CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICO-ESTRUTURAL E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE ESPÉCIES LENHOSAS DE REMANESCENTE DE CERRADÃO

Autores

DOI:

10.31413/nativa.v8i4.10048

Resumo

Entender a composição florístico-estrutural e as síndromes de dispersão de um remanescente fornecem subsídios para futuros planos de recuperação e conservação. Desta forma, objetivou-se analisar a composição florística, a estrutura da vegetação lenhosa e as síndromes de dispersão de um remanescente de cerradão localizado em Palmeiras de Goiás, GO. Para tal, foram alocadas 10 parcelas de 20 x 50 m onde todos indivíduos com diâmetro da base (Db) ≥ 5 cm ingressaram na amostragem, sendo medido ainda seu diâmetro à altura do peito (DAP) e altura. Foram amostrados 2.070 indivíduos distribuídos em 109 espécies, 86 gêneros e 49 famílias, sendo Fabaceae a família mais abundante. As espécies Tapirira guianensis e Xylopia aromatica se destacaram em Valor de Importância na área. A distribuição diamétrica apresentou-se no formato de “J”-invertido e a distribuição de altura com tendência normal, mostrando uma comunidade auto regenerativa. A síndrome de dispersão predominante foi a zoocoria, com 55,5% das espécies. Os resultados encontrados corroboram a importância das áreas de reserva legal e a necessidade de sua manutenção como estratégia de conservação/preservação ambiental.

Palavras-chave: fitofisionomia florestal; zoocoria; anemocoria; comunidade.

 

FLORISTIC-STRUCTURAL CHARACTERIZATION AND DISPERSION SYNDROMES OF WOODY SPECIES OF CERRADÃO REMANESCENT

 

ABSTRACT:

Understanding the floristic-structural composition and the dispersion syndromes of a remnant provides subsidies for future recovery and conservation plans. Thus, the aim was to analyze the floristic composition, woody vegetation structure and dispersion syndromes of a cerradão remnant located in Palmeiras de Goiás, GO. For this, 10 plots of 20 x 50 m were allocated where all individuals with base diameter (Db) ≥ 5 cm entered the sampling, and their diameter at breast height (DAP) and height were also measured. We sampled 2,070 individuals distributed in 109 species, 86 genera and 49 families, Fabaceae being the most abundant family. The species Tapirira guianensis and Xylopia aromatica stood out in Valor de Importância in the area. The diametric distribution was presented as “J”-inverted and the height distribution with normal tendency, showing a self-regenerative community. The predominant dispersion syndrome was zoocoria, with 55.5% of the species. The results found corroborate the importance of the legal reserve areas and the need for their maintenance as a conservation/environmental preservation strategy.

Keywords: forest phytophysiognomy; zoochory; anemocory; assembly.

Biografia do Autor

Weuler Alves Vasconcelos, Programa de Pós-graduação em Ciências Florestais e Ambientais, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Campus Universitário de Gurupi

Graduado em Engenheiro Florestal pela Universidade Federal de Goiás (2016), especialista em Manejo e Conservação dos Ecossistemas Naturais e Sistemas Agrários pela Universidade Estadual de Goiás (2017) e mestre em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal do Tocantins (2019). Atualmente trabalha como analista ambiental na empresa Biota Projetos e Consultoria Ambiental.

Sabrina do Couto de Miranda, Universidade Estadual de Goiás, Campus Palmeiras de Goiás

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (UEG), é especialista em Biologia Vegetal pela UEG, mestre em Botânica pela Universidade de Brasília (UnB) e doutora em Ecologia pela mesma instituição.

Carlos de Melo Silva-Neto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG), Campus Cidade de Goiás

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Goiás (2009). Especialização em Direito Ambiental da PUC/GO (2011), mestrado em Biodiversidade vegetal pela Universidade Federal de Goiás e Doutorado no Programa de Pós-graduação em Agronomia (Produção vegetal) da mesma instituição.

Priscila Bezerra de Souza, Programa de Pós-graduação em Ciências Florestais e Ambientais, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Campus Universitário de Gurupi

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2000), mestrado em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa (2004) e doutorado em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa (2008).

Referências

APG IV_THE ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, n. 1, p. 1-20, 2016. DOI: https://dx.doi.org/10.1111/boj.12385

ASSUNÇÃO S. L.; FELFILI J. M. Fitossociologia de um fragmento de Cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 903-909, 2004. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062004000400021

BORGES, H. B. N.; SHEPHERD, G. J. Flora e estrutura do estrato lenhoso numa comunidade de Cerrado em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 61-74, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-84042005000100006

CLIMA-DATA.ORG. Clima: Palmeiras de Goiás. Disponível em: <https://pt.climate-data.org/location/43436/>. Acesso em: 30 jul. 2018.

CORDEIRO, L. Fixação de nitrogênio em leguminosas ocorrentes no Cerrado. In: KLEI, A. L. Eugem Warming e o Cerrado brasileiro: um século depois. São Paulo: Editora USP, p. 131-145. 2000.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; HAIDAR, R. F. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas Cerrado e Pantanal. Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal. Brasília: 2005. 51 p.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, 2003. 68 p.

FENNER, M. Seed ecology. New York, Chapman and Hall. 1985. 151 p.

FERREIRA, R. Q. S.; CAMARGO, M. O.; TEIXEIRA, P. R.; SOUZA, P. B. de; SOUZA, D. J. de. Diversidade florística do estrato arbustivo arbóreo de três áreas de cerrado sensu stricto, Tocantins. Desafios, Palmas, v. 4, n. 2, p. 69-82, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2017v4n2p69

FLEMING, T. H. Fruiting plant-frugivore mutualism: the evolutionary theater and the ecological play. In: PRICE, P. W.; et al. (Eds.) Plant-animal interactions: evolutionary ecology in tropical and temperate regions. NewYork, J. Wiley and Sons, 1991. p. 119-144.

GIÁCOMO, R. G.; PEREIRA, M. G.; CARVALHO, D. C.; MEDEIROS, V. S.; GAUI, T. D. Florística e Fitossociologia em Áreas de cerradão e Mata Mesofítica na Estação Ecológica de Pirapitinga, MG. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 22, n. 3, p.287-298, 2015. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.067913

GIMENEZ, V. M. M.; GODOY, S. A. P. de. Diversidade da Vegetação Regenerante de um Cerrado após Plantio de Exóticas em Luiz Antônio (SP). Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 729-731, 2007.

HOWE, H. F.; SMALLWOOD, J. Ecology of seeds dispersal. Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 13, p. 201-228, 1982. DOI: https://dx.doi.org/10.1146/annurev.es.13.110182.001221

JORDANO, P.; GALETTI, M.; PIZO, M. A.; SILVA, W. R. Ligando frugivoria e dispersão de sementes à biologia da conservação. In: ROCHA, C. D. F.; BERGALLO, H. D.; VAN SLUYS, M.; ALVES, M. A. S. (Ed.). Biologia da Conservação: Essências. São Carlos: Rima Editora, 2006, p. 411-436.

KENT, M.; COKER, P. Vegetation description and analysis: a practical approach. 2. ed. Oxford: John Wiley & Sons, 1992. 428 p.

KUHLMANN, M. Estratégias de dispersão de sementes no Bioma Cerrado: Considerações Ecológicas e Filogenéticas. 2016. 353f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Botânica, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

LORTS, C. M.; BRIGGEMAN, T.; SANG, T. Evolution of fruit types and seed dispersal: a phylogenetic and ecological snapshot. Journal of Systematics and Evolution, Beijing, v. 46, n. 3, p. 396-404, 2008.

MAGURRAN, A. E. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell Publishing. Oxford: Blackwell Science, 2004. 256 p.

MAGURRAN, A. E.; MCGILL, B. J. Biological Diversity: frontiers in measurement and assessment. Oxford: Oxford University Press, 2011. 345 p.

MARTINELLI, G.; MESSINA, T.; SANTOS FILHO, L. Livro vermelho da flora do Brasil – Plantas raras do Cerrado. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. CNCFlora, 2014. 320 p.

MARTINS, S. V. Recuperação de área degradadas: ações em Áreas de Preservação Permanente, voçorocas, taludes rodoviários e de mineração. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2009. 27 p.

MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M.; SILVA-JÚNIOR, M. C. S.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E.; FAGG, C. W. Flora Vascular do Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Eds.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, DF: EMBRAPA-CPAC, 2008. p. 289-556.

MIGUEL, E. P.; REZENDE, A. V.; LEAL, F. A.; MATRICARDI, E. A. T.; ENSINAS, J. M. I.; MIRANDA, J. F. N. Floristic, structural, and allometric equations to estimate arboreal volume and biomass in a cerradão site. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 38, n. 4, p. 1691-1702, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2017v38n4p1691

MIRANDA, S. C.; SILVA JÚNIOR, M. C.; DE-CARVALHO, P. S. O efeito da proteção do fogo na estrutura da vegetação lenhosa de uma área de cerrado sentido restrito no Brasil Central. Heringeriana, Brasília, v. 7, n. 1, p. 61-72, 2013.

MIRANDA, S. C.; DE-CARVALHO, P. S.; SILVA JÚNIOR, M. C. Atributos ecológicos de espécies amplamente distribuídas em cerrado sentido restrito: Capítulo I. In: RIBON, A. A.; DE-CARVALHO, P. S.; MIRANDA, S. C. Tópicos em Conservação e Manejo do Cerrado. Goiânia: Ed. Kelps, 2017, p. 13-37.

MÜLLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: J. Wiley & Sons, 1974. 574 p.

OLIVEIRA, F. F.; BATALHA, M. A. Lognormal abundance distribution of woody species in a cerrado fragment (São Carlos, SW Brazil). Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 39-45, 2005. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042005000100004

OLIVEIRA, L. M.; SOUSA, R. M.; CORREA, N. E. R.; SANTOS, A. F.; GIONGO, M. Florística e síndromes de dispersão de um fragmento de Cerrado ao sul do estado do Tocantins. Revista Scientia Agraria Paranaensis, Marechal Cândido Rondon, v. 17, n. 1, p. 104-111, 2018.

PIJL, V. D. L. Principles of dispersal in higher plants. 3 ed. New York: Springer Verlag, 1982. 228 p.

PINHEIRO, F.; RIBEIRO, J. F. Síndromes de dispersão de sementes em Matas de Galeria do Distrito Federal. In: RIBEIRO, J. F.; FONSECA, C. E. L.; SOUSA-SILVA, J. C. Cerrado: caracterização e recuperação de Matas de Galeria. Planaltina: Embrapa Cerrados. 2001. p. 335-375.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2019. Disponível em: https://www.R-project.org/. 2019. Acesso em: 10 jul. 2019.

REFLORA. Lista de espécies da flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/. Acesso em: 11 março. 2019.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA S. P.; RIBEIRO, J. F. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Embrapa Cerrados, Brasília, 2008. p. 153-212.

SANO, E. E.; ROSA, R.; BRITO, J. L. S.; FERREIRA, L. G. Land cover mapping of the tropical savanna region in Brazil. Environmental Monitoring and Assessment, Amstedam, v. 166, p. 113-124, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10661-009-0988-4

SILVA, H. G.; FIGUEIREDO, N.; ANDRADE, G. V. A. Estrutura da vegetação de um cerradão e a heterogeneidade regional do Cerrado no Maranhão, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 5, 2008. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000500017

SOLÓRZANO, A.; PINTO, J. R. R.; FELFILI, J. M.; HAY, J. D. V. Perfil florístico e Estrutural do componente lenhoso em seis áreas de cerradão ao longo do bioma Cerrado. Acta Botânica Brasílica, Feira de Santana, v. 26, n. 2, p. 328-341, 2012. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062012000200009

SOUZA, P. B.; SAPORETTI JUNIOR, A. W.; SOARES, M. P.; VIANA, R. H. O.; CAMARGOS, V. L.; MEIRA NETO, J. A. A. Florística de uma área de cerradão na floresta nacional de Paraopeba - Minas Gerais. Cerne, Lavras, v. 16, n. 1, p. 86-93, 2010. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602010000100010

VASCONCELOS, W. A. et al. A vegetação lenhosa de cerradão na bacia hidrográfica do Rio Vermelho, Goiás: Capítulo I. In: MIRANDA, S. C.; DE-CARVALHO, P. S.; RIBON, A. A. Tópicos em conservação e manejo do cerrado: biodiversidade, solos e uso sustentável. Goiânia: Editora Kelps, 2019. p. 9-30.

ZAVALA, C. B. R.; FERNANTES, S. S. L.; PEREIRA, Z. V.; SILVA, S. M. Análise fitogeográfica da flora arbustivo-arbórea em ecótono no Planalto da Bodoquena, MS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 3, p. 907-921, 2017. DOI: https://dx.doi.org/10.5902/1980509828640

Downloads

Publicado

2020-07-31

Edição

Seção

Engenharia Florestal / Forest Engineering