Vulnerabilidade Natural à Perda de Solos na Unidade de Planejamento e Gestão dos Recursos Hídricos Afluentes Mineiros do Baixo Paranaíba

Autores

Palavras-chave:

Planejamento Ambiental, Perda de solos, geoprocessamento

Resumo

A vulnerabilidade natural à perda de solos é prevista pelo Decreto 4.297, de 10 de julho de 2002 (BRASIL, 2002) como uma etapa para elaboração de zoneamentos ambientais, instrumento da Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981 (BRASIL, 1981). Desde então, iniciativas de caráter metodológico têm considerado a vulnerabilidade natural à perda de solos como uma parte do modelo de zoneamentos ambientais, sendo a metodologia de Crepani et al. (2001) uma importante referência desses trabalhos. Assim, o presente artigo possui o intuito de apresentar a vulnerabilidade natural à perda de solos da Unidade de Planejamento e Gestão dos Recursos Hídricos Afluentes Mineiros do Baixo Paranaíba (UPGRH PN3), localizada no estado de Minas Gerais. Trata-se de uma contribuição para trabalhos de zoneamento, planejamento e gestão ambiental nesse conjunto de bacias hidrográficas com utilização da metodologia de Crepani et al. (2001). Por fim, ressalta-se que, além de apresentar um subsídio aos responsáveis pela gestão da UPGRH PN3, busca-se reforçar a importância, a eficiência e a qualidade de resultados oriundos de dados e procedimentos acessíveis.

Biografia do Autor

Rafael Mendes Rosa, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Possui graduação em Geografia (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade Católica de Uberlândia (FCU) e mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Planejamento e Gestão Ambiental, Geografia Física e Geoprocessamento.

Vanderlei de Oliveira Ferreira, Docente da Universidade Federal de Uberlândia (IG/UFU).

É geógrafo (1993), mestre (1996) e doutor (2007) em Geografia/Análise Ambiental pela Universidade Federal de Minas Gerais (IGC/UFMG). Desde 2008 é docente da Universidade Federal de Uberlândia (IG/UFU). Dedica-se ao ensino, pesquisa e extensão em temas e problemas especialmente vinculados à Hidrologia e Climatologia, com destaque para estudos que tratam dos impactos das mudanças climáticas e do uso das terras sobre a dinâmica de bacias hidrográficas, recorrendo-se a modelos de análise tendencial e instrumentos geocartográficos. É docente permanente do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Sistema de Informações Hidrológicas. Disponível em: http://www.snirh.gov.br/hidroweb/serieshistoricas. Acesso em: 20 dez. 2019.

BECKER, B. K.; EGLER, C. A. G. Detalhamento da metodologia para execução do Zoneamento Ecológico-Econômico pelos estados da Amazônia Legal. Brasília: SAE/MMA.

BRASIL. Decreto nº 4.297, de 10 de julho de 2002. Regulamenta o art. 9º, inciso II, da Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, estabelecendo critérios para o Zoneamento Ecológico-Econômico do Brasil - ZEE, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4297.htm. Acesso em: 22 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 99.193, de 27 de março de 1990. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao zoneamento ecológico-econômico, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D99193.htm. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de janeiro de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm. Acesso em: 22 mar. 2019.

BRASIL. Mapeamento do uso e cobertura da terra do Cerrado: Projeto TerraClass Cerrado 2013. Brasília: MMA, 2015. 67 p. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/tccerrado. Acesso em: 15 fev. 2019.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS; COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS. Mapa geológico do estado de Minas Gerais, escala 1:1.000.000. Belo Horizonte: CPRM (Serviço Geológico do Brasil), CODEMIG, 2014. Disponível em: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/20786 . Acesso em: 05 jan. 2020.

CREPANI, E. et al. Curso de sensoriamento remoto aplicado ao zoneamento ecológico-econômico. São José dos Campos: INPE, 1996. 18 p.

CREPANI, E. et al. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: INPE, 2001. 124 p.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. Rodovias do Brasil. Disponível em: http://www.dnit.gov.br/mapas-multimodais/shapefiles. Acesso em: Acesso em: 19 nov. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mapeamento de recursos naturais do Brasil escala 1:250.000. Rio de Janeiro: Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 2018. 8 p. Disponível em: https://downloads.ibge.gov.br Acesso em: 13 fev. 2019.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS. Comitês e Unidades de Planejamento. Belo Horizonte: IGAM, 2010a. Disponível em: http://www.igam.mg.gov.br/component/content/83?task=view. Acesso em: 19 out. 2019.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS. Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos de Minas Gerais. Belo Horizonte: IGAM, 2010b. Disponível em: http://portalinfohidro.igam.mg.gov.br/images/UPGRH_Minas_Completa.png. Acesso em: 19 out. 2019.

MAPBIOMAS. Coleção 3 da série anual de mapas de cobertura e uso de solo do Brasil. 2018. Disponível em: http://mapbiomas.org. Acesso em: 15 dez. 2019.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Histórico do ZEE. 2011. Disponível em: https://www.mma.gov.br/gestao-territorial/zoneamento-territorial/item/8186-historico-do-zee?tmpl=component&print=1. Acesso em: 15 abr. 2019.

ROSA, R. Geotecnologias na geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 16, p. 81-90, 2005. https://doi.org/10.7154/RDG.2005.0016.0009

SANTOS, H. G. et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília: Embrapa, 5a ed., 2018.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, SUPREN, 1977. 97 p.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY. Shuttle Radar Topography Mission 1 Arc-Second Global. Courtesy of the U.S. Geological Survey. Disponível em: https://lta.cr.usgs.gov/SRTM1Arc. Acesso em: 18 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Rosa, R. M., & de Oliveira Ferreira, V. (2021). Vulnerabilidade Natural à Perda de Solos na Unidade de Planejamento e Gestão dos Recursos Hídricos Afluentes Mineiros do Baixo Paranaíba. Revista Geoaraguaia, 11(Especial), 107-131. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/11438

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)