REFLEXÕES ENUNCIATIVAS A CERCA DO ENSINO NA ÁREA DE LINGUAGEM: ENTENDENDO PROJETOS DE DIZER

Autores

  • Nathan Bastos de Souza nathanbastos600@gmail.com
    Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
  • Fabiana Giovani fabiunipampa@gmail.com
    Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Palavras-chave:

projeto de dizer, gêneros do discurso, estudos bakhtinianos.

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender os projetos de dizer inscritos em textos produzidos por quatro alunos do ensino médio politécnico que participaram de uma sequência didática desenvolvida com base na teoria dos gêneros de Bakhtin (2011) em interlocução com os estudos da Escola de Genebra (DOLZ, SCHNEUWLY et. Al., 2011). Os objetos de análise são as produções finais dos quatro alunos (resumos de um conto) e são estudados à luz do paradigma indiciário de Carlo Ginzburg. 

Biografia do Autor

Nathan Bastos de Souza, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutorando em Linguística pela UFSCar.

Fabiana Giovani, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa (UNESP), docente na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Referências

BAKHTIN, M.M. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M.M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Ed. Hucitec, 2009.

CAMPOS, C.T. de. O processo de apropriação do desenho à escrita. Dissertação (Mestrado) -- Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2011.

CAVALCANTI, J.R. O trabalho com textos na sala de aula. In. Letra magna- 2010, v.XII.

DOLZ, J. SCHNEUWLY, B. et. Al. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2011.

DUARTE, C. Uma análise de procedimentos de leitura baseada no paradigma indiciário. Dissertação (Mestrado) -- Universidade Estadual de Campinas. Instituto de estudos da linguagem. Campinas, 1998.

FARACO, C.A. Português: língua e cultura. Curitiba: Base, 2003.

LAJOLO, M. O texto não é pretexto. Será que não é mesmo? In. ZILBERMAN, R.; RÖSING, T.M.K. (orgs.). Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009.

GERALDI, J.W. - A linguagem nos processos sociais de construção da subjetividade. In VAL, M.G.C. (orgs.) Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto – o sujeito-autor. São Paulo: Autêntica, 2005.

GERALDI, J.W. (orgs). O texto em sala de aula. São Paulo: Ática, 2011.

GERALDI, J.W. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. Tradução Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais, morfologia e história. São Paulo: Companhia das letras, 1989.

NEVES, M.H.M. Gramática na escola. São Paulo: Contexto, 1990.

POSSENTI, S.. Gramática e política. In. GERALDI, João Wanderley. Et al. (orgs). O texto em sala de aula. São Paulo: Ática, 2011.

RODRIGUES, M. B. F. Razão e sensibilidade: reflexões em torno do paradigma indiciário. In. Dimensões - Revista de História da UFES. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, n° 17, 2005.

SOUZA, C.G.; CAVÉQUA, M.P. Linguagem: criação e interação. São Paulo: Saraiva, 2005.

Publicado

2018-05-25

Como Citar

SOUZA, N. B. de; GIOVANI, F. REFLEXÕES ENUNCIATIVAS A CERCA DO ENSINO NA ÁREA DE LINGUAGEM: ENTENDENDO PROJETOS DE DIZER. Polifonia, [S. l.], v. 25, n. 37.1, p. 107–120, 2018. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/1595. Acesso em: 21 jun. 2024.