Por Que Traímos o Espaço Geográfico? Notas Para Uma Conversa Curricular

Autores

Palavras-chave:

Raciocínio Geográfico, Currículo

Resumo

O presente trabalho pretende abordar como o raciocínio geográfico se manifesta na nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de Geografia para as séries finais do ensino fundamental II. É um estudo exploratório baseado na análise de documento brasileiro em que cotejamos como o documento estadunidense Learning to think spatially (2006) inspira uma “virada” para o raciocínio geográfico (Brasil, Base Nacional Comum Curricular, 2018) que põe à margem o que consideramos a potência das Geografias Escolares Brasileiras: o espaço geográfico. Nesse exercício, apoiadas na postulação de Doreen Massey (2017) de que o espaço é múltiplo, coexistente, na sua conversa com professores por uma “mente geográfica” e nas teorizações curriculares, iremos discutir como algumas ideias migram da geotecnologia para fundar o raciocínio geográfico (CASTELLAR, 2017, 2019). A hipótese deste texto opera com a desconfiança de que o raciocínio geográfico induz um protagonismo que desloca para a margem algumas tradições do ensino da Geografia muito caras para a pauta da comunidade disciplinar e para a crítica da sociedade com regime conservador e autocrático.

Referências

ASH, J. et al. Digital turn, digital geographies? Progress in Human Geography, 2016. Disponível em: www.phg.sagepub.com. Acesso em:20 ago 2021.

BRASIL Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em:

< http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.> Acesso em: 14 dez 2019.

CASTELLAR, S. M. V.; JULIASZ, P. C. S. Mental map and spatial thinking. In: ICC 2017 - 28th International Cartographic Conference, Anais.. 2017, Washington -DC. International Cartograpic Conference 2017, 2017.

CASTELLAR, S. M. V.; JULIASZ, P. C. S. Raciocínio geográfico e a teoria do reconhecimento na formação do professor de Geografia. Revista Signos Geográficos. Boletim NEPG de ensino de Geografia, Vol.1, 2019. Universidade de São Paulo: 2019. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/signos/article/view/59197>. Acesso em: 2020-01-18.

COSTA, H. H. C. Seríamos a política que criticamos?': a interlocução do povo da Geografia na produção da BNCC. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 10, p. 125-152, 2020.

COUNCIL, NATIONAL & STUDIES, DIVISION & RESOURCES, BOARD & CURRICULUM, COMMITTEE & GEOGRAPHY, COMMITTEE: 2006. Learning to Think Spatially: GIS as a Support System in the K-12 Curriculum. -Washington DC 10.17226/11019. Disponível em: <https://www.nap.edu/catalog/11019/learning-to-think-spatially> . Acesso em: 2020 - 09- 26.

GABRIEL, C. T.; ROCHA, A. A. C. N. Seleção do conhecimento como operação antagônica. ETD: Educação Temática Digital, v. 19, p. 844-863, 2017.

MACEDO, E. Mas a escola não tem que ensinar? Conhecimento, reconhecimento e alteridade na teoria do currículo. Currículo sem Fronteiras, Pelotas, v. 17, n. 3, p. 539-554, set./dez. 2017.

MASSEY, D. A mente geográfica. GEOgraphia, São Paulo, v. 19, n. 40, p. 36-40, 2017.

ROCHA, A. A. C. N.. Os vestidos da Madrinha Verônica: ou como a morte aparece no currículo. Currículo sem fronteiras, v. 20, p. 768-785, 2020. Disponível em:

< https://www.curriculosemfronteiras.org/vol20iss3articles/rocha.pdf>. Acesso em: 15 ago 2021.

SANTOS, M. Por uma Geografia Nova: Da crítica da Geografia a uma Geografia crítica. 6ª ed. – São Paulo: Edusp, 2004.

UHLENWINKEL, A. Spatial Thinking or Thinking Geographically? On the importance of avoiding maps whithout meaning. University of Potsdam: Germany Pp 294-305. Disponível em: <https://www.semanticscholar.org/paper/Spatial-Thinking-or-Thinking-Geographically-On-the-Uhlenwinkel/624d10d5effaa0bbac22138a4ec95cc9ff441a79>. Acesso em: 15 set 2021.

VIEIRA JUNIOR, I. Alma: Conto Coleção Identidade - Vol.2 (p. 2). Edição do Kindle.

VIEIRA JUNIOR, I. Torto arado. Todavia, 2019. Edição do Kindle.

Downloads

Publicado

2022-10-25

Como Citar

Rocha, A. A. da ., & Aguiar, L. C. B. (2022). Por Que Traímos o Espaço Geográfico? Notas Para Uma Conversa Curricular. Revista Geoaraguaia, 12(especial), 6-23. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/13550