DURABILIDADE NATURAL DA MADEIRA DE QUATRO ESPÉCIES AMAZÔNICAS EM ENSAIOS DE DETERIORAÇÃO DE CAMPO

Amilker Romanini, Diego Martins Stangerlin, Elisangela Pariz, Adilson Pacheco de Souza, Darci Alberto Gatto, Leandro Calegari

Resumo


Este estudo teve como objetivo avaliar a durabilidade natural da madeira de quatro espécies amazônicas em ensaios de deterioração de campo. Para tanto corpos de prova de Trattinnickia rhoifolia (amescla), Qualea albiflora (cambará), Dipteryx odorata (cumaru) e Mezilaurus itauba (itaúba), com dimensões de 2 x 2 x 20 cm, foram submetidos durante 10 meses a ensaios de deterioração em ambiente de campo aberto. A cada dois meses foram realizadas amostragens no material ensaiado e retirados corpos de prova para determinação do percentual de massa seca residual e índice de deterioração. A madeira de amescla apresentou a menor durabilidade natural, o que pode ser explicado pelas suas propriedades físicas e químicas, já as madeiras de cambará, cumaru e itaúba não diferiram estatisticamente entre si.

Palavras-chave: biodeterioração, qualidade da madeira, madeira tropical, química da madeira.

 

NATURAL DURABILITY OF FOUR AMAZONIAN WOODS IN FIELD TESTS

ABSTRACT

This study aimed to evaluate natural durability of four Amazonian woods in field tests. For this purpose samples of Trattinnickia rhoifolia (amescla), Qualea albiflora (cambará), Dipteryx odorata (cumaru) and Mezilaurus itauba (itaúba), with reduced dimensions of 2 x 2 x 20 cm, were submitted in open field tests during 10 months. Every two months samples were weighed and evaluated by a criterion of notes, to determine the percentage of residual dry mass and decay index, respectively. Amescla wood had lower natural durability, which can be explained by their physical and chemical properties, however cambará, cumaru and itaúba wood not differ statistically.

Keywords: biodeterioration, wood quality, tropical wood, wood chemistry.

 

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v02n01a03


Texto completo:

PDF

Referências


ARCHER, K.; LEBOW, S. Wood preservation. In: WALKER, J. C. F. (Ed.). Primary wood processing: principles and practice. Dordrecht: Springer, 2006. p. 297-338.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 11941: Determinação da densidade básica. Rio de Janeiro: ABNT, 2003c. 6 p.

______. NBR 13999: Papel, cartão, pastas celulósicas e madeira - Determinação do resíduo (cinza) após a incineração a 525ºC. Rio de Janeiro: ABNT, 2003a. 4 p.

______. NBR 14853: Madeira - Determinação do material solúvel em etanol-tolueno e em diclorometano. Rio de Janeiro: ABNT, 2002. 3 p.

______. NBR 7989: Pastas celulósicas e madeira - Determinação de lignina insolúvel em ácido. Rio de Janeiro: ABNT, 2003b. 5 p.

CARNEIRO, J. S. et al. Decay susceptibility of Amazon wood species from Brazil against white rot and brown rot decay fungi. Holzforschung, Berlin, v. 63, n. 6, p. 767-772, jun. 2009.

COSTA, A. F. et al. Durabilidade de madeiras tratadas e não tratadas em campo de apodrecimento. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 12, n. 1, p. 7-14, jan./mar. 2005.

DIAS, C. A. A. Procedimentos de medição e aquisição de dados de uma torre micrometeorológica em Sinop-MT. 2007. 89 f. Dissertação (Mestrado em Física e Meio Ambiente) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2007.

EATON, R. A.; HALE, M. D. C. Wood: decay, pests and protection. Londres: Chapman e Hall, 1993. 546 p.

GONÇALVES, F. G. et al. Durabilidade natural de espécies florestais madeireiras ao ataque de cupim de madeira seca. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 20, n. 1, p. 110-116, jan./mar. 2013.

JESUS, M. A. et al. Durabilidade natural de 46 espécies de madeira amazônicas em contato com o solo em ambiente florestal. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 54, p. 81-92, dez. 1998.

KOLLMANN, F. Tecnologia de la madeira y sus applicaciones. Madrid: Gráficas Reunidas S.A., 1959. 674 p.

LEPAGE, E. S. Método sugerido pela IUFRO para ensaios de campo com estacas de madeira. Preservação de madeiras, São Paulo, v. 1, n. 4, p. 205-216, 1970.

LUNZ, A. M. Degradação da madeira de seis essências arbóreas causadas por Scolytidade (Coleóptera). 2001. 160 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2001.

MARCONDES E. et al. Resistência natural da madeira de duas espécies amazônicas em ensaios de deterioração de campo. Scientia Plena, São Cristóvão, v. 9, n. 6, p. 1-9, jun. 2013.

MELO, R. R. et al. Durabilidade natural da madeira de três espécies florestais em ensaios de campo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 2, p. 357-365, abr./jun. 2010.

MENDES, A. S.; ALVES, M. V. S. A degradação da madeira e sua preservação. Brasília: IBDF/LPF, 1988. 57 p.

PAES, J. B. et al. Efeitos dos extrativos e cinzas na resistência natural de quatro madeiras a cupins xilófagos. Cerne, Larvas, v. 19, n. 3, p. 399-405, jul./set. 2013.

PAES, J. B. et al. Resistência natural de sete madeiras a fungos e cupins xilófagos em condições de laboratório. Cerne, Larvas, v. 13, n. 2, p. 160-169, abr./jun. 2007.

PANSHIN, A. J.; DE ZEEUW, C. Text book of wood technology. New York: McGraw Hill, 1980. 722 p.

PEREZ V. et al. In vitro decay of Aextoxicon punctatum and Fagus sylvatica woods by white and brown-rot fungi. Wood Science and Technology, Berlin, v. 27, n. 4, p. 295-307, abr. 1993.

PRIANTE FILHO, N. et al. Comparison of the mass and energy exchange of a pasture and a mature transitional tropical forest of the southern Amazon Basin during the season transition. Global Change Biology, Malden, v. 10, n. 5, p. 863-876, maio 2004.

SANTINI, E. J. Biodeterioração e preservação da madeira. Santa Maria: CEPEF/FATEC, 1988. 125 p.

STANGERLIN, D. M. Monitoramento de propriedades de madeiras da Amazônia submetidas ao ataque de fungos apodrecedores. 2012. 259 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

TREVISAN, H. Degradação natural de toras e sua influência nas propriedades físicas e mecânicas da madeira de cinco espécies florestais. 2006. 56 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.31413/nativa.v2i1.1309

Apontamentos

  • Não há apontamentos.