A vontade de narrar: estratégias de reparação para infâncias queer

Autores

Resumo

Este ensaio discute a importância das narrativas com perspectivas infantis como estratégia de reparação para crianças e adultes LGBTQIA. A vontade de saber é a força motriz do primeiro volume de A história da sexualidade, de Foucault, nestas páginas tento mostrar que a vontade de narrar e a possibilidade de construir narrativas são maneiras de criar outras referências de infâncias, especialmente daquelas invisíveis ou proibidas. Por meio de relatos pessoais e análises de produções literárias traço um caminho possível para essas estratégias.

Biografia do Autor

Natalia Borges Polesso, Universidade de Caxias do Sul

Escritora e tradutoraBolsista PNPD/CAPES no Programa de Doutorado em Letras da Universidade de Caxias do Sul
Doutora em Teoria da Literatura - PUCRS

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? outra travessia, Florianópolis, n. 5, p. 9-16, jan. 2005. ISSN 2176-8552. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/Outra/article/view/12576/11743>. Acesso em: 11 maio 2020. doi:https://doi.org/10.5007/%x.

BARTHES, Roland. Le degré zero de l’ecriture. Paris : Éditions Points, 2005.

FOUCAULT, Michel. Histoire de la sexualité I La volonté de savoir. Paris: Gallimard, 2014.

KOSBY, Marília Floôr. Mugido [ou diário de uma doula]. Rio de Janeiro: edições garupa, 2017.

LISPECTOR, Clarice. Felicidade clandestina. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

POLESSO, Natalia Borges. Amora. São Paulo: Não Editora, 2015.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 5, 2012. p. 17-44. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2309>. Acesso em: 11 de maio 2020.

RILKE, Rainer Maria. Letters to a young poet. New York: W.W. Norton&Company, 2014.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TREVISAN, João Silvério. Pai, Pai. São Paulo: Alfaguara, 2017.

WITTIG, Monique. O pensamento straight. In: BRANDÃO, Izabel; CAVALCANTI, Ildney et al (Org.). Traduções da cultura. Perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: EDUFAL; Editora da UFSC, 2017.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações