Ensaio sobre_vivências: Fricção de Borboletas

Autores

  • Diego Paleólogo Assunção Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Vinicios Kabral Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

Este ensaio tem como objetivo articular as tensões de experiências passadas dos autores, imagens de arquivo pessoal e imagens de narrativas audiovisuais da cultura pop. A partir da estratégia da montagem e da construção subjetiva e ensaística de uma narrativa, investigamos nossas vivências, infâncias e relações afetivas. O que baliza esse mergulho nas imagens são as epistemologias que emergem de nossas práticas pedagógicas: aventuras em outras estratégias epistemológicas, recusa e desorganização dos saberes coloniais do corpo. Se a política é a prática da visibilidade, o sensível deve emergir de experiência singulares que possam ser expandidas para o coletivo. As borboletas se hibridizam como corpos que se cruzam, se contaminam e se separam – quais imagens nos definem? Quais memórias temos a capacidade de resgatar e re-apresentar.

Biografia do Autor

Diego Paleólogo Assunção, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pós-doutorando em Comunicação, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Vinicios Kabral Ribeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Adjunto da Escola de Belas Artes, da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

ABREU, Caio Fernando. Pedras de Calcutá. Rio de Janeiro: Agir, 2007.

BRAIDOTTI, Rosi. Nomadic Subjects: embodiment and sexual difference in contemporary feminist theory. Columbia University Press. New York, 1994.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto?. Tradução de Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha.1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

FOUCAULT, Michel. O Anti-Édipo: uma introdução à vida não fascista. Cadernos de Subjetividade / Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP. – v. 1, n. 1 – São Paulo, 1993, páginas 197 a 200.

HALBERSTAM, Jack. A Arte Queer do Fracasso. CEPE, Recife, 2020.

JACKSON, Shirley. The Haunting of Hill House. Penguin Classics, 2009.

KAFKA, Franz. Na Colônia Penal. Antofágica, Rio de Janeiro, 2020.

MURARI, Lucas; SOMBRA, Rodrigo. Entrevista: T.J. Demos. “O antropoceno é um meio para corporações e estados manterem o atual imperativo global quando se trata de governança climática”. Revista Imagofagia, n. 17, 2018. Disponível em: http://www.asaeca.org/imagofagia/index.php/imagofagia/article/view/1585. Acesso: 01 agosto 2020.

PRECIADO, Paul B. Saberes_vampiros@War Donna Haraway y las epistemologías cyborg y decoloniales. Revista Vozal, 2006. Disponível em: http://revistavozal.com/vozal/index.php/saberes- vampiros-war-donna-harawayy-las-epistemologias-cyborg-y-decoloniales. Acesso em: 20 maio. 2020.

ROSE, Philip. Benjamin Now: Critical Encounters With the Arcades Project. Disponível em https://monoskop.org/images/e/e2/Boundary_2_Spring_2003_Benjamin_Now_Critical_Encounters_With_the_Arcades_Project.pdf. Acesso em: 20 maio 2019.

RUBIN, Gayle. Geologias dos estudos queer: um déjà vu mais uma vez. Soc. e Cult., Goiânia, v. 19, n. 2, p. 117-125, jul./dez. 2016.

Downloads

Publicado

2020-08-31