boitempo Editorial, p. 25-64, 2018.

ANTUNES, Ricardo. A nova morfologia do trabalho e suas principais tendências. Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II. São Paulo: Boitempo, p. 13-27, 2013.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6ª ed. Campinas: Cortez, Ed. Unicamp. 2000.

BRAGA, Ruy. Precariado e sindicalismo no Brasil contemporâneo: Um olhar a partir da indústria do call center. Revista Crítica de ciências sociais, n. 103, p. 25-52, 2014.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, v. 2, p.110-125, 2000.

DRUCK, Graça. Precarização e informalidade: algumas especificidades do caso brasileiro. Marchas e contramarchas da informalidade do trabalho. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB. João Pessoa: Editora Universitária, p. 65-103, 2011.

DUQUE, Tiago. Sexualidade, Gênero e Abjeção: uma reflexão sobre direitos humanos e LGBTs no Brasil contemporâneo. In: 4º Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero. Brasília: 2008.

CISNE, Mirla; SANTOS, Silvana Mara Morais dos. Feminismo, Diversidade Sexual e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2018 – (Biblioteca básica do Serviço Social; v. 8).

FONTES, Vírginia. A transformação dos meios de existência em capital: expropriações, mercado e propriedade. Expropriação e Direitos no Capitalismo. Ivanete Boschetti (Org.). – São Paulo: Cortez, p. 17-61, 2018.

GUERRA, Yolanda. A dimensão investigativa no exercício profissional. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009.

JUNQUEIRA, Rogério D. Homofobia: limites e possibilidades de um conceito em meio a disputas. Rio Grande do Norte: Revista Bagoas, v.1, n. 1, p. 1-22, 2007.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Rio Grande do Sul: Pro-Posições, v. 19, n.2 – p.17-23 – maio/ago, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. (Org.) O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, v. 2, p. 4-24, 2000.

MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Ciências Humanas, v. 1, 1978.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Questão das Diferenças: por uma anlítica da normalização. In: 16 Congresso de Leitura do Brasil (COLE), 2007, Campinas. No Mundo há muitas armadilhas e é preciso quebrá-las. Campinas: ALB Associação de Leitura do Brasil, v.1, p.1-19, 2007.

MESQUITA, Marylucia. MATOS, Maurílio. “O amor fala todas as línguas: assistente social na luta contra o preconceito” – reflexões sobre a campanha do conjunto CFESS/CRESS. Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E PAUTA, Rio de Janeiro (RJ), v. 9, n. 28, Dez, 2011.

MOTA, Ana Elizabete. Cultura da crise e seguridade social: um estudo sobre as tendências da previdência e da assistência social brasileira nos anos 80 e 90. São Paulo. Cortez: 1995.

MOTA, Ana Elizabete; AMARAL, Angela . Reestruturação do capital, fragmentação do trabalho e Serviço Social. A nova fábrica de consensos. São Paulo: Cortez, v. 5, 1998.

MOTA, Ana Elizabete; AMARAL, Angela; PERUZZO, Juliane. O novo desenvolvimentismo e as políticas sociais na América Latina. In: MOTA, A. E (org.). As Ideologias da contrarreforma e o Serviço Social. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2010.

NETTO, José Paulo. Uma face contemporânea da barbárie. Revista Novos Rumos, v. 50, n. 1, 2013.

RAICHELIS, Raquel. O trabalho do assistente social na esfera estatal. In: Serviço Social. Direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS, p. 01-17, 2009.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Teoria Social Crítica e LGBTI