ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FORRAÇÕES ORNAMENTAIS EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Autores

  • Janine Farias Menegaes Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação em Agronomia
  • Andressa Pozzatti Zago UFSM, PPGAgrobiologia
  • Rogério Antonio Bellé UFSM
  • Fernanda Alice Antonello Londero Backes UFSM

DOI:

10.31413/nativa.v5i5.4468

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar o enraizamento de estacas de forrações ornamentais submetidas a diferentes concentrações de ácido indolbutírico. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, sob delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 5 x 5 (forrações ornamentais: alternantera-variegada, alternantera-vermelha, pileia-alumínio, pileia-rendada e vedélia, e concentrações de ácido indolbutírico (AIB): 0, 250, 500, 1.000 e 2.000 mg kg-1), com cinco repetições. As estacas foram coletadas do jardim clonal do setor de Floricultura do Departamento de Fitotecnida da Universidade Federal de Santa Maria, com média de 7 a 10 cm, com corte em bisel, mantendo 50% da área foliar e enraizadas em casca de arroz carbonizada. Avaliou-se a porcentagem de enraizamento das estacas, número e comprimento radicular e estabilidade do torrão. Observou-se que todas as espécies de forrações ornamentais estudadas enraizaram sem o uso de reguladores de crescimento AIB. E, que os beneficios da utilização desse regulador de crescimento foram o aumento do enraizamento das estacas, do número e do comprimento radicular.

Palavras-chave: AIB, propagação vegetativa, plantas ornamentais.

 

ROOTING OF CUTTINGS OF ORNAMENTAL FODDER IN DIFFERENT CONCENTRATIONS OF INDOLEBUTYRIC ACID

 

ABSTRACT

The objective of the present study was to evaluate or rooting of ornamental fodder cuttings submitted to different concentrations of indolebutyric acid. The experiment was carried out in a greenhouse, in a 5x5 factorial scheme (ornamental facies: alternantera-variegada, alternantera-red, pileia-aluminum, pileia-laced and vedelia, and indolbutyric acid (IBA) concentrations: 0, 250, 500, 1,000 and 2,000 mg kg-1) with five replicates. The cuttings were collected from the clonal garden of the Floriculture Department of the Department of Plant Science of the Federal University of Santa Maria, with an average of 7 to 10 cm, with a bevel cut, maintaining 50% of the leaf area and rooted in bark of charred rice. There is a percentage of rooting of the cuttings, number and root length and stability of the clod. It was observed that all ornamental plant species studied rooted without the use of AIB growth regulators. And, that the benefits of the use of growth regulator for increased rooting of the cuttings, number and root length.

Keywords: IBA, vegetative propagation, ornamental plants.

 

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2318-7670.v05n05a02

Biografia do Autor

Janine Farias Menegaes, Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação em Agronomia

Eng. Agrônoma, Mestre em Eng. Agrícola e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia da Universidade Federal de Santa Maria

Andressa Pozzatti Zago, UFSM, PPGAgrobiologia

Agrônoma

Rogério Antonio Bellé, UFSM

Professor do Departamento em Fitotecnia - UFSM

Fernanda Alice Antonello Londero Backes, UFSM

Professora do Departamento em Fitotecnia - UFSM

Referências

BARBOSA, J. G.; LOPES, L. C.; MUNIZ, M. A.; BARBOSA, M. S. Substratos, reguladores e estruturas para propagação vegetativa. In: BARBOSA, J. G.; LOPES, L. C. (Ed.) Propagação de plantas ornamentais. Viçosa: Editora UFV, 2011a. p.145-165.

BARBOSA, J. G.; LOPES, L. C.; GROSSI, J. A. S.; MAPELI, A. M. Propagação vegetativa artificial. In: BARBOSA, J. G.; LOPES, L. C. (Ed.) Propagação de plantas ornamentais. Viçosa: UFV Editora. 2011b. p.109-144.

BEZERRA, F. C.; ROSA, M. F.; BRÍGIDO, A. K. L.; NORÕES, E. R. V. Utilização de pó de coco como substrato de enraizamento para estaca de crisântemo. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, v. 7, n. 2, p. 129-134, 2001. DOI: http://dx.doi.org/10.14295/rbho.v7i2.87

COELHO, M. F. B.; AZEVEDO, R. A. B. Efeito do tipo de estaca na propagação de Turnera subulata. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 34, p. 435-438, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362016003021

CORRÊA, P. R.; PAIVA, P. D. O. Agronegócio da floricultura brasileira. Magistra, Cruz das Almas, v. 21, n. 4, p. 253-261, 2009.

DINALLI, R. P.; CASTILHO, R. M. M.; GAZOLA, R. N.; CELESTRINO, T. S.; GONZAGA, D. A.; FERREIRA, A. F. A. Produção de mudas de Zamioculcas zamiifolia por estaca foliar. Tecnologia & Ciências Agropecuária, João Pessoa, v. 7, n. 3, p. 7-12, 2013.

FACHINELLO, J. C.; HOFFMANN, A.; NACHIGAL, J. C. Propagação de plantas frutíferas. Brasília: Embrapa, 2005. 221p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, p. 1039-1042, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542011000600001

FERRIANI, A. P.; BORTOLINI, M. B.; ZUFFELLATO-RIBAS, K. C.; KOEHLER, H. S. Propagação vegetativa de estaquia de azaléia arbórea (Rhododendron thomsonii HOOK. f.). Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 27, n. 1, p. 35-42, 2006.

FREITAS, T. A. S.; BARROSO, D. G.; SOUZA, L. S.; CARNEIRO, J. G. A.; PAULINO, G; M. Produção de mudas de eucalipto com substratos para sistema de blocos. Revista Árvore, Viçosa, v. 34, n. 5, p. 761-770, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000500001

GRUSZYNSKI, C. Produção comercial de crisântemo: vaso, corte e jardim. Guaíba: Agropecuária, 2001. 166p.

HARTMANN, H. T.; KESTER, D. E.; DAVIS, J. R. GENEVE, R. L. Plant Propagation: principles and practices. New Jersey: Prentice-Hall, 2011. 915p.

IBRAFLOR - INSTITUTO BRASILEIRO DE FLORICULTURA. Números do Setor - Mercado Interno de 2014. 2014. Disponível em: < http://www.ibraflor.com/ns_mer_interno.php>. Acesso em: 16 ago. 2015.

JUNQUEIRA, A. H.; PEETZ, M. S. O setor produtivo de flores e plantas ornamentais do Brasil, no período de 2008 a 2013: atualizações, balanços e perspectivas. Revista Horticultura Ornamental, Campinas, v. 20, n. 2, p. 115-120, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.14295/rbho.v20i2.727

KÄMPF, A. N. Produção comercial de plantas ornamentais. Guaíba: Agropecuária, 2000. 254p.

LAJÚS, C. R.; SOBRAL, L. S.; BELOTTI, A.; SAVARIS, M.; LAMPERT, S.; SANTOS, S. R. F.; KUNST, T. Ácido Indolbutírico no enraizamento de estacas lenhosas de figueira (Ficus carica L.). Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1107-1109, 2007.

LORENZI, H. Plantas para jardim no Brasil: herbáceas, arbustivas e trepadeiras. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 2013. 1120p.

MACHADO, M. P.; MAYER, J. L. S.; RITTER, M.; BIASI, L. A. Ácido indolbutírico no enraizamento de estacas semilenhosas do porta-enxerto de videira “VR043-43” (Vitis vinifera x Vitis rotundifolia). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 27, N. 3, p. 476-479. 2005. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452005000300032

MENEGAES, J. F.; BACKES, F. A. A. L.; BELLÉ, R. A.; BACKES, R. L.; ZAGO, A. P. Enraizamento de estacas e cultivo em vaso de Alternanthera dentata. Acta Iguazu, Cascavel, v. 5, n. 2, p. 1-9, 2016.

MENEGAES, J. F.; BACKES, F. A. A. L.; BELLÉ, R. A.; PERES, T. E. S. Enraizamento de estacas e produção de Euryops chrysanthemoides (DC.) B. Nord. em vaso Ornamental Horticulture, Campinas, v. 21, n. 3, p. 382-386, 2015. Doi: http://dx.doi.org/10.14295/oh.v21i3.732

PIZZATO, M.; WAGNER JÚNIOR, A.; LUCKMANN, D. PIROLA, K.; CASSOL, D. A.; MAZARO, S. M. Influência do uso de AIB, época de coleta e tamanho de estaca na propagação vegetativa de hibisco por estaquia. Revista Ceres, Viçosa, v. 58, p. 487-492, 2011.

SILVA, A. S.; REGES, N. P. R.; MELO, J. K.; SANTOS, M. P.; SOUSA, C. M. Enraizamento de estacas caulinares de ixora. Ornamental Horticulture, Campinas, v. 21, n. 2, p. 201-208, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.14295/aohl.v21i2.656

TAKANE, R.; YANAGISAWA, S. S.; GÓIS, E. A. Técnicas em substratos para a floricultura. Fortaleza: Expressão gráfica, 2013. 143p.

TAKATA, W. H. S.; SILVA, H. G. da; BARDIVIESSE, D. M. Enraizamento de estacas de Duranta repens Linn “Aurea” em função de doses de IBA. Revista Científica Eletrônica de Agronomia, Garça, v. 21, n. 1, p. 1-9, 2012.

TRANI, P. E.; NOVO, M. C. S. S.; CAVALLARO JÚNIOR, M. L.; TELLES, L. M. G. Produção de mudas de alface em bandejas e substratos comerciais. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 22, n. 2, p. 290-294, 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362004000200025

WENDLING, I.; PAIVA, H. N.; GONÇALVES, W. Técnicas de produção de mudas de plantas ornamentais. Viçosa: Aprenda Fácil, 2005. 223p.

Downloads

Publicado

2017-10-02

Edição

Seção

Agronomia / Agronomy