REPRESENTAÇÕES E IDENTIDADES DE GÊNERO: “SER MULHER” NO CAMPO DE FUTEBOL

Autores

  • Valleria Araujo de Oliveira Universidade Federal de Goiás, GO
  • Dulce Maria Filgueira de Almeida Universidade de Brasília - UNB

Palavras-chave:

Futebol, Mulheres, Identidades, Gênero

Resumo

O artigo trata das identidades de gênero de mulheres jogadoras de futebol, considerando suas vivências e convivências (sociabilidade) no tempo de lazer na cidade de Goiânia, Goiás/Brasil. Tem como objetivo entender a relação sentido-significado das identificações construídas pelas jogadoras de futebol, tendo em conta o “eu” ou o “si mesmo” e o olhar do outro.  A pesquisa de orientação etnográfica, utilizou como procedimentos a observarção participante e a entrevista, com roteiro flexível. O suporte teórico foi construído com base em autores como Scott (1989), Woodward (2000), Hall (2011), Grossi (1998), Alcântara Júnior (2005), Miguel e Rial (2012), Bracht (1997) e Marcassa (2003). Conclui-se que o preconceito com relação à identidade de gênero das jogadoras corresponde ao padrão heterocisnormativo e é reforçado pelas suas próprias representações e falas.

Referências

ALCÂNTARA JUNIOR, José. O conceito de sociabilidade em Georg Simmel. Ciências humanas em revista, v. 3, n. 2, p. dez., 2005.

BAPTISTA, Tadeu João Ribeiro. A educação do corpo na sociedade do capital. Curitiba, PR: Appris, 2013.

BRACHT, Valter. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. Vitória, ES: Centro de Educação Física e Desportos da UFES, 1997.

DEVIDE, Fabiano Pries. Gênero e mulheres no esporte: história das mulheres nos jogos olímpicos modernos. Ijuí, RS: Unijuí, 2005.

GASTALDO, Édison. As relações jocosas futebolísticas: futebol, sociabilidade e conflitos no Brazil. MANA, v. 16, n. 2, p. 311-325, 2010.

GROSSI. Mirim Pillar. Identidade de gênero e sexualidade. Antropologia de primeira mão. Florianópolis, 1998.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

MARCASSA, Luciana. As faces do lazer: categorias necessárias à sua compreensão. Anais Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte, 13, 2003, Caxambú, MG, 2003.

MIGUEL, Raquel de Barros; RIAL, Carmem. “Programa de mulher”. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Orgs.). Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Brasília, DF: Paralelo 15; São Paulo: UNESP, 1988.

OLIVEIRA, Valleria Araujo de. Periguetes, sapatões e mulherzinhas: (des) construindo o que é “ser mulher” no campo de futebol. 2014. 184f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, 2014.

RIAL, Carmen. Futebol praticado por mulheres no Brasil: paradoxo do doxa. Goethe-Institut Brasilien, 2012.

SCOTT, Joan. Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of history. New York: Columbia University Press, 1989.

WACQUANT, Loïc. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

2018-08-08

Como Citar

Oliveira, V. A. de, & Almeida, D. M. F. de. (2018). REPRESENTAÇÕES E IDENTIDADES DE GÊNERO: “SER MULHER” NO CAMPO DE FUTEBOL. Corpoconsciência, 22(2), 100-109. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/6423

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)