“E mesmo ameaçado eu serei cada vez mais viado”: Considerações sobre o pop como espaço de existência/resistência para a criança viada

Autores

  • Felipe Viero Kolinski Machado Mendonça UFOP

Resumo

No presente texto, um ensaio, de caráter afetivo, recupero lembranças de minha infância ligadas ao universo da cultura pop, aciono referências bibliográficas ligadas aos estudos de gênero e de sexualidade que me são caras e, ainda, pesquisas que venho realizando para buscar pistas sobre como existi/resisti como criança viada e como tantos outros também o fizeram e o continuarão a fazer. Mobilizado pela proposta do dossiê e, ainda, pela pergunta de Paul B. Preciado sobre quem defende a criança queer, sugiro, a partir de minhas experiências como criança viada e como pesquisador viado, como a cultura pop pode operar tanto como um lugar de fuga e de refúgio quanto, pela via da representação, como um lugar de empoderamento para sujeitos que não são enquadrados pela heteronormatividade.

Biografia do Autor

Felipe Viero Kolinski Machado Mendonça, UFOP

É Professor Adjunto A (nível 1) do Departamento de Jornalismo (DEJOR) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto (PPGCOM UFOP). É Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), com bolsa CAPES. Realizou estágio doutoral no exterior, com bolsa CAPES/PDSE, junto ao Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA/ISCTE-IUL), em Lisboa/Portugal É Mestre em Ciências da Comunicação também pela UNISINOS, com bolsa CNPq. Realizou estágio junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (3 meses). É jornalista pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com bolsa FNDE. Entre os anos de 2017 e 2019 realizou estágio de pós-doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (Bolsa de Pós-Doutorado Júnior - PDJ/CNPq). Integra os grupos de Pesquisa Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais: Narrativa e Experiência (UFMG) e o Ponto: afetos, gêneros, narrativas (UFOP). Possui experiência profissional/estágio em rádio e em televisão e, como docente, ministra disciplinas teóricas, metodológicas e laboratoriais na área da comunicação e do jornalismo. Em suas pesquisas, interessa-se pelas seguintes áreas/temáticas: Produção de sentidos nas Mídias e no Jornalismo; Análise do Discurso Midiático e Estudo de rotinas produtivas; Geração, Gêneros e Sexualidades; Teoria Queer e Estudos Comunicacionais; Cultura Pop.

Referências

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Apresentando Spivak. In. SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar, p. 7-18, Editora UFMG, 2010.

AUTOR, 2015.

AUTOR, 2018A.

AUTOR, 2018B.

AUTOR, 2019.

BUTLER, Judith. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: n-1, 2019.

BUTLER. Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. São Paulo: Editora Record, 2012.

CONNEL, Robert W. Masculinidades. Universidad Nacional Autónoma de México, Coordinación de Humanidades, Programa Universitário de Estudios de Género, 2003.

CREPALDI, Clara Lacerda. Os fragmentos de Andrômeda de Eurípides. Estudos Linguísticos e Literários 55 (2016): 356-373.

ERIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

JANOTTI JUNIOR, Jeder. Cultura pop: entre o popular e a distinção. In: SÁ, Simone Pereira de; CARREIRO, Rodrigo; FERRARAZ, Rogerio. Cultura pop. EDUFBA, p. 45-56, 2015.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NERY, João W. Viagem Solitária: memórias de um transexual 30 anos depois. São Paulo: Leya, 2011.

PEREIRA, Ilíada Damasceno. Cultura pop japonesa no Brasil. Temática, Ano XIII, n. 08. Agosto/2017.

PERET, Eduardo. Percepções da Sexualidade: Anime e Mangá. 2009.

PRECIADO, Beatriz. Quem defende a criança queer? Jangada: crítica| literatura| artes, n. 1, p. 96-99, 2013.

PRECIADO, Beatriz. Terror anal. In: HOCQUENGHEM, Guy. El deseo homosexual. Madri: Melusina, p. 133-174, 2009.

PRECIADO, Paul B. Manifesto Contrassexual. São Paulo: N-1 Edições, 2014.

RIOS, Roger Raupp. As uniões homossexuais e a “família homoafetiva”: o direito de família como instrumento de adaptação e conservadorismo ou a possibilidade de sua transformação e inovação. Civilística a. 2. n. 2. p. 1-21, 2013.

SÁ, Simone Pereira de; CARREIRO, Rodrigo; FERRARAZ, Rogerio. Cultura pop. EDUFBA, 2015.

SOARES, Thiago. Abordagens teóricas para estudos sobre cultura pop. Logos, v. 2, n. 24, 2014.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Editora UFMG, 2010.

WAGNER, Irmo. Educação em animes: aprendendo sobre masculinidades com os cavaleiros do zodíaco. Dissertação (mestrado). Universidade Luterana do Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação, Canoas/RS, 2008. 152f.

WARNER, Michael. Fear of a Queer Planet: Queer Politics and Social Theory. Minneapolis/London, University of Minnesota Press, 1991.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomas Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p. 7-72, 2000.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações