A Importância das Geotecnologias Para a Educação Básica

Autores

  • Vaness Oliveira Silva Mestre em Geografia (2011)/ Universidade Federal de Santa Maria, Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Geotecnologias e Análise Ambiental https://orcid.org/0000-0003-0811-9842
  • Bruno Zucherato Professor do curso de Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso - Campus Universitário do Araguaia (ICHS/UFMT-CUA), Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Geotecnologias e Análise Ambiental https://orcid.org/0000-0001-6626-6272
  • Daniela Wancura Barbieri Peixoto Doutora em Sensoriamento Remoto (2018) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/ Pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, CRS https://orcid.org/0000-0003-1853-9496

Palavras-chave:

Geotecnologias, Educação Básica, Aprendizagem, Ensino

Resumo

O desenvolvimento científico e tecnológico impactou profundamente as relações sociais, culturais e as formas de comunicação. Essas mudanças influenciaram nas formas de interação, observação e representação do espaço geográfico, permitindo um estudo mais aprofundado da dinâmica espacial em sua análise espaço-temporal. O método educacional se inclui nesse panorama, pois o processo de ensino e aprendizagem sofre influências do meio, e necessita formar profissionais com conhecimentos, competências e habilidades, visando à formação humana integral e para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva. Para isso, os professores contam com diversas ferramentas didáticas, dentre elas as geotecnologias, que permitem o estudo geográfico de forma sistemática e instrumentalizada. Apesar do seu desenvolvimento no meio acadêmico, observamos a necessidade de incluí-los no ensino formal. Desse modo, o presente artigo busca realizar uma análise teórica dos principais recursos geotecnológicos, visando guiar os professores da Educação Básica quanto às orientações expressas na Base Nacional Comum Curricular, e a aplicabilidade em sala de aula e no processo de ensino e aprendizagem.

Referências

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL, Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 1996.

BRASIL, Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL, MEC/CONSED/UNDIME. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, 2017.

BURROUGH, P.A.; MCDONNELL, R.A. Principles of Geographical Information Systems. Nova York: Oxford University Press, 1998.

CARVALHO, I.C.D; LARANJA, R.E.P; MARQUES, K.F.G. A experiência docente em projeto interdisciplinar de educação ambiental, utilizando as tecnologias de sensoriamento remoto como recurso didático de apoio. In: XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2011, Curitiba, 2011. Anais […] Curitiba: SBSR/INPE. p. 3316-3323.

DAVIS JUNIOR, C. A. et al. Disseminação de dados geográficos na Internet. In: CASANOVA, Marcos et al. (Org.). Bancos de Dados Geográficos. Curitiba: Mundogeo, 2005. p. 341-366

EASTMAN, J. R. IDRISI for windows user's guide version 2.0: Tutorial exercises. Worcester, MA, Clark University, 1997.

FERNANDES, J. A. R.; TRIGAL, L. L.; SPÓSITO, E. S. Dicionário de Geografia aplicada. Porto: Porto Editora, 2016.

FITZ, P. R. Geoprocessamento sem complicação. São Paulo: Ed. Oficina de Textos, 2008.

FLORENZANO, T. G. Iniciação em sensoriamento remoto. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

FONSECA , F. P.; OLIVA, J. Como eu ensino Cartografia. São Paulo: Ed. Melhoramentos, 2013.

FONSECA, S. F. da. Geoprocessamento aplicado no ensino médio como suporte para interdisciplinaridade. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 42, p. 165-178, 2017.

IBRAHIM, F. I. D. Introdução ao geoprocessamento ambiental. São Paulo: Ed. Érica/Saraiva, 2014.

INEP, Censo Escolar, 2020. Disponível em: https://www.qedu.org.br/brasil/censo-escolar Acesso em: 11 jul. 2021.

JENSEN, J. R. Sensoriamento Remoto do Ambiente: Uma Perspectiva em Recursos Terrestres. Parêntese Editora: São Paulo, 2009. 650 p.

JOLY, F. La cartografia. Barcelona: Ariel, 1982.

LIMA, F.S.; MELLO, E.M.K.; FLORENZANO, T.G. Tutorial sobre o uso de Geotecnologias no estudo de Bacias Hidrográficas para professores da Educação Básica In: XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, 2007. Anais [...], Florianópolis: SBSR/INPE. p. 1515-1522.

MARBLE, D. Geographical information system: an overview. In: Pecora 9 Conference, Sioux Falls, S. D. Proceedings. Sioux Falls, S. D. V.1, p. 18-24, 1984.

MACEACHREN, A. M. Visualization in Modern Cartography: Setting the Agenda. [S.l.]: Elsevier Science Ltd, 1994. v. 2. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/B978-0-08-042415-6.50008-9 Acesso em: 11 jul. 2021.

MIRANDA, J. I. Fundamentos de sistemas de informações geográficas. 4.ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2015.

MORAES, E. C.; FLORENZANO, T. G. Avaliação do curso de uso escolar de sensoriamento remoto no estudo do meio ambiente. In: XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, 2007. Anais [...], Florianópolis: SBSR/INPE. p.1531-1536.

MORAN, J. M. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. São Paulo: Papirus, 2007.

MOREIRA, R. A diferença e a geografia: o ardil da identidade e a representação da diferença na geografia. GEOgraphia, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, p. 41-58, 1999.

MOREIRA, R. A. Repensando a Geografia. In: SANTOS, Milton (Org.). Novos rumos da Geografia brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982, p. 35-49.

MOREIRA, M. A. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. São José dos Campos: INPE, 2001.

NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento Remoto: princípios e aplicações. São Paulo: Edgard Blücher, 1989.

OLIVEIRA, L. de. O estudo metodológico e cognitivo do mapa. In: ALMEIDA, R. D. de (Org.). Cartografia Escolar. São Paulo: Contexto, 2007.

PALSKY, G. Des chiffres et des cartes: la cartographie quantitative au XIXe siècle. Paris: Comité des Travaux Historiques et Scientifi ques, 1996.

RAMOS, C. da S. Visualização Cartográfica E Cartografia Multimídia. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

RODRIGUES, G. S. S. C.; COLESANTI, M. T. M. Educação Ambiental e as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação. Sociedade & Natureza, v. 20, n. 1, 14 ago. 2008.

SAMPAIO, T. V. M. Cartografia Temática. Curitiba: UFPR, 2018.

SANTOS, C. Saberes Cartográficos. Nova Iguaçu: Agbook, 2013.

SAUSEN, T. M. Desastres naturais e geotecnologias: Sensoriamento Remoto. Cadernos Didáticos Nº 02. INPE/CRS: Santa Maria, 2008.

SAUSEN, T. M.; CARVALHO, V.C.; SERAFINI, M. C.; FACCIO, J. M.H.; COSTA, S. M. F. Documento de Camboriú. In: I Jornada de Educação em sensoriamento remoto no Âmbito do Mercosul. Camboriú, SC, 20-23 de maio de 1997.

SIMIELLI, M. E. R. O mapa como meio de comunicação e a alfabetização cartográfica. In: ALMEIDA, R. D. de. (Org.). Cartografia Escolar. São Paulo: Contexto, 2007. p. 71 – 94.

SLOCUM, T. et al. Thematic Cartography and Geovisualization. 3a ed. Upper Saddle River, New Jersey: Pearson, 2014.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Silva, V. O., Zucherato, B., & Peixoto, D. W. B. (2021). A Importância das Geotecnologias Para a Educação Básica. Revista Geoaraguaia, 11(Especial), 202-226. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/12766