Mapeamento de Áreas de Caatinga Através do Random Forrest: Estudo de caso na Bacia do Rio Taperoá

Autores

Palavras-chave:

Random Forrest, Google Earth Engine, Mapeamento da caatinga

Resumo

A caatinga é constituída por um grande mosaico de arbusto e florestas suscetíveis as alterações sazonais características do bioma. Esse fato, constitui uma das dificuldades no mapeamento do bioma em médias e grandes escalas. Com avanço metodológico nas técnicas de sensoriamento remoto, algoritmos tem surgido em auxílio ao mapeamento e monitoramento utilizando séries temporais. Dessa forma, o presente artigo tem o objetivo de fazer o mapeamento da cobertura de caatinga para a bacia do hidrográfica do rio Taperoá através do algoritmo random forrest. Como metodologia foi utilizada a coleção Landsat 8 e através da plataforma Google Earth Engine foi possível fazer a seleção de imagens para o ano de 2020, implementar a classificação e avaliá-la. Os resultados mostram uma eficácia na utilização do algoritmo, assim como 79% no acerto global do mapeamento. Quanto a vegetação destaca-se que 62% da área da bacia é composta por caatinga e 28% composta por áreas de caatinga degradada (antropizada). O artigo ainda visa contribuir metodologicamente no mapeamento da vegetação de caatinga

Referências

ALMEIDA, N. V. Ordenamento territorial geoambiental Da bacia Hidrográfica do rio Taperoá/Semiárido Paraibano. [s.l.] Universidade Federal Fluminense, 2012.

BRITO, F. B. de ; VIANNA, P. C. G. . Conflito pelo uso da água do açude Epitácio Pessoa-PB. In: Seminário Luso-Brasileiro-Caboverdiano - agricultura familiar em regiões de desertificação, João Pessoa. Anais do Seminário Luso-Brasileiro-Caboverdiano - agricultura familiar em regiões de desertificação. João Pessoa: Editora da UFPB, 2006. v. Único. p. 86-100. 2006.

LACERDA, E. R.; VICENS R., Detecção de áreas de florestas invariantes em séries temporais utilizando random forest. GEOgraphia Niterói, Universidade Federal Fluminense ISSN 15177793 (eletrônico) GEOgraphia, vol: 23, n. 50, 2021.

ALVES, J. J. A.; ARAUJO, M. A.; NASCIMENTO, S. S. Degradação da caatinga: uma investigação ecogeográfica. Caatinga, p. 126–135, 2009.

LEAL, I. R.; SILVA, J. M. C.; TABARELLI, M.; LACHER JR, T. E. Mudando o curso da conservação da biodiversidade na Caatinga do nordeste do Brasil. In: Conservação Internacional do Brasil (ed). Megadiversidade. Belo Horizonte, v.1.p. 139-146, 2005.

LOEFGREN, A. Inpetoria de obras contra as secas, Notas botânicas (Ceará). v. 2, p. 3–39, 1910.

MACIEL, C. A. A; PONTES, E. T. M. Seca e convivência com o semiárido. Adaptação ao meio e patrimonialização no Nordeste brasileiro. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2015.

STOW, D. A. The role of geographical information systems for landscape ecological studies. In: Landscape ecology and GIS. Ed. Haines-Young et al., Taylor & Francis: 11-21. 1993.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Cardoso, P. V., Seabra, V. da S., Xavier, R. A., Rodrigues, E. de M., & Gomes, A. S. (2021). Mapeamento de Áreas de Caatinga Através do Random Forrest: Estudo de caso na Bacia do Rio Taperoá. Revista Geoaraguaia, 11(Especial), 55-68. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/12743