MARCADORES ANATÔMICOS DO PECÍOLO E A TOLERÂNCIA À SECA DE PONTEIROS E AO DÉFICIT HÍDRICO EM EUCALIPTO

Autores

DOI:

10.31413/nativa.v8i4.8702

Resumo

A seca de ponteiros em Eucalipto é um distúrbio fisiológico, onde o estresse hídrico vem sendo associado como um dos fatores intensificadores de sua ocorrência. A seleção precoce de genótipos de eucalipto tolerantes a essas condições, podem fornecer informações relevantes quanto a esse distúrbio. Objetivou-se avaliar possíveis marcadores anatômicos, associados a tolerância ao déficit hídrico e à seca de ponteiros. Genótipos comerciais com diferentes graus de suscetibilidade a seca de ponteiros foram submetidos a diferentes níveis de estresse hídrico em condições de casa de vegetação. A duração do experimento foi de 75 dias. Amostras de pecíolos foram coletadas e avaliadas as características das áreas anatômicas de: seção transversal, tecido vascular, xilema, floema e do córtex. Os dados foram submetidos à análise da variância (ANOVA) e para comparação de médias foi adotado o teste Tukey (p<0,05). Os resultados mostraram que há a tendência de redução de todas as variáveis avaliadas com o aumento do déficit hídrico. Entretanto, o genótipo tolerante em condições de maior restrição hídrica apresenta maior área de seção transversal e de tecidos condutores em comparação ao suscetível. A maior proporção destes tecidos sugere que o clone tolerante apresenta condição mais favorável ao transporte de água, fotoassimilados e nutrientes.

Palavras-chave: melhoramento florestal; silvicultura; seleção genômica.

 

ANATOMICAL MARKERS OF PETIOLE AND TOLERANCE TO DIE-BACK AND WATER STRESS IN EUCALYPTUS

 

ABSTRACT:

Die-Back in Eucalyptus is a physiological disorder where the water stress has been associated as an intensifier of this occurrence. The early selection of tolerant Eucalyptus genotypes to water stress can provide relevant information to this disorder. The research aimed to evaluate possible anatomical markers associated with tolerance to water stress and Die-Back. Commercial genotypes with different levels of susceptibility to this disorder were submitted to different levels of water stress in a greenhouse condition. The experiment lasted 75 days. Petioles samples were collected and anatomical characteristics were evaluated: cross-sectional area, area of vascular tissue, xylem area, phloem area and cortical area. The data were submitted to analysis of variance (ANOVA) and for the comparison of means was adopted Tukey test (p <0.05). The results show us that there is a tendency to reduce all variables with increasing water deficit. However, the tolerant genotype in higher water stress conditions has greater cross-sectional area and conducting tissues compared to susceptible genotype. The major proportion of these tissues suggests that the tolerant clone presents more favorable condition for transport of water, nutrients and assimilates.

Keywords: forest improvement; forestry; genomic selection.

Biografia do Autor

Samyra Alves Condé, Universidade Federal de Viçosa

Graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Viçosa; Mestre em Fitotecnia pela mesma instituição de ensino.

http://lattes.cnpq.br/8622815815017363

Edgard Augusto de Toledo Picoli, Universidade Federal de Viçosa

 http://lattes.cnpq.br/9104109169122368

Thais Roseli Corrêa, Universidade Estadual do Maranhão

http://lattes.cnpq.br/3415407798108175

Rodrigo Dal Sasso Lourenço, Universidade Federal de Viçosa

http://lattes.cnpq.br/5386974178977544

Referências

CORRÊA, T. R.; PICOLI, E. A. D. T.; SOUZA, G. A. D.; CONDÉ, S. A.; SILVA, N. M.; LOPES M., K. L. B.; RESENDE, M. D. V. D.; ZAUZA, E. A. V.; ODA, S. Phenotypic markers in early selection for tolerance to dieback in Eucalyptus. Industrial Crops and Products, v. 107, p. 130-138, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.indcrop.2017.05.032

HUANG, B.; FRY, J. D. Root anatomical, physiological, and morphological responses to drought stress for tall fescue cultivars. Crop Science, Madison, v. 38, p. 1017-1022,1998. DOI: 10.2135/cropsci1998.0011183X003800040022x

IBÁ - Indústria Brasileira de Árvores. Anuário Estatístico da Indústria Brasileira de Árvores: ano base 2017. Brasília, DF: IBA, 80p., 2017. Disponível em: <https://iba.org/images/shared/Biblioteca/IBA_RelatorioAnual2017.pdf > .Acesso em: 16 jul 2019.

JOHANSEN, D. A. Plant microtechnique. Mc Graw Hill, New York 1940.

JURSKIS V. Eucalypt decline in Australia, and a general concept of tree decline and dieback. Forest Ecology and Management 215: 1–20, 2005. DOI: 10.1016/j.foreco.2005.04.026

KULKARNI M.; BORSE T.; CHAPHALKAR S (2007). Anatomical variability in Grape (Vitis venifera) Genotypes in Relation to Water Use Efficiency (WUE). American Journal of Plant Physiology 2(1): 36-43.DOI: http://dx.doi.org/10.3923/ajpp.2007.36.43

LI, Y.; SPERRY, J. S.; SHAO, M. Hydraulic conductance and vulnerability to cavitation in corn (Zea mays L.) hybrids of differing drought resistance. Environmental and Experimental Botany, Oxford, v. 66, p. 341-346, 2009.DOI: 10.1016/j.envexpbot.2009.02.001

MATTIELLO E.M. et al. Transporte de boro no solo e sua absorção por eucalipto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, 33: 1281-1290, 2009.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832009000500021

MORAES, C. B.; FREITAS, T. C. M.; PIERONI, G. B.; ZIMBACK, L.; RESENDE, M. D. V.; MORI, E. S. Estimativas de parâmetros genéticos para seleção precoce de clones de Eucalyptus para região com ocorrência de geadas. Scientia Forestalis, v. 42, n. 102, p. 219-227, 2014.

PAIVA, A.S.; FERNANDES, E.J.; RODRIGUES, T.J.D.; TURCO, J.E.P. Condutância estomática em folhas de feijoeiro submetido a diferentes regimes de irrigação. Engenharia Agrícola, v.25, p.161-169, 2005. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69162005000100018

RIBEIRO, M. N. O. et al. Anatomia foliar de mandioca em função do potencial para tolerância à diferentes condições ambientais. Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 43, n. 2, p. 354-361, abr./jun. 2012.DOI: DOI: 10.1590/S1806-66902012000200019

SALA, A.; PIPER, F.; HOCH, G. Physiological mechanisms of drought‐induced tree mortality are far from being resolved. New Phytologist, v. 186, n. 2, p. 274-281, 2010.

Downloads

Publicado

2020-09-11

Edição

Seção

Engenharia Florestal / Forest Engineering