Reformas Curriculares Atuais e As Implicações das Prescrições Curriculares Para o/No Ensino de Geografia

Autores

  • Carina Copatti Professora Adjunta do Departamento de Educação, Política e Sociedade, Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ (2019) com Pós-doutorado em Políticas Educacionais pelo Programa de Pós-graduação em Educação - UFFS, campus Chapecó. Graduada em Licenciatura em Geografia pela Universidade de Passo Fundo-UPF (2010) e Mestra em Educação pela Universidade de Passo Fundo-UPF (2014). https://orcid.org/0000-0003-0485-388X
  • Hugo de Carvalho Sobrinho Professor do Magistério Público da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF). Doutor em Geografia pela Universidade de Brasília (2021). Graduado em Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual de Goiás (2014) e Mestre em Geografia pela Universidade de Brasília (2016) https://orcid.org/0000-0003-0995-9763

Palavras-chave:

Políticas de Currículo, Reforma Curricular, Geografia Escolar, BNCC

Resumo

O presente artigo constitui-se de uma análise teórico-conceitual com relação às reformas curriculares recentes, evidenciadas principalmente pela aprovação do documento que compõe a Base Nacional Comum Curricular (BNCC, 2018) e do contexto destacado pela Reforma do Ensino Médio (2017). Considera-se, também, as implicações das prescrições curriculares observadas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o componente curricular Geografia. A proposta objetiva, ainda, pensar em movimentos que contribuam para a atuação docente de forma crítica e provocativa diante dos retrocessos notados, em resposta aos processos percebidos de padronização dos currículos, avaliação por resultados e adequação dos professores a um formato que pouco dialoga com as realidades em que atuam.

Referências

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Reforma do Ensino Médio. Lei n.º 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Brasília, 2017.

CALLAI, H. C. Aprendendo a ler o mundo: a geografia nos anos iniciais do ensino fundamental. Ca-dernos Cedes, v. 25, p. 227-247, 2005.

CÁSSIO, F. Existe vida fora da BNCC? In: CÁSSIO, Fernando.; CATELLI JR., Roberto. Educação é a Base? 23 educadores discutem a BNCC. São Paulo: Ação Educativa, 2019. p. 13-39.

COPATTI, C. Pensamento pedagógico geográfico e autonomia docente na relação com o livro didático: percursos para a educação geográfica. Tese (doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Campus Ijuí). Ijuí, 2019.

FÁVERO, A. A.; CENTENARO, Junior B.; BUKOWSKI, Chaiane. Uma revolução controlada? A BNCC como política de centralização. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 1676-1701, out./dez. 2021.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, mar. 2012.

LOPES, A. C. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 59-75, jan./mai. 2019. Dispo-nível em: . (Acesso em 15, ma., 2022).

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas edu-cacionais. Educação & Sociedade, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

MARQUES, M. O. A formação do profissional da educação. 5. ed. Brasília: Editora Inep, 2006. (Coleção Mario Osorio Marques).

MASSEY, D. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand, Brasil, 2008.

MOREIRA, A. F. B. CANDAU, V. M. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultu-ra. Organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nas-cimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

PERONI, V. CAETANO, M. LIMA, P. de. Reformas educacionais de hoje - As implicações para a de-mocracia. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 415-432, jul./dez. 2017. Disponível em: . (Acesso em 20, abr., 2022).

PIRES, L. M. Políticas educacionais e curriculares em curso no Brasil: a Reforma do Ensino Médio e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Percursos de Formação Docente e Práticas na Edu-cação Básica, p. 231, 2017.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo. Globalização e meio técnico-científicoinformacional. Hu-citec: São Paulo, 1994.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SILVA, A. S.; CARVALHO SOBRINHO, Hugo. Projeto Pedagógico de Curso: um documento de mera formalidade a ser cumprida? Coletânea de Geografia Escolar: Teorias e Práticas. Revista Queru-bim, Rio de Janeiro, Seção Especial, n. 38, 5-13. (Acesso em 12, abr., 2022).

YOUNG, M. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 48, p. 609-623, 2011. (Acesso em 05 mai., 2022).

Downloads

Publicado

2022-10-25

Como Citar

Copatti, C., & de Carvalho Sobrinho , H. . (2022). Reformas Curriculares Atuais e As Implicações das Prescrições Curriculares Para o/No Ensino de Geografia. Revista Geoaraguaia, 12(especial), 24-43. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/14320