Revista Geoaraguaia https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo <p>A <strong>Revista Geoaraguaia</strong> é um periódico eletrônico do curso de Geografia da UFMT/Araguaia, que publica trabalhos científicos nacionais e internacionais na área das ciências humanas, ambientais e afins. Suas publicações são semestrais e o peródico foi avaliado pela CAPES com a Qualis B3 na área da Geografia, B2 na área Interdisciplinar e B5 na área de Geociências.</p> <p><strong>ISSN: 2236-9716</strong></p> Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Araguaia pt-BR Revista Geoaraguaia 2236-9716 <p><span>A </span><strong>Revista Geoaraguaia</strong><span> poderá solicitar alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua. Se necessário, alguns ajustes normativos podem ser feitos pela revista, porém respeitando o estilo dos autores. </span></p><p><span>As provas finais não serão enviadas aos autores.</span></p><p><span>As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.</span></p><p><span><br /></span></p><p><span><img src="/ojs/public/site/images/frodrigues/20190623_163259.jpg" alt="" /></span></p> Capa e Editorial da Revista https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/10696 <p><strong>EDITOR CHEFE</strong></p><p>Prof. Dr. Bruno Zucherato</p><p>Universidade Federal de Mato Grosso</p><p><strong>CAPA</strong></p><p>Armando Manoel Neto</p><p><em>Mapas e Resistências (Barra do Turvo – SP)</em></p><p>Oficina de mapeamento realizada em comunidades quilombolas.</p><p>Fonte: <a href="https://vimeo.com/armandomanoel">https://vimeo.com/armandomanoel</a></p><p> </p><h4>CONSELHO EDITORIAL</h4><ol><li><strong>1. </strong>Dra. Ana Monteiro<strong></strong></li></ol><p>Universidade do Porto, Portugal</p><ol><li><strong>2. </strong>Dra. Maria Del Carmen Minguez Garcia<strong></strong></li></ol><p>Universidad Complutense de Madrid, Espanha</p><ol><li><strong>3. </strong>Dra. Selma Simões de Castro<strong></strong></li></ol><p>Universidade Federal de Goiás, Brasil</p><ol><li><strong>4. </strong>Dr. Jorge Luiz Gonzalez<strong></strong></li></ol><p>Universidad de Tolima/Colômbia, Colômbia</p><ol><li><strong>5. </strong>Dr. Francisco Dario Maldonado<strong></strong></li></ol><p>Universidad Autonoma de Entre Rios, Argentina</p><ol><li><strong>6. </strong>Dr. Ariovaldo Umbelino de Oliveira<strong></strong></li></ol><p>Universidade de São Paulo, Brasil</p><ol><li><strong>7. </strong>Dr. Carlos Walter Porto-Gonçalves<strong></strong></li></ol><p>Universidade Federal Fluminense, Brasil</p><ol><li><strong>8. </strong>Dr. Samuel do Carmo Lima<strong></strong></li></ol><p>Universidade Federal de Uberlândia, Brasil</p><ol><li><strong>9. </strong>PhD. Edson Eyji Sano<strong></strong></li></ol><p>Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais, Brasil</p><ol><li><strong>10. </strong>Dr. Sandro Cristiano de Melo<strong></strong></li></ol><p>Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil</p><br clear="all" /><p> </p><p> </p><p><strong>CONSELHO CIENTÍFICO</strong></p><h4>Composto por pesquisadores e doutores de instituições nacionais e internacionais.</h4><h4>A lista completa encontra-se no site</h4><h4><a href="/ojs/index.php/geo/about/editorialTeam">https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/about/editorialTeam</a></h4><p><strong>CONTATO</strong></p><p>Universidade Federal de Mato Grosso – Araguaia</p><p>Curso de Geografia</p><p>Avenida Valdon Varjão, nº 6.390</p><p>CEP: 78.600-000</p><p>Barra do Garças-MT</p><p>E-mail: <a href="mailto:revistageoaraguaia@yahoo.com.br">revistageoaraguaia@yahoo.com.br</a><strong></strong></p><p><strong>APOIO</strong></p><p>CODEX Araguaia</p><p>CODEX/ PROCEV</p> Revista Geoaraguaia Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 I VI FACIES, DEPOSITIONAL ENVIRONMENT, DIAGENESIS AND SEQUENCE STRATIGRAPHY OF JAHROM FORMATION IN BINALOUD OILFIELD, PERSIAN GULF https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010101 <p>Jahrom Formation (Middle Paleocene-Eocene) is one of the important reservoirs in the Zagros and Persian Gulf basin. This formation has been formed in the Binaloud field in the Persian Gulf with a total thickness of 660 meters of calcareous and dolomitic stones. In this study, microfacies, depositional environments, diagenetic processes and sequential stratigraphy of Jahrom Formation in Binaloud oilfield were studied. The deposits of Jahrom Formation include the periodicity of crystalline limestone and dolomite, with a discontinuous border below the Asmari Formation and above the Tarbur Formation.By studying the thin sections obtained from the cutting samples of 11 microfacies were identified in 4 facies assemblages, which were placed in a depositional environment of the homoclinic carbonate ramp. According to petrographic studies, the most important diagenetic processes observed in this formation are bioturbation, cementation, dolomitization, dissolution, porosity and fractures. Sequence stratigraphy studies led to the identification of 1 third-type depositional sequence with a first-type sequential boundary for Jahrom Formation deposits.</p> Keyvan Ahzan Nader Kohansal-Ghadimvand Seyed Mohsen Aleali Davood Jahani Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 7 23 GEOCHEMISTRY AND PETROGENESIS OF PLUTONIC MASSES IN NORTH OF SONQOR (WEST OF IRAN) https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010102 <p class="ResumoAbstracttexto">The study area is a quadrilateral that is in west of Iran and north of Sonqor city of Kermanshah province. This area is 155 km2 between eastern longitude 47˚ and 40 ′ to 47˚ and 52 ′ and northern latitudes 35˚ and 00 ′ to 35˚ and 04 ′. In this range, the intrusive rocks are Olivine gabbro, gabbro, gabbro diorite, diorite, monzonite, alkaline sinite, quartz diorite, quartz monzodiorite, quartz monzonite, quartz alkaline sinite, tonalite, granodiorite, granite and alkaline granite, they were injected in the iron ores of cretaceous which has resulted in contact metamorphism and created hornfels at the site of contact. After comprehensive sampling of all required igneous rocks and according to the thesis objectives, 90 thin sections were prepared and after petrography, 24 samples were selected for geochemical experiments. XRF analysis were performed on 9 samples and ICP and alkaline fusion were performed on 15 samples. According to geochemical and petrological studies, the magmas forming these intrusive igneous rocks are from one region and because of magmatic differentiation or fractional crystallization, they from basaltic to acidic terms. According to the alkaline-silica diagrams, the studied rocks are in the range of tolite, calk-alkaline, potassium-rich calk-alkaline, and shoshonitic series. Based on tectono-magmatic diagrams, samples of this quadrilateral have a meta-alumina nature and granitoids are in the range of arc islands granites, continental arc granitoids and continental collision granitoids. The mineralogical and chemical composition of the acidic rocks in the area show that the granites in this study are type I.</p> Negin Davari Mohammad Ali Arian Afshin Ashja Ardalan Mohammad Reza Jafari Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 24 41 MICROFACIES ANALYSIS, DEPOSITIONAL ENVIRONMENT, AND DIAGENETIC PROCESSES OF THE KHANEH-ZU FORMATION IN THE EAST OF KOPET DAGH BASIN (NORTHEAST IRAN) https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010103 <p>Khaneh-Zu Formation (Oxfordian- Kimmeridgian) is a hydrocarbon reservoir in Kopet Dagh basin. The main objectives of this research are investigation of microfacies, depositional environment, and diagenetic processes of this formation in two outcrop sections in Kopet Dagh basin in the north east of Iran. Based on field observation and petrography, 9 microfacies have been identified. These microfacies have been deposited in 4 facies belts including inner, mid ramp, outer ramp and basin. The evidences such as types and percentages of allochems, gradational lateral and vertical change of microfacies and lack of great barrier reefs it can be concluded that Khaneh-Zu Formation has been deposited in a carbonate ramp platform. Diagenetic processes including micritization, bioturbation, dissolution, cementation, chemical compaction, dolomitization and fracturing are identified in Khaneh-Zu Formation. Dolomitization, fracturing and cementation are the most important diagenetic processes in this formation. Over-dolomitization cause to occlude intercrystalline porosity and so has not positive effect on reservoir quality. Dissolution formed isolated vuggy type porosity and so has not positive effects on permeability. Different phase of fracturing occurred in the Khaneh-Zu Formation, but most of them filled by different types of calcite cements. So, as a point of view of reservoir characterization, the studied interval shows poor reservoir quality.</p> Roya Khezerloo Seyed Ali Moallemi Bahram Movahed Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 42 66 TWO EXAMPLES FOR THE IMPACTS OF STREAM VALLEYS IN CYPRUS TO VEGETATION GEOGRAPHY: KARKOT STREAM AND KAMARA STREAM https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010113 <p>Streams in Cyprus embody different climates from their surroundings due to their slopes on different directions, height differences between the streambed and slopes, air stream within a valley, temperature differences caused by sunshine durations depending on sunrise and sunset locations. Distinction in the geomorphological pattern of valleys and associated climate allowed the formation of various plant communities. While the microclimates formed within valleys assure the survival of some different plant species apart from the general vegetation cover, they also cause different physiological development of some plants. Generally, valleys in Cyprus have positive impacts on vegetation. Primarily due to their characteristics to form lower areas, they have mainly a positive impact through their holding humid weather and allow humid winds towards the interior. Valleys also have a major role in the protection of former natural vegetation of Cyprus. Nowadays, with the impact of global warming, the island with higher temperatures as well as aridification, encounters with the changes in climate and natural vegetation and even some plant species disappear. The valleys of Cyprus may become a place to survive and live for such plants while they may cause significant development and growth in size of some plants. Cedars (Cedrus libani brevifolia) in Cedar valley, Troodos, hazelnuts (Corryllus avellana) in Bitsilya valley, gray elms (Ulmus canescens,) Oriental alder (Alnus orientalis)in Diarizos and Stavros and oriental planes (Platanus orientalis) in Karkot stream and Kamara stream have survived due to the microclimatic conditions of valleys. Therefore, the valleys located both in Troodos and north foothills of the Kyrenia Mountains shed light to the times with more humidity and are the evidence for the future significance of the impacts of valleys on diversification through their vegetation geography.</p> Serkan Ilseven Mert Bastas Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 67 81 ANÁLISE TEMPORAL DO DESMATAMENTO EM BACIA HIDROGRÁFICA NA REGIÃO DE INTEGRAÇÃO DE CARAJÁS https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/7825 <p>O desmatamento ocasionado pela alteração do uso e ocupação do solo em bacias hidrográficas, associado principalmente a atividades economicamente relevantes, resulta em impactos ambientais, sociais e econômicos. Essa problemática é evidente nos municípios do Pará, em que é marcante a presença da mineração, indústria e agropecuária, como na Região de Integração de Carajás, no sudeste do Pará, por isso justifica-se o estudo na área, cujo o objetivo foi realizar uma análise do desmatamento na bacia hidrográfica do Rio Sororó, com associação das atividades desenvolvidas nas áreas, nos anos de 1989, 1999, 2009 e 2016. Para tanto, foram realizadas pesquisas bibliográficas, bem como técnicas de geoprocessamento por meio de ferramentas SIG. Os dados obtidos indicaram que a bacia do Rio Sororó é um reflexo do potencial da pecuária extensiva, a qual relaciona-se com os índices alarmantes de desmatamento apresentados nas últimas décadas na região. Portanto, são essenciais os trabalhos de monitoramento e detalhamento das áreas desmatadas e das causas que levam a supressão vegetal.</p> Emanoelen Bitencourt e Bitencourt Leonardo Medeiros dos Reis Glauber Epifânio Loureiro Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 82 99 AVALIAÇÃO GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À COMPREENSÃO DO PROCESSO EROSIVO ACELERADO NA NASCENTE DO CÓRREGO SANTA RITA (GO) https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010114 <p>Os impactos ambientais resultantes da ocupação urbana não planejada têm se tornado motivo de crescente preocupação, especialmente os relacionados à escassez dos recursos hídricos, como o assoreamento dos cursos d’água. O objetivo desta pesquisa foi realizar um estudo geoambiental aplicado a microbacia do córrego Santa Rita, de modo a diagnosticar o processo erosivo linear instalado na cabeceira de drenagem e fornecer diretriz para planejamento e gestão territorial. Para tanto, adotou-se os seguintes procedimentos metodológicos: revisão bibliográfica; levantamento e organização de material cartográfico; e, trabalho de campo. Além da análise integrada também foi realizada uma análise temporal no período de 2002 a 2016, utilizando imagens de satélite do Google Earth. Os resultados indicaram que a evolução da voçoroca se relaciona ao controle e direcionamento inadequado das águas pluviais para área que é naturalmente instável. O processo de voçorocamento apresenta-se com evolução remontante representando risco à população e à drenagem de jusante.</p> Rosane Borges de Oliveira Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 100 116 GEOPOLÍTICA PARA AMAZÔNIA: políticas territoriais e expansão do agronegócio https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010115 Este artigo discute as ações geopolíticas desencadeadas na Amazônia Legal pelo estado brasileiro, principalmente a partir do Regime Militar, que resultaram em um processo de ocupação de espaços dessa imensa região e, consequentemente, na expansão de sua fronteira, tendo na linha de frente a abertura dos novos <em>fronts</em> agropecuários. Trata-se de um processo que traz as marcas das contradições impostas pelo capital que, de um lado, mostra a formação de um pequeno número de cidades com padrão socioeconômico de primeiro mundo e, de outro, a geração de cidades sem qualquer infraestrutura para receber migrantes expulsos de suas posses. Os referenciais teóricos se pautam em autores, como Andrade (1977), Becker (2007), Costa (1988), Galvão (2013), Machado (1982), Martins (1997), Pires et. al. (2016), Ribeiro (2016, 2000), Santos (2002, 1996, 1994, 1993), Silva (2010, 2004), entre outros que tratam do processo de ocupação da Amazônia pelo agronegócio. A metodologia utilizada foi a qualitativa, por meio da qual se buscou dar ênfase à pesquisa de campo, no sentido de entender a realidade <em>in loco. </em>Os resultados mostram que o processo de expansão da fronteira agrícola, por quase toda a Amazônia Legal, teve como ponto de partida uma ideologia que pregava a sua incorporação ao patrimônio brasileiro, já que era vista como um enorme “espaço vazio”. Isso desencadeou a formação, a partir da concessão de terras públicas por parte do estado, de grandes latifúndios produtores de c<em>ommodities</em> agrícolas para exportação e a expulsão de milhares de brasileiros nativos de suas posses. Hidelberto de Sousa Ribeiro Marilene Marzari Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 117 138 O PARADOXO ENTRE MOBILIDADE ESPACIAL, MIGRAÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS NAS SOCIEDADES CONTEMPORÂNEAS https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/10327 <p>A mobilidade espacial de pessoas é um fenômeno que assume dimensões socioespacias complexas, pois elucida diferentes aspectos, tais como, políticos, econômicos, sociais e culturais. Nesse sentido, os estudos migratórios, têm empreendido esforços para analisar os significados dos deslocamentos populacionais nas diversas experiências multiescalares, a fim de evidenciar essa realidade. Portanto, entender esse fenômeno a partir de estudos específicos (nas estruturas, tramas, relações e práticas sociais, nos ritmos de vida, nos cenários, nos lugares de estar, trabalhar e viver) auxilia na apreensão dos processos sociais tanto no horizonte microescalar quanto no processo de articulação escalar, como proposto por Massey (2008). Nesta perspectiva, entende-se que não é mais possível explicar a migração apenas pelo viés econômico, visto que, são afiguradas as assimetrias das relações socioespaciais que ocorrem na dimensão espacial em diferentes escalas territoriais. Assim como, não é mais possível abordar o migrante apenas por meio dos fluxos demográficos dos lugares de saída e de chegada, e nem mais enxergá-lo como exército industrial de reserva pois, já não exerce essa função nesse contexto histórico. Este artigo traz uma abordagem teórica focada no papel do Estado-Nação, perante a construção das políticas migratórias dos principais países ricos e, em como estas determinam os diferentes tipos de exclusão dos sujeitos migrantes, já que esses sujeitos que migram, que se deslocam, representam um problema social a ser resolvido. Esse problema, muitas vezes é solucionado ou amenizado pela construção dos muros (físicos, identitários, culturais, etc.), no entanto, nesse processo criam-se outros problemas, em que os direitos humanos irão agir na tentativa de impedir e/ou mitigar esses problemas. Isto posto, a discussão gira em torno das migrações (diásporas), das políticas migratórias e dos direitos humanos. Evidenciando a contradição entre as restrições impostas por essas políticas migratórias e a universalidade dos direitos humanos.</p> Ana Paula Archanjo Batarce Elicardo Heber De Almeida Batista Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 139 163 TURISMO E PATRIMÔNIO: ENTRE O MUNDO VIVIDO E O “CENÁRIO” MERCANTILIZADO https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010108 <p>O ser humano, por natureza, busca conhecer diferentes lugares, seja espontaneamente ou por situações que ocorrem no dia a dia. O ato de deslocar-se para encontrar um parente, por exemplo, seja por motivo festivo ou não, já corresponde a um ato de sair do seu mundo e conhecer o do Outro, principalmente nos dias atuais, em que as facilidades para viajar estão cada vez maiores, seja pela natureza da viagem ou pela multiplicidade de formas de sua aquisição, transporte e pagamento. Percebe-se, também, que lugares que possuem patrimônios culturais são locais de grande atratividade, o que acaba provocando, por um lado, à valorização dos feitos do homem e da natureza pela exposição a todos os sujeitos (moradores locais e turistas) e, por outro, a mercantilização do lugar e seus impactos socioambientais, chegando a dinamizar, no dado-limite, recursos financeiros para o local, e também, por vezes, impasses sociais propiciados através da interferência do “<em>outsider”</em> sobre o “<em>insider” </em>(ou vice-versa<em>)</em>. Neste trabalho propomos refletir sobre a seguinte questão que pode ser entendido como objetivo do “<em>paper”</em>: “Qual a importância do turismo, com ênfase o cultural, e suas interfaces com o cenário comercial e seus impactos socioambientais”. E para desenvolver as reflexões sobre o turismo, a mercantilização cultural e a valorização da socialização dos feitos do homem, utilizaram-se como metodologia retrabalhamento bibliográfico.</p> Rahyan de Carvalho Alves José Antônio Souza de Deus Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 164 186 USO DAS GEOTECNOLOGIAS NO MAPEAMENTO DA COBERTURA E USO DA TERA E NA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES NA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO COQUEIRO, MUNICÍPIO DE PONTALINA – GO https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010109 As Áreas de Preservação Permanentes (APP) são fitofisionomias, feições e/ou lugares que, por possuírem grande importância para o equilíbrio ambiental, são protegidos por leis específicas e não podem ser submetidos à intervenção antrópica descomedida. São vários os elementos naturais reconhecidos por lei como sendo de preservação permanente, dentre eles, dois se destacam, as matas ripárias e as nascentes que, mesmo sendo protegidas por leis específicas, sofrem constantemente intervenções antrópicas, o que tem provocado sérios problemas de ordem ambiental, principalmente nos cursos de água. Dessa forma, essa pesquisa teve como objetivo central realizar o levantamento detalhado do uso e cobertura da terra e das condições ambientais das APPs na microbacia do córrego Coqueiro. Para tal, lançou-se mão das geotecnologias, pincipalmente do Sistema de Informação Geográfica e de produtos de sensoriamento remoto. A pesquisa evidenciou que os usos na microbacia são: 52,4% pastagem; 43,23% Cerrado; 4,97% agricultura. Em relação às APPs, 67,61% encontram-se preservadas, enquanto 31,67 % estão ocupadas por pastagem. Pelo que ficou comprovado na pesquisa, a modernização e o avanço das práticas agrícolas redirecionaram o uso da terra na área de estudo onde, nos últimos anos, a intervenção humana redefiniu e redesenhou a paisagem local, Sendo que as áreas de Cerrado preservado estão presentes nos topos e nas bordas dos morros, enquanto as regiões menos acidentadas e os fundos de vale foram fortemente ocupados. Esta ocupação não respeitou a legislação ambiental vigente que protege as APPs, o que agrava a situação de degradação ambiental verificada na microbacia hidrográfica do córrego Coqueiro. Renato Adriano Martins Samara Pereira Costa Hariany Maria Martins Silva Eduardo Vieira dos Santos Roniel Santana de Oliveira Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 187 207 (DES)CAMINHOS DO PLANEJAMENTO URBANO: ASSENTAMENTOS REGULARES E IRREGULARES NA CIDADE DE PALMAS – TO https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010110 <p>O presente artigo tem como finalidade discutir o contexto das desigualdades socioespaciais condicionadas pela (re)produção dos espaços urbanos e do planejamento urbano na cidade de Palmas-TO. Atualmente a cidade de Palmas apresenta uma ocupação esparsa, a cidade mostrou que a dispersão e os vazios urbanos revelaram contradições em relação à proposta dos planejadores, de urbanização concentrada e adensada, ao longo do seu processo de ocupação. Acerca dessas diferenças/desigualdades da produção do espaço urbano da cidade de Palmas, ocorreu no ano de 2002 o processo de expansão e posterior redução da sua malha urbana no ano de 2006 com a revisão do Plano Diretor Participativo. Assim, tendo como pressuposto a problemática apresentada, a proposta de discussão deste artigo é a de que Palmas apresenta as desigualdades socioespaciais como resultado direto ou indireto da (re)produção do espaço urbano da cidade planejada. Desta forma a produção do espaço urbano nesta área trouxe a lógica de planejamento urbano excludente, um planejamento feito para a reprodução do espaço urbano sob o modo de produção capitalista, instituído a partir da Área de Urbanização Interesse Turístico e materializado através da implantação de condomínios fechados na Franja urbana-rural norte.</p> Ricardo Tadeu Marcilio Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 208 227 ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA E CONTAMINAÇÃO POR TÓXICOS NO RIO UBERABINHA A MONTANTE E A JUSANTE DA ZONA URBANA DE UBERLÂNDIA https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/20010112 Os ecossistemas aquáticos são ameaçados por uma variedade de poluentes domésticos, industriais e por práticas nocivas quanto ao uso agrícola das terras. O presente texto expõe resultados de pesquisa dedicada a analisar a qualidade das águas do rio Uberabinha, fundamental para fornecimento de água para a população urbana de Uberlândia/MG. A pesquisa se viabilizou por meio do acesso à base de dados do Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM, referente ao monitoramento da qualidade das águas e contaminação por tóxicos nas estações PB022 e PB023, localizadas a montante e a jusante da área urbana, respectivamente. Conforme esperado, os valores de IQA demonstram a melhor situação da qualidade da água a montante da zona urbana. Em apenas uma medição na estação PB022 (primeiro trimestre de 2013) o índice apresentou classificação ruim. Nos demais 67 resultados obtidos o índice apresenta-se médio e bom. Por outro lado, os dados da estação PB023 mostram a forte interferência da cidade na qualidade das águas. De 67 resultados de IQA, 45 foram classificados como ruim e 21 como médio. Os principais parâmetros que colaboram para as classificações baixas são oxigênio dissolvido, nitratos, fósforo, turbidez, coliformes termotolerantes e sólidos totais. O lançamento de esgotos no trecho urbano é intenso e descontrolado. Os dados divulgados e considerados nas comparações entre os municípios brasileiros e expostos pela mídia nacional estão equivocados. Provavelmente desconsideram os lançamentos das extensas áreas de ocupação irregular que existem na cidade. O manejo inadequado dos insumos agrícolas também pode ser citado como fonte de desequilíbrio, percebido em alguns parâmetros a montante da área urbana. Marcelo Souza Calmon Vanderlei Oliveira Ferreira Rafael Mendes Rosa Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 228 253 DAS RAÍZES E RESISTÊNCIAS: EXPERIÊNCIAS DO OLHAR FOTOGRÁFICO NOS QUILOMBOS RIBEIRÃO GRANDE, TERRA SECA E CEDRO, NO MUNICÍPIO DE BARRA DO TURVO - SP https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/10695 O relato de experiência apresentado busca refletir sobre a importância da aproximação entre a ciência teórica e o conhecimento tradicional, historicamente marginalizado e negligenciado pelo conhecimento formal. Propomos o olhar fotográfico como meio de intermediar atividades compartilhadas de trocas de conhecimento junto às comunidades nos quilombos Ribeirão Grande, Terra Seca e Cedro, localizados no município de Barra do Turvo – SP. A abordagem apresentada pelo relato se refere a realização de atividades horizontais e não hierarquizadas, rompendo com a lógica tradicional acadêmica e reconhecendo que as comunidades quilombolas são detentoras de um conhecimento significativo e que a transmissão desse conhecimento é importante para a sua manutenção. Além disso ressalta-se a importância da fotografia e do olhar fotográfico como meio de desmistificar a realidade quilombola, que comumente é tomada como uma realidade estagnada, intocada e que não se transforma no tempo e espaço. Como resultado percebe-se que o desenvolvimento dessas práticas, apresenta resultados positivos tanto para as comunidades tradicionais, que passam a ter um registro formal de suas existências e que assim contribuem para a sua resistência, assim como para o conhecimento acadêmico, que passa a compreender melhor outras lógicas de conhecimento que ampliam a sua maneira de atuar nas múltiplas realidades atuais Armando Manoel Neto Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-06-29 2020-06-29 10 1 254 260