INCÊNDIOS FLORESTAIS NO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT ENTRE 2005 E 2014

Arlindo de Paula Machado Neto, Antonio Carlos Batista, Daniela Biondi, Ronaldo Viana Soares, Anderson Pedro Bernardina Batista

Resumo


O objetivo do estudo foi traçar o diagnóstico dos incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães-MT entre os anos de 2005 a 2014. As informações foram obtidas junto à base de dados do Parque, onde foram analisados os Registros de Ocorrências de Incêndios Florestais. As variáveis estudadas foram: número de incêndios no período e por ano; extensão da área queimada no período e por ano; distribuição anual dos incêndios e causas das ocorrências. Foram registrados 89 incêndios e os anos que apresentaram os maiores números de ocorrências, foram 2007, com 19 registros, 2006 e 2005, com 17 e 12 ocorrências respectivamente. Os meses com os maiores números de incêndios, foram: setembro (38,20%), agosto (28,09%) e julho (9%). A área total queimada, foi de 23.737, 76 ha, correspondente a 72,75% do parque, ou seja, mais da metade do parque foi queimado no período analisado. As principais causas dos incêndios foram “incendiários” com 42,7%, “queima para limpeza” com 20,22%, “raios” e “diversos”, ambos com 10,11%. Os resultados mostraram a fragilidade do parque, diante dos incêndios, dentro deste contexto é de suma importância, que sejam adotadas medidas de prevenção, planejadas, que visem a redução dos sinistros na área.

Palavras chave: Fogo, unidade de conservação, queima.

 

FOREST FIRES IN THE NATIONAL PARK OF CHAPADA DOS GUIMARÃES-MT BETWEEN 2005 AND 2014

 

ABSTRACT

The objective of the study was to trace the diagnosis of forest fires in the National Park of Chapada dos Guimarães-MT from 2005 to 2014. The information was obtained from the Park database, where the Forest Fire Occurrence Records were analyzed. The variables studied were: number of fires in the period and per year; extent of area burned in the period and per year; annual distribution of fires and causes of occurrences. There were 89 fires recorded and the years with the highest number of occurrences were 2007, with 19 records, 2006 and 2005, with 17 and 12 occurrences respectively. The months with the highest number of fires were: september (38.20%), august (28.09%) and july (9%). The total area burned was 23,737, 76 ha, corresponding to 72.75% of the park, that is, more than half of the park was burned in the analyzed period. The main causes of the fires were "incendiaries" with 42.7%, "burning for cleaning" with 20.22%, "rays" and "diverse", both with 10.11%. The results showed the fragility of the park, in view of the fires, within this context it is of the utmost importance that preventive measures, planned, aiming at the reduction of accidents in the area.

Keywords: fire, conservation unit, burn.

 

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2318-7670.v05n05a09


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. M.; MATRICARDI, E. A. T.; PEREIRA, R. S. Dinâmica espaço-temporal do fogo entre 1999 a 2009 no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 9, n. 16, p. 752-768, 2013.

AXIMOFF, I.; RODRIGUES, R. de C. Histórico dos incêndios florestais no Parque Nacional do Itatiaia. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 1, p. 83-92, 2011.

BONTEMPO, G. C.; RIBEIRO, G. A.; LIMA, G. S. Incêndios florestais: ocorrência, prevenção e educação um estudo de caso nos parques abertos à visitação pública em Minas Gerais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 5...2007, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2007. CD-ROM.

DOUROJEANNI, M. J.; PÁDUA, M. T. J. Biodiversidade: a hora decisiva. Curitiba: Editora da UFPR, 2007. 282 p.

FIEDLER, N. C.; MERLO, A. M.; MEDEIROS, M. B. Ocorrência de incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Goiás. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 2, p. 153-161, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS RENOVÁVEIS (IBAMA). Relatório de Ocorrência de Incêndios Florestais. Documento Técnico. PREVFOGO. 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA). Perfil dos incêndios acompanhados pelo IBAMA 2009; Prevfogo. Brasília: Ibama, 2010. 29p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS RENOVÁVEIS (IBAMA). Perfil dos incêndios florestais acompanhados pelo Ibama. Brasília: IBAMA, 28 p. 2010.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBIO). Plano de manejo: Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Relatório final editado em abril de 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 de outubro de 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET). Banco de dados meteorológicos para ensino e pesquisa. Disponível em: Acesso em 25 ago 2015.

INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DAS FLORESTAS (ICNF). Relatório anual de áreas ardidas e incêndios florestais em Portugal continental. Disponível em: http: /www.icnf.pt/portal/florestas/dfci/relat/rel-if/2013> Acesso em: 08 de out de 2014.

LIMA, G. S. Os incêndios florestais no Estado de Minas Gerais. Revista Ação Ambiental, Viçosa v. 2, n. 12, p. 15-18, 2000.

MACHADO, R. B.; RAMOS NETO, M. B.; PEREIRA, P. G. P.; CALDAS, E. F.; GONÇALVES, D. A.; SANTOS, N. S.; TABOR, K.; STEININGER, M. 2004. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Relatório técnico não publicado. Conservação Internacional, Brasília, DF.

MAGALHÃES, S. R. de; LIMA, G. S.; RIBEIRO, G. A. Avaliação do combate aos incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 18, n. 1, p. 80-86, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/floram.2011.025

MATTAR, C.; SANTAMARÍA-ARTIGAS, A.; DURÁN-ALARCÓN, C. Estimación del área quemada en el Parque Nacional Torres del Paine utilizando datos de teledetección. Revista de Teledetección, Valencia, v. 38, n. 1, p. 36-50, 2012.

MEDEIROS, M. B.; FIEDLER, N. C. Incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra: desafios para a conservação da biodiversidade. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 157-168, 2004.

KOPROSKI, L. de P.; BATISTA, A. C.; SOARES, R. V. Ocorrências de incêndios florestais no Parque Nacional de Ilha Grande – Brasil. Floresta, Curitiba v. 34, n. 2, p. 193-197, 2004.

PEREIRA, C. A.; FIDLER, N. C.; MEDEIROS, M. B. Análise de ações de prevenção de combate aos incêndios florestais em unidades de conservação do cerrado. Floresta, Curitiba, v. 34, n. 2, p. 95-100, 2004.

RAMSEY, G. S.; HIGGINS, D. G. Canadian forest fire statistics. Ontario: Canadian Forestry Service, 1981. Information Report PI-X-9.

RAMOS-NETO, M. B. O Parque Nacional das Emas (GO) e o fogo: implicações para a conservação biológica. 2000. 187f. Tese (Doutorado em Ecologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

RIBEIRO, G. A.; LIMA, G. S.; SIQUEIRA, L. O parque Nacional da Serra da Canastra e a ocorrência de incêndios florestais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 3., 2002, Fortaleza. Anais... Fortaleza: Rede Nacional Pro-Unidades de Conservação, p. 473-479. 2002.

RIBEIRO, M. N.; SANCHEZ, M.; PEDRONI, F.; PEIXOTO, K. DA S. Fogo e dinâmica da comunidade lenhosa em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, Mato Grosso. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 203-217, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062012000100020

SANO, E. E.; ROSA, R.; BRITO, J. L. S.; FERREIRA, L. G. Land cover mapping of the tropical savanna region in Brazil. Environmental monitoring and assessment, v. 166, n. 1-4, p. 113–124, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10661-009-0988-4

SOARES, R.V. SANTOS, J.F. Perfil dos incêndios florestais no Brasil de 1994 a 1997. Floresta, Curitiba, v. 32, n. 2, p. 219-232, 2002.

TEBALDI, A. L. C.; FIEDLER, N. C.; JUVANHOL, R. S.; DIAS, H. M. Ações de prevenção e combate aos incêndios florestais nas unidades de conservação estaduais do Espírito Santo. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 538-549, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/floram.2013.036

VOSGERAU, J. L.; BATISTA, A. C.; SOARES, R. V.; GRODZKI, L. Avaliação dos registros de incêndios florestais do Estado do Paraná no período de 1991 a 2001. Floresta, Curitiba, v. 36, n. 1, p. 23 – 32, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.31413/nativa.v5i5.4684

Apontamentos

  • Não há apontamentos.