MORFOBIOMETRIA E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Parkia multijuga Benth. (Fabaceae-Mimosoideae)

Autores

  • Cartiane Rubishirley Macêdo Rocha
  • Denis Santiago Costa Departamento de Produção Vegetal, USP/ESALQ, Piracicaba, SP, Brasil.
  • Ana Dionisia da Luz Coelho Novembre
  • Eniel David Cruz

DOI:

10.31413/nativa.v2i1.1377

Resumo

Apesar dos métodos para a análise de sementes de muitas espécies estarem descritos nas Regras para Análises de Sementes, para a maioria das sementes das espécies brasileiras não há, ainda, métodos para o teste de germinação. Assim, os objetivos dessa pesquisa foram determinar as dimensões das sementes e as características das plântulas de Parkia multijuga e estabelecer o substrato e a temperatura para a germinação. As dimensões das sementes avaliadas foram: comprimento, largura e espessura. Para avaliação da germinação, em diferentes temperaturas e substratos, foi utilizado o delineamento experimental inteiramente casualizado em fatorial duplo (dois substratos, entre areia e entre papel, e quatro temperaturas, 20, 25 e 30ºC com luz contínua e 25-30°C com alternância de luz). As sementes de Parkia multijuga são elipsoidais, com tamanho médio de 46,4 × 11,8 × 8,8 mm. A germinação das sementes é do tipo hipógea e criptocotiledonar. As temperaturas adequadas para o teste de germinação são 25 ou 30ºC, em substrato areia, em luz contínua.

Palavras-chave: Faveira-benguê, plântula normal; temperatura, substrato.

 

MORPHOBIOMETRY AND GERMINATION OF Parkia multijuga Benth. SEEDS

ABSTRACT

Many species have the seed analysis method described in rules for seed testing, however some Brazilian native species do not have studies related about germination methods. The aims of this study were characterize the size of Parkia multijuga Benth. seeds and determine the substrate and temperature for the germination test. The sizes assessed were the length, the width and the thickness. To indicate the best temperature and substrate for the germination test the completely randomized design was used in factorial (two substrate, between sand and between paper, and four temperatures, 20, 25 and 30ºC with light and 25-30°C, with alternated light). Parkia multijuga seeds are ellipsoids shape and its mean size is 46.4 × 11.8 × 8.8 mm. The germination is hypogeal and cryptocotylar. The germination test should be made either 25ºC or 30ºC using sand as substrate, in continuous light condition.

Keywords: Faveira-benguê; normal seedling; temperature, substrate.

 

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v02n01a08

Referências

ALBUQUERQUE, M. C. F. et al. Influência da temperatura e do substrato na germinação de sementes de saguaraji (Colubrina glandulosa Perk. – Rhamnaceae). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 20, n. 2, p. 346-349, jul./dez. 1998.

ALVES, E. U. et al. Substratos para testes de emergência de plântulas e vigor de sementes de Erythrina velutina Willd., Fabaceae. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, n. 1, p. 69-82, jan./mar. 2008.

ANDRADE, A. C. S. et al. Tamanho mínimo e preparo da amostra na determinação do grau de umidade de sementes de Parkia multijuga Benth. (Leguminosae Mimosoideae). Revista Árvore, Viçosa, v. 25, n. 2, p.203-207, mar./abr. 2001.

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. 2 ed. New York: Plenum Press, 1994. 445 p.

BIANCHETTI, A. et al. Escarificação ácida para superar a dormência de sementes de pinho-cuiabano (Parkia multijuga Benth.). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 20, n. 1, p. 215-218, jan./jun. 1998.

BRANCALION, P. H. S. et al. Temperatura ótima de germinação de sementes de espécies arbóreas brasileiras. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 32, n. 4, p. 15-21, out./dez. 2010.

BRASIL. Instrução normativa nº 26, de 10 de setembro de 2012. Diário Oficial [da] União, Poder Executivo, Brasília, DF, 11 set. 2012. Seção 1, p. 5

BRASIL. Instrução normativa nº 35, de 14 de julho de 2011. Diário Oficial [da] União, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 jul. 2011. Seção 1, p. 2

BRASIL. Instrução normativa nº 44, de 23 de dezembro de 2010. Diário Oficial [da] União, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 dez. 2010. Seção 1, p. 2

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Glossário ilustrado de morfologia. Brasília: Mapa/ACS, 2009b. 4069 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009a. 399 p.

CALVI, G. P. et al. Tratamentos de pré-embebição para aumento do desempenho da germinação de sementes de Parkia multijuga Benth. Revista Forestal Latinoamericana, Mérida, v. 23, n. 44, p. 53-65, dez. 2008.

CAMARA, C. A. et al. Caracterização morfométrica de frutos e sementes de efeito da temperatura na germinação de Parkia pendula Benth. ex Walp. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 3, p. 281-290, jun./set. 2008.

CAMARGO, J. L. C. et al. Rehabilitation of degraded areas of Central Amazonia using direct sowing of forest tree seeds. Restoration Ecology, Tokyo, v. 10, n. 4, p. 636-644, 2002.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 2. ed. Campinas: Fundação Cargill, 2000. 565 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. v. 3. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. 593 p.

CRUZ, E. D. et al. Métodos para a superação da dormência e biometria de frutos e sementes de Parkia nitida Miquel. (Leguminosae - Mimosoideae). Acta Amazonica, Manaus, v. 31, n. 2, p. 167-177, abr./jun. 2001.

FERRAZ, I. D. K. et al. Guia de propágulos da Amazônia. Manaus: INPA, 2004. 26 p.

GUEDES, R. S. et al. Substratos e temperaturas para testes de germinação e vigor de sementes de Amburana cearensis (Allemão) A.C. Smith. Revista Árvore, Viçosa, v. 34, n. 1, p.57-64, jan./fev. 2010.

HENNING, A. A.; FRANÇA-NETO, J. B. Problemas na avaliação da germinação de semente de soja com alta incidência de Phomopsis sp. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 2, n. 3, p. 9-22, maio/ago. 1980.

LADEIA, E. S. et al. Procedência do fruto e substratos na germinação de sementes de Pseudobombax longiflorum (Mart. et Zucc.) A. Robyns. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 42, n. 2, p. 174-180, abr/jun, 2012.

LEWIS, G. et al. Legumes of the World. Richmond: Kew Publishing, 2005. 592 p.

LIMA, C. R. et al. Temperaturas e substratos na germinação de sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 33, n. 2, p. 216-222, abr./jun. 2011.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed. v. 2. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. 382 p.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, Madison, v. 2, n. 2, p. 176-177, mar./abr. 1962.

MELO, M. G. G. et al. Superação de dormência em sementes de três espécies de Parkia spp. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 33, n. 3, p. 533-542, jul./set. 2011.

PACHECO, M. V. et al. Germinação de sementes de Apeiba tibourbou Aubl. em função de diferentes substratos e temperaturas. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 73, p. 19-25, mar. 2007.

PACHECO, M. V. et al. Efeito de temperaturas e substratos na germinação de sementes de Myracrodruon urundeuva Fr. All. (Anacardiaceae). Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 3, p. 359-367, mai/jun. 2006.

PETERSON, J. R.; COOPER, P. G. Some considerations of water in the germination test. Seed Science and Technology, Zürich, v. 7, n. 3, p. 329-340, set./dez. 1979.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília: AGIPLAN, 1985. 289 p.

RANAL, M. A.; SANTANA, D. G.; FERREIRA, W. R.; MENDES-RODRIGUES, C. Calculating germination measurements and organizing spreadsheets. Revista Brasileira de Botanica, São Paulo, v. 32, n. 4, p. 849-855, out./dez. 2009.

VARELA, V. P. et al. Umedecimento do substrato e temperatura na germinação de sementes de angelim-pedra (Dinizia excelsa Ducke). Revista Brasileira Sementes, Pelotas, v. 27, n. 2, p. 130-135, abr./jun. 2005.

Downloads

Publicado

2014-03-19

Edição

Seção

Notas Técnicas / Technical Notes