Revista Geoaraguaia https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo <p>A <strong>Revista Geoaraguaia</strong> é um periódico eletrônico do curso de Geografia da UFMT/Araguaia, que publica trabalhos científicos nacionais e internacionais na área das ciências humanas, ambientais e afins. Suas publicações são semestrais e o peródico foi avaliado pela CAPES com a Qualis B3 na área da Geografia, B2 na área Interdisciplinar e B5 na área de Geociências.</p> <p><strong>ISSN: 2236-9716</strong></p> Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Araguaia pt-BR Revista Geoaraguaia 2236-9716 <p><span>A </span><strong>Revista Geoaraguaia</strong><span> poderá solicitar alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua. Se necessário, alguns ajustes normativos podem ser feitos pela revista, porém respeitando o estilo dos autores. </span></p><p><span>As provas finais não serão enviadas aos autores.</span></p><p><span>As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.</span></p><p><span><br /></span></p><p><span><img src="/ojs/public/site/images/frodrigues/20190623_163259.jpg" alt="" /></span></p> REVIEW OF GEOCHEMICAL, ISOTOPIC AND FLUID INCLUSIONS STUDIES IN RAMAND REGION (QAZVIN PROVINCE) https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11522 <p>O depósito de cobre de Ramand é um exemplo de depósitos contendo veias de origem vulcânica localizado na zona de Urumieh-Dokhtar. O depósito é uma sequência de origem vulcânica do Eoceno e a rocha principal encontrada na área é o riolito. Os principais minerais são calcopirita, pirita, covellite e ouro natural; e os minerais de rejeitos incluem quartzo, calcita e sericita. O teor médio de ouro nas veias de sílica é de 133,5 ppb, o teor médio de cobre é de cerca de 3,5% e o teor médio de molibdênio é de 135 ppm. As veias hidrotermais de sulfeto de quartzo contêm inclusões fluidas ricas em líquidos bifásicos e inclusões fluidas ricas em líquidos monofásicos. A temperatura de homogeneização variou de 73 a 307°C com uma média de 141°C e em todas as amostras, a homogeneização foi realizada na fase líquida e as variações de salinidade variaram de 1,75 a 4,74 com uma média de 3,65% em peso de NaCl equivalente</p> Sima Bootorabi Reza Mehrnia Ahmad Khakzad Nima Nezafati Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 7 27 PETROLOGY AND TECTONO-MAGMATIC ENVIRONMENT OF THE VOLCANIC ROCKS OF SOUTH MARZAN ABAD, CENTRAL ALBORZ MOUNTAIN https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11523 <p>A área de estudo pertence estruturalmente à faixa tectônica de Alborz Central. As rochas vulcânicas da região, compostas de basalto, andesita, traquandandita e dolerita, foram formadas por cristalização fracionada e, em alguns casos, processos de contaminação. Os principais minerais nas rochas incluem clinopiroxênio, olivina e plagioclase, texturas porfiríticas a mega-porfiríticas com matrizes de clorita, glomeroporfirite e amigdaloidal são observadas nas rochas. Em geral, as rochas regionais são ricas em elementos LIL e LREE e empobrecem os elementos HFS. A avaliação das proporções de elementos raros e de terras raras indica que os basaltos na região podem ser formados através do derretimento parcial de uma peridotita granada em altas profundidades e pressões. A anomalia Ce negativa, a anomalia positiva de Nb e a razão Pb / Ce semelhante à encontrada nas fontes OIB e a diversidade da razão Ce / Pb enfatizam o papel da litosfera continental e do manto na contaminação de fontes magmáticas de elementos no vulcão, rochas encontradas na área de estudo. Portanto, a delaminação e descolamento da litosfera e seu afundamento no manto (devido à diferença de densidade) e a transferência da litosfera densa para altas profundidades (manto inferior) podem estar relacionados à contaminação da fonte magmática com a litosfera para o magma primário das rochas vulcânicas na faixa intraplaca.</p> Sareh Farahi Afshin Ashja Ardalan Seyed Jamal Sheikhzakariayi Mohammadreza Ansari Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 28 50 APPLICATION OF REMOTE SENSING AND FRACTAL MODELING IN IDENTIFYING THE ALTERATION ZONES IN MUTEH COMPLEX- CENTRAL IRAN https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11581 <p>O complexo Muteh está localizado no nordeste da cidade de Golpayegan e na parte central do complexo metamórfico Sanandaj-Sirjan. A rocha hospedeira é principalmente xisto e gnaisse, que são intrometidos e alterados por unidades graníticas mais jovens. A mineralização do ouro é atribuída aos materiais piríticos nas rochas hospedeiras, que após a lixiviação e a destruição dos hidróxidos de Fe sob o processo de alunização, os materiais relacionados ao ouro seriam liberados e seu grau nas unidades de rochas alteradas aumentaria. Três tipos de pirita estão presentes nas amostras. A primeira geração de pirita é paralela à esquistose da rocha hospedeira. A segunda geração é perpendicular à esquistose da rocha hospedeira e a terceira geração está em fraturas. Estruturalmente, o alto grau da Au é concedido em locais onde estão presentes falhas conjugadas com tendência noroeste a sudeste. O tipo de alteração da área foi identificado pelo método Spectral Angle Mapper (SAM) e, em seguida, foi classificado pelo método fractal Número-Tamanho (N-S): também foram extraídas falhas conjugadas usando imagens de satélite ETM + e depois classificadas pelo método fractal Concentração-Área. a maior parte das áreas alteradas e a mineralização de ouro relacionadas a essas falhas conjugadas; A análise de DRX, confirma os resultados do método de sensoriamento remoto e a análise de ensaio de incêndio é usada para determinar a concentração de ouro nessas áreas.</p> Nasim Zamani Mohammad Lotfi Mohsen Pourkermani Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 51 69 APPLICATION OF REMOTE SENSING AND FRACTAL MODELING IN IDENTIFYING THE ALTERATION ZONES IN MUTEH COMPLEX- CENTRAL IRAN https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11525 <p>A fim de realizar estudos micropaleontológicos e petrológicos da formação de Ilam na região sudoeste de Khorramabad, o estudo apresentado selecionou uma seção de estratigrafia anticlinal de Poshte Jangal para a realização de sua descrição geológica. A espessura real desta seção possui 190 metros e consiste principalmente de alternâncias uniformes e uma sequência de rochas calcárias agregadas entre si por meio de uma sedimentação contínua ocorrida entre o meio da Turônia ao pré-Campaniano. A seção de estudos mostrou que essa formação foi estabelecida sobre a formação de Sourgah com um limite progressivo e coberta pela formação de Gourpi, bem como com um limite progressivo-contínuo. No presente estudo, 10 tipos, 40 espécies e duas biozonas de Foraminifera Planktonic foram descobertas. Neste estudo, duas biozonas foram observadas e identificadas que representam a idade do meio da Turônia ao pré-Campaniano para a formação de Ilam nesta seção de estratigrafia, com base em sua distribuição fóssil.</p> Peiman Rajabi Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 70 85 ANÁLISE DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO PARA CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS DE OCORRÊNCIA DE ATTALEA SPECIOSA MART. EX SPRENG https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/4904 <p>O Babaçu possui importância industrial na extração de seu óleo, essa palmeira está presente na América do Sul, principalmente na Bolívia, nas Guianas, no Suriname, e no Brasil. Verifica-se a necessidade de identificação e mapeamento desta fitofisionomia. Técnicas de sensoriamento remoto, principalmente as razões entre as bandas espectrais para definição de índices de vegetação tem proporcionado grande auxílio nessa investigação, mas são muitos esses índices e cada qual é mais apropriado a uma determinada vegetação estudada, sendo sensíveis à estruturas que envolvem maior ou menor reflectância dependendo da composição estrutural da planta. Portanto, foi objeto do presente estudo a análise de diferentes índices de vegetação que contribuam para a identificação do Babaçu por meio dos seus respectivos valores de biomassa. Essa busca pautou-se na investigação de outros alvos como áreas de ocorrência de Cerrado e Pastagem que estão associadas a fitofisionomia do babaçu. Foram analisadas amostras de pixels das imagens processadas do sensor TM /Landsat 7, no município de Babaçulândia, ao norte do estado de Tocantins, região com grande presença de babaçuais. O trabalho pode inferir sobre aspectos de correlação entre as bandas espectrais e a escolha do tipo de índice de vegetação que mais se adéqua a análise verificando que há forte tendência para a utilização do NDMI (<em>Normalized Difference Moisture Index</em>) em relaçõao aos outros índices aplicados. Essa constatação serve de subsídeo para estudos de mapeamento do babaçu com dados Landsat. </p> Bruno Leonardo Gonçalves e Castro Juliana Silvestre Silva Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-12-27 2020-12-27 10 2 86 101 FUNDAMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DA CARTOGRAFIA DE SÍNTESE DA PAISAGEM – ESTUDO DE CASO DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL, SP https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11441 <p>A cartografia de síntese mostra-se como uma metodologia interessante para compreensão da paisagem e para fins de gestão territorial. Por meio dessa metodologia é possível integrar aspectos de ordem física e antrópica da paisagem para um compreensão mais ampla do espaço. &nbsp;Partido dessa premissa, essa pesquisa teve como foco a elaboração de uma Mapa de Síntese do município de Espírito Santo do Pinhal, delimitado por Unidades de Paisagens, a partir da elaboração de seis mapas intermediários: Mapa Geoecológico de Paisagem (com informações sintetizadas a respeito de cada Unidade de Paisagem); Mapa de Vulnerabilidade de Paisagem (com informações sobre as fragilidades ambientais e as vulnerabilidades socioeconômicas); Mapa de Potencial de Paisagem (com informações sobre o potencial geobiofísico da paisagem, sobre as áreas agrícolas do município, e o potencial de desenvolvimento socioeconômico); Mapa de Eficiência do Uso da Paisagem (com informações sobre a adequação do uso potencial e do uso atual); Mapa do Estado Geoecológico da Paisagem (com informações sobre a tendência à degradação da paisagem, considerando a eficiência e a vulnerabilidade) e Mapa do Grau de Sustentabilidade da Paisagem (considerando o potencial de desenvolvimento socioeconômico e a vulnerabilidade da paisagem). Os resultados mostram que a associação de todas essas informações por meio de um Mapa de Síntese, podem auxiliar as tomadas de decisões principalmente no sentido de entender a dinâmica de potencialidades de desenvolvimento local, considerando os aspectos físicos e ponderando as necessidades da sociedade.</p> Maria Cecilia Manoel Marcello Martinelli Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 102 125 ÍNDICE DA VEGETAÇÃO DA DIFERENÇA NORMALIZADA (NDVI) NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO GURGUÉIA, PIAUÍ-BRASIL: ANÁLISE DO EFEITO DA EXPANSÃO AGRÍCOLA https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/10839 <p align="justify"><span style="font-family: 'Century Schoolbook', serif;"><span style="font-size: small;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span>Este estudo objetiva examinar o NDVI na sub-bacia hidrográfica do rio Gurgueia-Piauí, que faz parte da atual fronteira agrícola brasileira denominada MATOPIBA, </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span>a fim de</span></span></span></span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span> detectar as áreas de degradação e regeneração da vegetação entre os anos de 1987 e 2017. A análise foi aplicada com base na hipótese de que os vetores de tendência residuais do NDVI resultantes, permitiriam a detecção de alterações na vegetação fotossinteticamente ativa. Realizo</span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span>u-se análise de regressão, e</span></span></span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span> foi gerado um mapa de </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span>tendências</span></span></span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span> significativas </span></span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span><span>para</span></span></span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span> os anos de 1987 e 2017 utilizando o software ArcGIS 10.2. Verificou-se que as áreas que mostram tendências negativas, coincidiram principalmente com as de mudança de classe de cobertura da terra, indicando uma </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span>redução</span></span></span></span></span><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;"><span> da vegetação e aumento da área de solo exposto respectivamente. Essas descobertas, demonstram que a análise do NDVI é adequada para detectar áreas de mudança de vegetação e identificar a degradação e/ou regeneração da terra, sendo relevante sua utilização na gestão ambiental como forma de alcançar a sustentabilidade e manutenção do ambiente.</span></span></span></span></span></p> Livania Norberta Oliveira Cláudia Maria Sabóia Aquino Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-12-27 2020-12-27 10 2 126 143 AGROECOLOGIA COMO FORMA DE RESISTÊNCIA AO MODELO HEGEMÔNICO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11079 <p>A agroecologia é uma forma de resistência do pequeno produtor/camponês ao modelo hegemônico de produção agrícola.&nbsp; Este modelo de prática agrícola se baseia na utilização da ecologia e de seus conceitos para nortear a formulação de agroecossistemas que sejam sustentáveis. A partir de sua adoção surgem locais de resistência ao modelo convencional. Os exemplos destes locais de resistência são inúmeros, onde espaços rurais antes precários e decadentes têm se transformado em nichos de prosperidade socioeconômica com menor desigualdade. O trabalho realizado teve como objetivo demonstrar que a prática da agroecologia desenvolvida no assentamento rural “Florestan Fernandes” em São José dos Quatro Marcos, no estado de Mato Grosso é um exemplo da já mencionada resistência à produção agrícola que se impõe como modelo hegemônico. A metodologia adotada consistiu de: revisão bibliográfica, entrevistas e registros fotográficos realizados durante a pesquisa de campo, quando também se procedeu a observação das práticas agrícolas e vivências dos assentados. Ficou demonstrado pela pesquisa que o modelo de produção agroecológica, praticado no assentamento, possibilita a constituição de espaço de valorização cultural, ambiental e economia solidária, onde o produtor convive de forma harmônica com a natureza, tendo a terra como o sinônimo de vida e fonte do seu “bem viver”, assim há a garantia da sustentabilidade ambiental concomitante à qualidade de vida dos sujeitos. Portanto há a consideração de que a prática agrícola na localidade analisada é uma das alternativas de resistência do campesinato ao processo hegemônico de produção que o descaracteriza e esgota os recursos naturais.</p> Alessandro Oliveira Almeida Josemir Paiva Rocha Judite de Azevedo do Carmo Luzia Gomes Lira Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 144 195 MONITORAMENTO DA DEGRADAÇÃO DA PASTAGEM E A INCORPORAÇÃO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS NA MICRORREGIÃO DO MÉDIO ARAGUAIA/MT https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/10895 <p align="justify">A análise da evolução da degradação de pastagem e a incorporação das atividades agrícolas na microrregião do Médio Araguaia/MT foi realizada através de mapeamentos de uso e cobertura da terra com as classes temáticas de pastagem, solo exposto, agricultura, corpos d’agua e vegetação remanescente, nos anos de 1998 e 2018, utilizando os Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) <em>Quantum-gis </em>e<em> Spring.</em> As imagens são do satélite <em>Landsat 5</em> sensor <em>Thematic Mapper</em> (TM) e <em>Landsat </em>8 Sensor <em>Operational Land Imager</em> (OLI), disponibilizadas na Divisão de Geração de Imagens (DGI) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Foi observado que a dinâmica da espacialidade das áreas de pastagens e lavouras apresentaram poucas mudanças para os municípios de Cocalinho e Novo Santo Antônio, com predominância de áreas de pastagem nos anos analisados (1998 e 2018). Os municípios de Barra do Garças e Araguaiana apresentaram maior alteração nesta dinâmica, com a incorporação de extensas áreas de lavouras, sobretudo em Barra do Garças em áreas antes ocupadas por solo exposto e pastagem. A dinâmica geral da microrregião apresenta substituição de pastagens por atividades agrícolas em todos os municípios analisados, porém com intensidades diferentes.</p> Everaldo Rodrigues Mota Junior Carline Biasoli Trentin Izaias de Souza Silva Iris Lorham Cardoso Queiroz Aline Biasoli Trentin Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-12-27 2020-12-27 10 2 160 174 SENTIDOS ÀS EXPERIÊNCIAS DE ESTÁGIO NA ESCOLA EM ESCRITAS NARRATIVAS DA DOCÊNCIA https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11174 <p>O texto trata de processos de experiência e elaboração de sentidos na formação de professores de Geografia materializados na escrita de narrativas em relatórios de estágio. Aborda o contexto formativo no estágio curricular em licenciatura e traz à tona o que corresponde aos sentidos das experiências a partir de pressupostos metodológicos da investigação narrativa no campo da educação, tendo como fundamentação teórica principal Jorge Larrosa. Como corpo de análise de dados tomou-se a escrita narrativa apresentada em relatório de estágio supervisionado em Licenciatura em Geografia. Os resultados demonstram como a escrita narrativa do estagiário pode revelar indícios relacionados à apropriação de experiências no campo de estágio; ao reconhecimento de interferências do contexto em seu percurso de estágio; à constituição de sujeito da experiência e ao compartilhamento de saberes da experiência na escola.</p> Amanda Regina Goncalves Vítor Eduardo Marcelino Castro Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 175 196 ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS DE UMA PEQUENA BACIA HIDROGRÁFICA DA AMAZÔNIA VIA MODELO WEPP https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/10446 O modelo WEPP (Water Erosion Prediction Project) foi aplicado para simular a produção de sedimentos de uma pequena bacia hidrográfica da Amazônia. Para a calibração e simulação do modelo, foram necessários dados climáticos e do tipo, uso e ocupação do solo; e de relevo da bacia, os quais foram encontrados na literatura ou adaptados do banco de dados do WEPP. Os parâmetros principais calibrados do modelo WEPP foram: saturação inicial do solo (S<sub>i</sub>), erosão pelo fluxo superficial (K<sub>i</sub>), erosão pelo fluxo em canais ou em sulcos (K<sub>r</sub>) e condutividade hidráulica saturada (K<sub>e</sub>). Após a calibração, pôde-se verificar que a maior parte da produção de sedimento está nos planos próximos ao exutório da bacia. E como é de se esperar, essa produção é maior em áreas com predominância de agricultura e pecuária. Os resultados da estimativa de produção de sedimentos calculada pelo modelo foram comparados a dados observados do ano de 2012. O modelo apresentou um valor 131,07 t/km², valor próximo ao observado, que foi de 121,64 t/km<sup>2</sup>. Assim, percebe-se que os resultados alcançados através do modelo WEPP estão coerentes com a realidade da produção de sedimentos da pequena bacia hidrográfica analisada. Liliane da Cruz Sampaio Claudio José Cavalcante Blanco Copyright (c) 2020 Revista Geoaraguaia 2020-12-27 2020-12-27 10 2 197 216 GEOGRAFIA(S) E MÉTODOS: UM DEBATE PERMANENTE https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11238 <p>A busca para explicar a realidade desafia a inteligência humana desde dos seus tempos mais remotos. A capacidade imaginativa nos coloca um conjunto de proposições que vem dos filósofos clássicos aos dias atuais. As explicações da realidade ganharam destaque a partir do século XVIII, com a institucionalização das ciências como campo próprio da razão. Esse tipo de explicação ganhou lugar de destaque, pois admite que a verdade é uma possibilidade concreta. Com isso, o conhecimento “verdadeiro” postula a sua autonomia frente a outros saberes. Com poucas exceções, entende-se que para chegar ao conhecimento decorrente da realidade é necessário o uso de métodos. Nessa perspectiva, o método torna-se condição para se chegar ao real, à verdade científica. O fato de se admitir que o método é uma condição não encerrou a discussão sobre a ele. Ao contrário, ampliou o debate, pois não basta admitir a necessidade, é preciso apontar qual o método ou quais os métodos. Esse não é um debate de um campo de saber, mas envolve, praticamente, todas áreas do conhecimento. Na geografia não é diferente, temos um debate sobre métodos e seus usos. Dentro dessa perspectiva este artigo objetiva fazer uma reflexão interpretativa sobre alguns entendimentos que se têm sobre os métodos, especialmente na geografia. O texto resulta das reflexões do grupo de estudo “Dialética”, que se reúne mensalmente, buscando aprofundar o nosso entendimento sobre o Método.</p> Dimas Moraes Peixinho William Ferreira da Silva Maria José Rodrigues Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 217 231 VULNERABILIDADE SOCIAL EM ÁREA URBANA SUSCETÍVEL ÀS INUNDAÇÕES E ALAGAMENTOS NA BACIA DO CÓRREGO DO LENHEIRO EM SÃO JOÃO DEL – REI – MG https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11336 <p>As inundações são frequentes em muitas cidades brasileiras a cada período chuvoso e a bacia hidrográfica é unidade de planejamento e gerenciamento desses desastres. A dificuldade consiste em gerenciar e planejar os problemas urbanos em áreas de bacias com extensões significativas já urbanizadas, nas quais os impactos ambientais e a infraestrutura precária agravam os prejuízos socioeconômicos nos períodos chuvosos.&nbsp; A Análise Multicritério e a Análise Hierárquica de Processos têm sido utilizadas para modelar os fenômenos naturais e antrópicos.&nbsp; Desta forma, neste artigo apresenta-se a metodologia para mapear e modelar áreas suscetíveis às&nbsp; inundações e indicar o grau de vulnerabilidade da população residente em área urbana da Bacia do Córrego do Lenheiro. Primeiramente, apresenta-se o referencial teórico sobre os termos desastre, risco, perigo e vulnerabilidade. Depois, como os procedimentos metodológicos possibilitaram gerar mapeamento e modelos como apoio ao planejamento e gerenciamento de locais propícios aos riscos de inundações, assim como indicar o grau de vulnerabilidade da população antes e depois de um desastre.</p> Thiago Gonçalves Santos Silvia Elena Ventorini Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2 232 251 SUMÁRIO https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11586 Revista Geoaraguaia Copyright (c) 2020 2020-12-27 2020-12-27 10 2