INFLUENCE OF NATIVE VEGETATION ON PEQUIÁ FRUIT (Caryocar villosum [Aubl.] Pers) PRODUCTION AND TRAITS

Autores

DOI:

10.31413/nativa.v8i5.10186

Resumo

This study aims to determine the influence of native vegetation on production and traits of fruit from pequiá (Caryocar villosum [Aubl.] Pers), in the city of Nova Xavantina, Mato Grosso, Brazil. Fruits were collected from pequiá trees from two sites over a three-year period (2016, 2017, and 2018). The first site (Property A) was located near a fragment of natural vegetation, and the second site (Property B) was located in an anthropized area, far from any fragments of vegetation. The fruit samples (N = 40) were taken to the laboratory and, using a digital scale and calipers, each fruit’s weight, the weight of the outer shell, the equatorial diameter of the fruit, the longitudinal diameter of the fruit, the equatorial diameter of the seed, the longitudinal diameter of the seed, the thickness of the outer shell, and the number of seeds per fruit were measured or counted. The pequiá seeds were separated into batches of ten to evaluate the weight with pulp, their weight without pulp, the weight of the pulp, and the pulp yield as variables. Student’s t-test was used to compare the fruit traits between the two sites. Analysis of variance was also applied to the data. Property A was found to have larger and heavier fruits and a higher pulp weight in each batch. The climate may have been the main factor that influenced pequiá production from one year to the next during the study period. A lack of vegetation is one of the causes of distancing and reductions in pollinators, which, in turn, directly influence production and traits of pequiá fruits.

Keywords: ecosystem services; pollination; climate.

 

INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NATIVA NA PRODUÇÃO E BIOMETRIA DE FRUTOS DE PEQUIÁ (Caryocar villosum [Aubl.] Pers)

 

O objetivo deste trabalho foi verificar a influência da vegetação nativa na produção e biometria de frutos de pequiás (Caryocar villosum [Aubl.] Pers) em Nova Xavantina, Mato Grosso, Brasil. Para a realização deste estudo foram feitas coletas de frutos de pequiá em duas áreas durante três anos (2016, 2017 e 2018). Sendo a primeira área localizada próximo de um fragmento de vegetação natural (Propriedade A) e a segunda área está situada em área antropizada e distante de qualquer fragmento de vegetação (Propriedade B). Em cada propriedade foram coletados 40 frutos maduros de pequiá. Os frutos foram levados para laboratório e com o auxílio de uma balança digital e paquímetro avaliaram-se os seguintes parâmetros: peso do fruto, peso da casca, diâmetro equatorial do fruto, diâmetro longitudinal do fruto, diâmetro equatorial do caroço, diâmetro longitudinal do caroço, espessura da casca e número de caroços por fruto. Os caroços de pequiá foram separados em lotes de dez unidades para avaliar as variáveis de peso com polpa, peso sem polpa, peso da polpa e rendimento da polpa. Para a comparação das variáveis biométricas entre as propriedades foi utilizado o teste t de Student, já para o fator ano os dados foram submetidos à análise de variância. A propriedade A apresentou frutos maiores, mais pesados e com maior peso de polpa por lotes. O clima foi possivelmente o principal fator que influenciou na produção dos pequiás entre os anos analisados. A ausência de vegetação é um dos motivos que causa distanciamento e redução dos polinizadores, influenciando diretamente na produção e biometria dos frutos de pequiás.

Palavras-chave: serviço ecossistêmico; polinização; clima.

Biografia do Autor

Joaquim Manoel da Silva, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO - UNEMAT

Possuo graduação em Matemática Aplicada e Computacional pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP - 2003), mestrado em Biofísica Molecular pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP - 2006) e doutorado em Genética e Biologia Molecular - ênfase em Bioinformática pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - 2015). Atualmente é professor de Estatística na Universidade do Estado de Mato Grosso - Departamento de Biologia. Tem experiência em modelagem matemática aplicada (biofísica molecular e ecologia), estatística e bioinformática. Atualmente tem colaborado e coordenado projetos de genômica, transcriptômica e metagenômica. Em sua tese de doutorado, entitulada "DETECÇÃO DE VARIAÇÕES GENÔMICAS EM BOVINOS DA RAÇA NELORE USANDO DADOS DE GENOTIPAGEM E RESSEQUENCIAMENTO" apresentou uma metodologia inovadora que pode apontar variações raras no genoma humano, referentes a várias doenças. Atua como docente permanente no programa de pós graduação em rede - Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT - MESTRADO) e como colaborador nos programas Biotecnologia e Biodiversidade (Doutorado) e Genética e Melhoramento de Plantas (Mestrado).

Referências

AFONSO, S. R.; ANGELO, H.; ALMEIDA, N. A. Caracterização da produção de pequi em Japonvar, MG. Revista Floresta, Curitiba, v. 45, n. 1, p. 49-56, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v45i1.33987

ALVES, A. M.; FERNANDES, D. C.; SOUSA, A. G. O.; NAVES, R. V.; NAVES, M. M. V.; Características físicas e nutricionais de pequis oriundos dos estados de Tocantins, Goiás e Minas Gerais. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 17, n. 3, p. 198-203, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-6723.6013

ENCINA, C. C. C.; MARUQES, M. R.; DIODATO, M. A.; MOTTA, J. S.; GODOI, R. F.; OLIVEIRA, J. R. S.; GAMARRA, R. M.; DALMAS, F. B.; FILHO, A. C. P. Análise da estrutura vegetal de fragmentos do bioma Cerrado através de sensoriamento remoto. Anuário do Instituto de Geociências, Rio de Janeiro, v. 41, n. 2, p. 585-597, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2018_2_585_597

FAGUNDES, M.; ARAÚJO, S. L.; NUNES, Y. R. F. Efeitos do estágio sucessional do habitat na fenologia do pequizeiro (Caryocar brasiliense: Caryocaraceae). Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 144-146, jul. 2007.

FARIA, R. A. P. G.; COELHO, M. F. B.; FIGUEIREDO E ALBUQUERQUE, M. C.; AZEVEDO, R. A. B. Fenologia de Brosimum gaudichaudii Trécul. (Moraceae) no Cerrado de Mato Grosso. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 1, p. 67-75, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-509820152505067

FREITAS, J. L.; SANTOS, A. C., JUNIOR, F. O. C.; SARDINHA, M. A. Caracterização fenológica de três espécies florestais em ecossistema de terra firme, Amapá, Brasil. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 13, n. 24, p. 227-239, 2016. DOI: https://doi.org/10.18677/EnciBio_2016B_020

GARRATT, M. P. D.; BREEZE, T. D.; JENNER, N.; POLCE, C.; BIESMEIJER, J. C.; POTTS, S. G. Avoiding a bad apple: Insect pollination enhances fruit quality and economic value. Agriculture, Ecosystems and Environment, v. 184, n. 100, p. 34-40, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.agee.2013.10.032

GRIBEL, R. Ecologia da polinização e da dispersão de Caryocar brasiliense Camb. (Caryocaraceae) na região do Distrito Federal. 1986. 110f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 1986.

HOLZSCHUH, A.; DUDENHÖFFER, J.H.; TSCHARNTKE, T. Landscapes with wild bee habitats enhance pollination, fruit set and yield of sweet cherry. Biological Conservation, v. 153, p. 101-107, 2012. DOI: https://doi.org/10.1016/j.biocon.2012.04.032

Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep>. Acesso em: 20 fev 2019.

KINUPP, V. F.; LORENZI, H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. v.2. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014. 768 p.

KRAUSE, W.; NEVES, L. G.; VIANA, A. P.; ARAÚJO, C. A. T.; FALEIRO, F. G. Produtividade e qualidade de frutos de cultivares de maracujazeiro-amarelo com ou sem polinização artificial. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 47, n. 12, p. 1.737-1742, 2012.

MARTINS, R. L.; GRIBEL, R. Polinização de Caryocar villosum (Aubl.) Pers. (Caryocaraceae) uma árvore emergente da Amazônia central. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 35-43, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-84042007000100005

MEDEIROS, H.; AMORIM, A. M. A. Caryocaraceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB80>. Acesso em: 30 mar 2020.

MOURA, N. F.; CHAVES L. J.; NAVES, R. V.; Caracterização física de frutos de pequizeiro (Caryocar brasiliense Camb.) do Cerrado. Revista Árvore, Viçosa, v. 37, n. 5 p. 905-912, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622013000500013

NASCIMENTO, R. S. M.; COCOZZA, F. D. M. Physico-chemical characterization and biometry of fruits of ‘pequi’ in Western Bahia. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 19, n. 8, p. 791-796, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n8p791-796

NASCIMENTO-SILVA, N. R. R.; NAVES, M. M. V. Potential of Whole Pequi (Caryocar spp.) Fruit—Pulp, Almond, Oil, and Shell—as a Medicinal Food. Journal Of Medicinal Food, Larchmont, v. 22, n. 9, p. 952-962, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1089/jmf.2018.0149

NUNES, E. de S.; SOUSA, E. P.; DAMASCENO, N. P. Competitividade da extração e comercialização do pequi no Ceará. Custos e Agronegócio, Recife, v. 12, n. 1, p. 245-264, 2016.

OLIVEIRA, P. E. Fenologia e biologia reprodutiva das espécies de Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. (Eds.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. p. 273-290.

PANASOLO, A.; GALVÃO, F.; HIGACHI, H. Y.; OLIVEIRA, E. D.; CAMPOS, F.; WROBLEWSKI, C. A. Percepção dos serviços ecossistêmicos de áreas verdes urbanas de Curitiba/PR. BIOFIX, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 70-80, 2019. DOI: dx.doi.org/10.5380/biofix.v4i1.64451

PERUCH, L. A. M.; COLARICCIO, A.; BATISTA, D. C. Controle de doenças do maracujazeiro: situação atual e perspectivas. Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 37-40, 2018.

PIMENTEL-GOMES, F.; GARCIA, C. H. Estatística aplicada a experimentos agronômicos e florestais: exposição com exemplos e orientações para uso de aplicativos. 1.ed. Piracicaba: Fealq, 2002, 309 p.

PLATAFORMA BRASILEIRA DE BIODIVERSIDADE E SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (BPBES). Relatório Temático sobre Polinização, Polinizadores e Produção de Alimentos no Brasil. Disponível em: <https://www.bpbes.net.br/wpcontent/uploads/2019/02/BPBES_Completov5.pdf>. Acesso em: 13 mai 2019.

PROENÇA, I. C. L.; MASSAROTO, J. Á.; THEODORO, V. C. A. Agricultura orgânica no município de Alta Floresta-MT: estudo de caso em propriedades de base familiar. Revista de Ciências Agroambientais, Alta Floresta, v. 14, n. 1, p. 119-130, 2016.

REIS, S. M.; MARIMON-JÚNIOR, B. H.; MORANDI, O. S. OLIVEIRA-SANTOS, C.; OLIVEIRA, B.; MARIMON, B. S. Desenvolvimento inicial e qualidade de mudas de Copaifera langsdorffii Desf. sob diferentes níveis de sombreamento. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 1, p. 11-20, 2016. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509821061

SILVÉRIO, D. V.; LENZA, E. Fenologia de espécies lenhosas em um cerrado típico no Parque Municipal do Bacaba, Nova Xavantina, Mato Grosso, Brasil. Biota Neotropica, Campinas, v. 10, n. 3, p. 205-216, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-06032010000300024.

UIEDA, W.; BRED, A. Morcegos: agentes negligenciados da sustentabilidade. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 7, n. 1, p. 186-209, 2016. DOI: https://doi.org/10.18472/SustDeb.v7n1.2016.18617

YAMAMOTO, M.; OLIVEIRA, P. E.; GAGLIANONE, M. C. Uso sustentável e restauração da diversidade dos polinizadores autóctones na agricultura e nos ecossistemas relacionados: Planos de Manejo. 1.ed. Rio de Janeiro: Funbio, 2014. 404 p.

ZUFFO, A. M.; ANDRADE, F. R. E.; ZUFFO-JÚNIOR, J. M. Caracterização biométrica de frutos e sementes de baru (Dipteryx alata Vog.) na região leste de Mato Grosso, Brasil. Revista de Ciências Agrárias, Lisboa, v. 37, n. 4, p. 463-471, 2014.

ZUFFO, A. M.; GESTEIRA, G. S.; ZUFFO-JÚNIOR, J. M.; ANDRADE, F. R.; SOARES, I. O.; ZAMBIAZZI, E. V.; GULHERME, S. R.; SANTOS, A. S. Caracterização biométrica de frutos e sementes de mirindiba (Buchenavia tomentosa Eichler) e de inajá (Attalea maripa [Aubl.] Mart.) na região sul do Piauí, Brasil. Revista de Ciências Agrárias, Lisboa, v. 39, n. 3, p. 331-340, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.19084/RCA15152

Downloads

Publicado

2020-09-28

Edição

Seção

Ciências Ambientais / Environmental Sciences