Marcas da colonização impressas no corpo e na alma das mulheres

A implacável linguagem do padrão de beleza inalcançável

Autores

  • Giêdra Ferreira da Cruz polifoniapa@gmail.com
    Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Iris Nunes de Souza polifoniapa@gmail.com
    Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Resumo

Nosso trabalho encontra-se no locus enunciativo da Linguística Aplicada, posto que, entendemos a língua como prática social e, por consequência, representação identitária e cultural de um povo. Temos como objetivo discutir e problematizar a colonização do corpo das mulheres e suas marcas físicas e psicológicas, apontando as possíveis soluções para desconstrução do protótipo de mulher imposto pela colonização e legitimada pelo capitalismo. A nossa geopolítica é constituída pela ilustração das mulheres em territórios colonizados, especificamente no Brasil, na perspectiva de duas professoras de línguas estrangeiras (espanhol e inglês), em território do interior da Bahia. Compreendemos o pluricentrismo e complexidade do fenômeno, por isso, a metodologia encontra-se no escopo qualitativo. Sendo assim, a Hermenêutica Pluricêntrica e a desobediência epistêmica, na perspectiva de(s) colonial, são as bases para analisar os fenômenos elencados. Além disso, constituímos o corpus deste estudo a partir de enunciados midiáticos em forma de poesias, canções e artigos de opinião. As conclusões, inerentes a esta investigação, apontam para a necessidade de descolonização de nossos sentidos; bem como para a imprescindível valorização de nossos corpos e, por conseguinte, de nossas imagens que são concretizadas por meio das linguagens.

Referências

BAPTISTA, L. M. T. R. Minha pátria é minha língua: algumas questões sobre a (de)colonização das línguas e dos sujeitos no ensino de espanhol. Revista Abehache, n. 12, segundo semestre. 2017.

BAPTISTA, L. M. T. R. (De) Colonialidade da linguagem, lócus enunciativo e constituição identitária em Gloria Anzaldúa: uma “new mestiza”. Polifonia, Cuiabá-MT, v. 26, n. 44, p. 123-145, out/dez, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8974. Acesso em: 11 de mar. 2021.

BAPTISTA, L. M. T. R. Educação crítica, decolonialidade e educação linguística no Brasil e no México: questões epistemológicas e metodológicas traçadas por um paradigma-outro. Letras &Letras, Uberlândia, v. 35. n. especial. 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49261. Acesso em: 26 de mar. 2021.

CARNEIRO, S. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo, Selo Negro, 2011.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores: Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

FANON, F. Os condenados da terra. Tradução de Serafim Ferreira Lisboa. Editora Ulisseia 1965.

FANON, F. Pel negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FEDERICI, S. Calibã e a Bruxa: Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. São Paulo, Ed. Elefante, 2017.

FEDERICI, S. Mulheres e caça às Bruxas: da Idade Média aos dias atuais. São Paulo, Boi Tempo, 2019.

FERREIRA, Y. Padrões de beleza: as conseqüências graves da busca por um corpo idealizado.https://www.hypeness.com.br/2021/03/padroes-de-beleza-as-consequencias-graves-da-busca-por-um-corpo-idealizado/>. Acesso em 15 de maio de 2021.

FUCKS, R. Música Garota de Ipanema, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. Disponível em https://www.culturagenial.com/musica-garota-de-ipanema/ . acesso em 17 de fevereiro de 2022.

GROSFOGUEL, R. A estructura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/ epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado. Brasília, v. 31, n. 1, p. 25 – 49, jan/abr. 2016.

HOOKS, B. Linguagem: ensinar novas paisagens/novas linguagens. Revista de estudos feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 857 - 864, set/dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/GWcB7QS3ZNxr3jn6qj6NHHw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 11 de fevereiro de 2022.

MENDES, E. O conceito de língua em perspectiva histórica: reflexos no ensino e na formação de professores de português. In: LOBO, T. et alii. Linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador - BA: EDUFBA, 2012.

MENDES, E.; CUNHA, J. C. (Org.) Práticas em sala de aula de línguas: Diálogos Necessários entre Teoria(s) e Ações Situadas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

MENDES, E. Os modos de ação da cultura e seu reflexo no ensino-aprendizagem de LE/L2. In: SIMÕES, D. M. P.; FIGUEIREDO, F. J. Q. (Org.). Contribuições da Linguística Aplicada para o professor de línguas. Campinas, SP: Pontes, 2015.

MIGNOLO, W. Histórias locais/projetos globais: Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIGNOLO, D. W. La idea de America Latina: La herida colonial y la opción decolonial. Traducción de Silvia Jawerbaum y Julieta Barba.Barcelona- España: Editorial Gedisa, S.A. 2007.

MIGNOLO, D. W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. In: Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, 2008. p. 287-324.

MIGNOLO, D. W. De la hermenéutica y la semiosis colonial al pensar descolonial con una introducción de Gustavo Verdesio. Quito-Ecuador Editorial Universitaria Abya-Yala- 2ª edición, 2013.

MIGNOLO, D. W. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Tradução de Marco Oliveira. RBCS Vol. 32, n° 94, junho/2017.

PARAQUETT, M. Multiculturalismo, interculturalismo e ensino/aprendizagem de espanhol para brasileiros. Brasília: MEC, 2010. Coleção Explorando o Ensino. Espanhol, v. 16. p. 137-292. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/abril-2011-pdf/7836-2011- espanhol-capa-pdf/file. Acesso em: 18 de mar. 2019.

PARAQUETT, M.; DORIS, M. (Org.). Interculturalidade e identidades: formação de professores de espanhol. Salvador: EDUFBA, 2018.

QUIJANO, A. Colonialidad y modernidade-racionalidad. In: BONÍLIA, Heraclio (Compilador). Los conquistados. 1492 y la población indígena de las Américas. Bogotá: Tercer Mundo Editores, 1992.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Argentina- Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Feminismos Plurais. Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa- Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

VILHENA, V. C. Uma igreja sem voz: análise de gênero da violência doméstica entre mulheres evangélicas. São Paulo: Fonte Editorial, 2011.

VILHENA, V. C. Um olhar de gênero sobre a trajetória de vida de Frida Maria Strandberg (1891-1940). 2016. Tese de doutorado - Universidade Presbiteriana Mackenze, Pós- Graduação em Educação, Arte e História da Cultura. São Paulo: 2016.

WALSH, C. La interculturalidad en la educación. Perú-Lima Ministerio de Educación, 2005.

WALSH, C. Interculturalidad y colonialidad del poder. Un pensamiento y posicionamiento otro desde la diferencia colonial. En: Interculturalidad, descolonización del Estado y del conocimiento (C. Walsh, A. García Linera y W. Mignolo), Buenos Aires: Editorial signo, 2006. p. 21 -70.

WALSH, C. Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re) existir y (re)vivir Tomos I y II. Serie pensamiento decolonial. Quito- Ecuador: Ediciones Abya- Yala, 2017.

WOLF, N. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Tradução: Waldéa Barcellos - 14ªed.- Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.

Downloads

Publicado

2023-02-16

Como Citar

CRUZ, G. F. da . .; SOUZA, I. N. de . Marcas da colonização impressas no corpo e na alma das mulheres: A implacável linguagem do padrão de beleza inalcançável. Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 54, p. 9–30, 2023. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/15009. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos