Pelas Janelas: Faíscas urbanas e imagens da infância.

Autores

  • Tainá dos Santos Oliveira Universidade Federal Fluminense
  • Lais Medeiros Amado UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Resumo

O presente artigo aposta na força de contar histórias. Narrar é um ato ético, estético e político, desenvolvido na psicologia social para recuperar memórias, trajetórias, condições, vidas e experiências que são sistematicamente postos à margem, quando não intencionalmente destruídos, apagados. O texto opera como uma brincadeira de rememoração e invenção. No decorrer das lembranças, crianças desestabilizam a relação contínua entre passado, presente e futuro. Longe da ideia de um passado estanque, imagens da infância protagonizam histórias trocadas entre duas amigas. Assim, aqui vigoram histórias como a de uma criança que brinca com os restos da urbe, outra que se fantasia e inventa para si outras vidas, outra ainda, que no percurso pela cidade resiste ao empuxo à conformação binária dos lugares. Todas elas sustentando singularmente a invenção de outros gestos. Aqui o ato de rememoração e narração soa como imperativo ético para enfrentar e os discursos que atravessa os corpos e modulam as experiências. A inflexão central deste artigo não está na busca por verdades sedimentadas no tempo passado das histórias narradas, tampouco na ânsia por respostas esclarecedoras. Através da rememoração, invenção e montagem de imagens distintas podemos estabelecer quadros de significação que suportem, mesmo que temporariamente, a complexidade das experiências atuais. Apostamos que o exercício narrativo opera como vetor desestabilizador dos modos de hegemônicos de experimentar e representar gênero e sexualidade nos cenários da urbe.

Biografia do Autor

Tainá dos Santos Oliveira, Universidade Federal Fluminense

Mestre e doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense. Pesquisa Políticas Sociais e narratividades minoritárias e suas articulações com Integração socioespacial.

Referências

BAUDELAIRE, C. O pintor da vida moderna. In __________. Obras estéticas: Filosofia da imaginação criadora. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993, p. 223-224.

BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2009.

__________. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. v.1. São Paulo: Brasiliense, 1987.

__________. Rua de mão única. Infância berlinense: 1900. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BINES, R. K. A grande orelha de Kafka. Cadernos de leitura Chão da Feira, n. 87/ série infância, 2019.

BLANCHOT, M. O livro por vir. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

FERREIRA, M. S. A cidade como texto: fragmentos da experiência homossexual masculina no Rio de Janeiro contemporâneo. 2006. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro.

FERREIRA, M. S. Enunciações de si em estudos sobre as sexualidades: proposições metodológicas. In: FERREIRA, M. S.; MORAES, M. (Orgs.). Políticas de Pesquisa em Psicologia Social. Rio de janeiro: Nova Aliança, 2016, v. 1, p. 93-117.

FERREIRA, M. S. Walter Benjamin e a questão das narratividades. Mnemosine, v. 7, n. 2, p. 121-133. 2011. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/mnemosine/article/view/41479>. Acesso em: 09 Abr. 2020

GAGNEBIN, J. M. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2011.

JOBIM E SOUZA, S. Re-significando a psicologia do desenvolvimento: uma contribuição crítica à pesquisa da infância. In: KRAMER, S; LEITE, M. I. (Orgs.) Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas: Papirus, 1996. p. 39-55.

KAFKA, F. Contemplação e o foguista. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994.

LORDE A. Transformação do Silêncio em Linguagem e Ação. 1984. Disponível em:< https://theintercept.com/2019/11/27/audre-lorde-ensaio-irma-outsider/>. Acesso em: 27 Abr. 2020

PASOLINI, P. P. Estamos todos em perigo: última entrevista de Pier Paolo Pasolini com Furio Colombo. Cadernos de leitura Chão da Feira, n. 86, 2019.

PRECIADO, P. B. Qui defend l'enfant queer? Libération. Disponível em: <http://www.liberation.fr/societe/2013/01/14/qui-defend-l-enfant-queer_873947>. Tradução disponível em: <http://revistageni.org/10/quem-defende-a-crianca-queer/>. Acessado em 30 jan, 2015. Original de 14 jan, 2013.

SALGADO, R. G.; SOUZA, L. L. Gêneros, sexualidades e infâncias: cenas de crianças na contramão da inocência. Childhood & philosophy, v. 14, n. 29, jan.-abr. pp. 241-258. 2018. Disponível em: < https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6249836.pdf>. Acesso em: 09 Abr. 2020

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações