EFICIÊNCIA DE COMBATE AOS INCÊNDIOS FLORESTAIS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO BRASILEIRAS

Autores

DOI:

10.31413/nativa.v9i4.12366

Palavras-chave:

Proteção florestal, Registro de Ocorrência de Incêndios, Áreas Protegidas

Resumo

A precariedade dos planos de combate aos incêndios florestais, torna o fogo a principal ameaça às Unidades de Conservação. Os Registros de Ocorrência de Incêndios (ROIs) são estratégias para aumentar a eficiência no enfrentamento aos incêndios. Assim, com a presente pesquisa objetivou-se analisar a eficiência de combate aos incêndios florestais em Unidades de Conservação brasileiras. Foram utilizados os ROIs do Sistema Nacional de Informações sobre Fogo referentes ao intervalo de 2010 a 2020. Foram avaliados o número de ROIs completos e incompletos, tipos de detecção, quantidade de área queimada, tempo de detecção, de ataque e de combate. Os resultados evidenciaram que apenas 52,33% dos ROIs estavam completos e que 2019 foi o ano com mais ROIs completos. Os pontos de observação e a ronda foram os principais métodos de detecção. As unidades de conservação brasileiras sofreram com a destruição de 31.918.617,41 hectares no período analisado, que significa índice de severidade extremo. Conclui-se que as unidades de conservação brasileiras apresentam baixa eficiência de combate aos incêndios florestais, principalmente de ataque inicial e combate, sendo necessário melhorar a eficiência da detecção e combate, infraestrutura, realizar treinamentos e conscientização sobre a importância dos ROIs.

Palavras-chave: proteção florestal; registro de ocorrência de incêndios; áreas protegidas.

 

Firefighting efficiency in Brazilian Protected Areas

 

ABSTRACT: The precariousness of plans to combat forest fires, makes fire the main threat to Protected areas. Fire Occurrence Records (ROIs) are strategies to increase efficiency in fighting fires. Thus, we aimed analyze the efficiency of fighting forest fires in Brazilian Protected Areas. ROIs by National Fire Information System for the period 2010 to 2020 were used. The number of complete and incomplete ROIs, types of detection, amount of area burned, time of detection, attack and combat were evaluated. The results showed that only 52.33% of the ROIs were complete and that 2019 was the year with the most complete ROIs. Observation points and patrol were the main detection methods. Brazilian protected areas suffered from the destruction of 31,918,617.41 hectares in the analyzed period, which means an extreme severity index. It is concluded that Brazilian protected areas have low efficiency in combating forest fires, mainly in initial attack and combat, and it is necessary to improve the efficiency of detection and combat, infrastructure, conduct training and awareness about the importance of ROIs.

Keywords: forest protection; record of fire occurrences; protected areas.

Referências

ADÁMEK, M.; BOBEK, P.; HADINCOVÁ, V.; WILD, J.; KOPECKÝ, M. Forest fires within a temperate landscape: a decadal and millennial perspective from a sandstone region in central Europe. Forest Ecology and Management, v. 336, p. 81-90, 2015. DOI: 10.1016/j.foreco.2014.10.014

ALKHATIB, A. A. A. A Review on Forest Fire Detection Techniques. International Journal of Distributed Sensor Networks, v. 10, n. 3, p. 1-12, 2014. DOI: 10.1155/2014/597368

ALMEIDA, R. V. de; VIEIRA, D. Forest Fire Finder – DOAS application to long-range forest fire detection. Atmos. Meas. Tech., v. 10, p. 2299-2311, 2017. DOI: 10.5194/amt-10-2299-2017

BAO, S.; XIAO, N.; LAI, Z.; ZHANG, H.; KIM, C. Optimizing watchtower locations for forest fire monitoring using location models. Fire Safety Journal, v. 71, p. 100-109, 2015. DOI: 10.1016/j.firesaf.2014.11.016

BONTEMPO, G. C.; LIMA, G. S.; RIBEIRO, G. A.; DOULA, S. M.; SILVA, E.; JACOVINE, L. A. G. Registro de Ocorrência de Incêndio (ROI): evolução, desafios e recomendações. Biodiversidade Brasileira, n. 2, p. 247-263, 2011.

BRASIL. Lei Federal Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 jul. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acessado em: 09 de maio de 2021.

CANZIAN, W. P.; FIELDER, N. C.; LOUREIRO, E. B.; BERUDE, L. C. Eficiência do uso da água em métodos de combate a incêndios em florestas plantadas. Nativa, v. 6, n.3, p. 309-312, 2018. DOI: 10.31413/nativa.v6i3.4778

FÉLIX, F.; LOURENÇO, L. O tempo de resposta do ataque inicial a incêndios florestais nos espaços mais sensíveis de Portugal. O exemplo prático da Serra da Lousã. Territorium, v. 24, p. 187-211, 2017. DOI: 10.14195/1647-7723_24_14

FERNANDES, L. C.; NERO, M. A.; TEMBA, P.; ELMIRO, M. A. T. Uso de técnicas de sensoriamento remoto utilizando imagens Modis (MCD45A1) para identificação e avaliação de áreas queimadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte - MG, Brasil. Sustainability in Debate, v. 11, n. 2, p. 158-172, 2020. DOI: 10.18472/SustDeb.v11n2.2020.28145

FIEDLER, N. C.; RODRIGUES, T. O.; MEDEIROS, M. B. de. Avaliação das condições de trabalho, treinamento, saúde e segurança de brigadistas de combate a incêndios florestais em unidades de conservação do Distrito Federal: estudo de caso. Revista Árvore, v. 30, n. 1, p. 55-63, 2006. DOI: 10.1590/S0100-67622006000100008

FIEDLER, N. C.; SANT’ANNA, C. M.; TEBALDI, A. L.; MENEZES, R. A. S.; RAMALHO, A. H. C. Causas dos incêndios florestais. In: FIEDLER, N. C.; SANT’ANNA, C. M.; RAMALHO, A. H. C. (Eds.) Incêndios Florestais. 1 ed. Jerônimo Monteiro, ES: UFES: 2020a. p. 55-64. ISBN 978.65.990359-6-8

FIEDLER, N. C.; SANT’ANNA, C. M.; TEBALDI, A. L.; RAMALHO, A. H. C. Métodos de detecção e técnicas de combate aos incêndios florestais. In: FIEDLER, N. C.; SANT’ANNA, C. M.; RAMALHO, A. H. C. (Eds.) Incêndios Florestais. 1 ed. Jerônimo Monteiro, ES: UFES: 2020b. p. 153-194. ISBN 978.65.990359-6-8

FIEDLER, N. C; LACERDA, G. R.; RAMALHO, A. H. C.; BERUDE, L. C.; NEVES, F. P. da; RODRIGUES, C. K. Firefighting combat with fire retardants at different concentrations. Floresta, v. 50, n. 1, p. 1107–1112, 2020c. DOI: 10.5380/rf.v50i1.61609

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Sisfogo – ROI. 2020. Disponível em <http://dadosabertos.ibama.gov.br/dataset/sisfogo-registro-de-ocorrencias-de-incendio-roi>. Acessado em: 09 de maio de 2021.

LIMA, G. S.; TORRES, F. T. P.; COSTA, A. G.; FÉLIX, G. A.; SILVA JÚNIOR, M. R. Avaliação da eficiência de combate aos incêndios florestais em unidades de conservação brasileiras. Floresta, v. 48, n. 1, p. 113-122, 2018. DOI: 10.5380/rf.v48i1.53550

MAGALHÃES, S. R. de; LIMA, G. S.; RIBEIRO, G. A. Avaliação do Combate aos Incêndios Florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra. Floram, v. 18, n. 1, p. 80-86, 2011. DOI: 10.4322/floram.2011.025

RAMALHO, A. H. C.; NEDER, E. de C.; FIEDLER, N. C.; MOREIRA, T. R.; SILVA, J. P. M. Geotechnology applied to predict the risk of occurrence of fire in the Atlantic Forest. Revista Ibero Americana de Ciências Ambientais, v. 12, n. 1, p. 707-720, 2021a. DOI: 10.6008/CBPC2179-6858.2021.001.0057

RAMALHO, A. H. C.; SILVA, E. F. da; SILVA, J. P. M.; FIEDLER, N. C.; MAFFIOLETTI, F. D.; BIAZATTI, L. D.; MOREIRA, T. R.; JUVANHOL, R. S.; SANTOS, A. R. dos. Allocation of water reservoirs to fight forest fires according to the risk of occurrence. Journal of Environmental Management, v. 296, p. 113122, 2021b. DOI: 10.1016/j.jenvman.2021.113122

RAMSEY, G. S.; HIGGINS, D. G. Canadian Forest fire statistics. Ontario, Canadian Forestry Service, 1981. 71p.

RIBEIRO, L.; KOPROSKI, L. de P.; STOLLE, L.; LINGNAU, C.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Zoneamento de risco de incêndios florestais para a fazenda experimental do Canguiri, Pinhais (PR). Floresta, v. 38, n. 3, p. 561-572, 2008. DOI: 10.5380/rf.v38i3.12430

SOARES, R. V. Estatísticas dos incêndios florestais no Brasil. In: SOARES, R. V.; NUNES, J. R. S.; BATISTA, A. C., editores. Incêndios florestais no Brasil – o estado da arte. Curitiba, PR: UFPR, 2009. p. 1-20.

TETTO, A. F.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C.; WENDLING, W. T. Incêndios florestais atendidos pela Klabin do Paraná no período de 1965 a 2009. Cerne, v. 21, n. 3, p. 345-351, 2015. DOI: 10.1590/01047760201521031682

TORRES, F. T. P.; LIMA, G. S.; COSTA, A. das G.; FÉLIX, G. de A.; SILVA JÚNIOR, M. R. da. Perfil dos incêndios florestais em unidades de conservação brasileiras no período de 2008 a 2012. Floresta, v. 46, n. 4, p. 531-541, 2017. DOI: 10.5380/rf.v46i4.44199

ZAITSEV, A. S.; GONGALSKY, K. B.; MALMSTRÖM, A.; PERSSON, T.; BENGTSSON, J. Why are forest fires generally neglected in soil fauna research? A mini-review. Applied Soil Ecology, v. 98, p. 261-271, 2016. DOI: 10.1016/j.apsoil.2015.10.012

Downloads

Publicado

2021-09-24

Como Citar

Ramalho, A. H. C., Cesar Fiedler, N., Aparecida Silva Menezes, R., Duarte Biazatti, L., Cipriano de Assis do Carmo, F., & Cristina Gomes da Silva, E. (2021). EFICIÊNCIA DE COMBATE AOS INCÊNDIOS FLORESTAIS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO BRASILEIRAS. Nativa, 9(4), 393-400. https://doi.org/10.31413/nativa.v9i4.12366

Edição

Seção

Engenharia Florestal / Forest Engineering