O PERFIL DOS AGRICULTUORES URBANOS DE CUIABÁ-MT: um estímulo à Economia Ecológica

Autores

  • Anderson Nunes de Carvalho Vieira Faculdade Tecnológica do SENAI-MT (FATEC/SENAI-MT)
  • Alexandro Rodrigues Ribeiro Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Silvio Santos Cardoso Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

DOI:

10.19093/8580

Palavras-chave:

Agricultura Urbana. Economia Ecológica. Cuiabá-MT.

Resumo

Este trabalho levanta a temática da Agricultura Urbana na cidade de Cuiabá- MT, e sua relação com a Economia Ecológica. Assim, teve por problemática a seguinte pergunta: Qual o perfil dos agricultores urbanos de Cuiabá e como estes podem contribuir para o pensamento da Economia Ecológica? Desta forma, teve-se como objetivo geral descrever o perfil socioeconômico e produtivo dos agricultores urbanos de Cuiabá. Para tanto, construiu-se os seguintes objetivos específicos: a) tipificar socioeconomicamente os produtores urbanos e as suas formas de produção; b) verificar quais os produtos cultivados nesta prática agrícola e os seus destinos e c) compreender as características socioeconômica e ecológicas encontradas e traçar propostas para que a agricultura urbana possa estimular o pensamento e a prática da Economia Ecológica em Cuiabá- MT. No referencial teórico foram discutidos os aspectos teóricos e conceituais da agricultura urbana e da Economia Ecológica. A metodologia utilizada possui uma abordagem mista de cunho descritiva com a coleta de dados primários via aplicação de questionários. Conclui-se que muitas das vezes, essa prática tem surgido como uma alternativa de sobrevivência das populações mais pobres, provenientes da zona rural, e que a mesma pode contribuir, se devidamente apoiada e assistida, com uma melhor compreensão e prática da Economia Ecológica na região.

Biografia do Autor

Anderson Nunes de Carvalho Vieira, Faculdade Tecnológica do SENAI-MT (FATEC/SENAI-MT)

Economista CORECON/MT nº 2075, Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT - 2013), Especialista em Gestão Pública pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT - 2018), Especialista em Ciência da Religião pelas Faculdades Evangélicas Integradas Cantares de Salomão (FEICS - 2017) e Mestre em Agronegócios e Desenvolvimento Regional (UFMT - 2015). Atualmente cursa Licenciatura em Química pelo IFMT e Administração pela Universidade de Cuiabá (UNIC). Trabalha como servidor público de carreira no Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (DETRAN-MT), como agente do serviço de trânsito, no setor da Gerência de Controle de Carteira Nacional de Habilitação (GCCNH) e paralelamente como Professor Horista junto a Faculdade Tecnológica do SENAI Mato Grosso (FATEC) ministrando para os cursos tecnólogos em Processos Gerenciais, em Gestão de Recursos Humanos, em Gestão da Qualidade e em Gestão Logística. Já atuou como tutor à distância e presencial para os cursos EaD em Administração Pública da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) e UFMT, respectivamente. Também desempenhou a atividade de Professor Substituto junto à Faculdade de Economia da UFMT no período 2017/2018 ministrando diversas disciplinas para os cursos de Economia, Administração, Nutrição, Ciência de Alimentos e Engenharias. Tem experiência na área de Economia Regional, com ênfase em Economia Agrícola, Economia Rural, Economia do Agronegócio, Economia Ambiental, Gestão Pública e Desenvolvimento Socioeconômico com conhecimentos teóricos e empíricos das políticas macroeconômicas que afetam estes segmentos da Economia. Desenvolve projetos de pesquisas na área da Economia Agroenergética com a proposta de inserção do girassol como matéria-prima para a produção de biodiesel em Mato Grosso e consequentemente para a diversificação da matriz agroenergética do estado.

Alexandro Rodrigues Ribeiro, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Possui graduação em economia pela Universidade Federal de Mato Grosso (1997), especialização em Gestão Ambiental pelo PEP/UFRN, mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2004) e Doutorado em Desenvolvimento Socioambiental pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos - NAEA / UFPA. Professor da Faculdade de Economia da UFMT. Tem experiência na área de desenvolvimento e meio ambiente, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão ambiental e desenvolvimento regional sustentável.

Silvio Santos Cardoso, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil e Técnico Administrativo em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

ALTIERI, M. A.; COMPANIONI, N.; CAÑIZARES, K.; MURPHY, C.; ROSSET, P.; BOURQUE, M.; NICHOLLS, C. The greening of the “barrios”:Urban agriculture for foodsecurity in Cuba. Agriculture and Human Values 16: 1999. Kluwer Academic Publishers.Printed in the Netherlands. p. 131-140.

ALTIERI, M. Agroecologia: Bases científicas para uma agricultura sustentável. 3. ed. ver. ampl. São Paulo, Rio de Janeiro: Expressão Popular, AS-PTA 2012. 400 p.

ANDERSON, P. Passagens da antiguidade ao feudalismo. Ed. 3. São Paulo: Brasiliense, 1991. 291 p.

BAENINGER, R. (Org.). População e Cidades: subsídios para o planejamento e para as políticas sociais. Campinas /Unicamp; Brasília: UNFPA, 2010. 304p. ISBN 978-85-88258-23-5 1.

BECKER, F. Ensino e construção do conhecimento: o processo de abstração reflexionante. Revista Educação e realidade, Porto Alegre, RS, v. 18, n. 1, p. 43-52, 1993.

CAVALCANTI, C. Uma tentativa de caracterização da economia ecológica. Revista Ambiente & Sociedade – Vol. VII nº. 1 jan./jun. 2004.

CECHIN, A. D.; VEIGA, J. E. A economia ecológica e evolucionária de Georgescu Roegen. Revista de Economia Política, vol. 30, no 3 (119), pp. 438-454, julho-setembro/2010a.

CECHIN, A. D.; VEIGA, J. E. in: MAY, P. (org) Economia do meio ambiente: teoria e prática, 2ª ed, RJ: Elsevier/Campus, 2010b, p. 33-48.

FAO - COMITÉ DE AGRICULTURA. La agricultura urbana e periurbana. Roma:1999. Disponível em: <http://www.fao.org >.Acesso em: 10 de dezembro de 2017.

FAO. Selecte issues: Urban Agriculture: na oxymoron? In: The state of food and agriculture. Food Security: some macroecomic dimensions. Rome: FAO, 1996. 29p.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. 174 p.

GONZALES, R. L. A Economia Ambiental e a Economia Ecológica: Uma Discussão Teórica. Texto para discussão. Departamento de Economia, Universidad Nacional Agraria La Molina – Lima – Perú, – Programa de Planejamento Energético – COPPE – UFRJ. 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Agropecuário 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/agri_familiar_2006/familia_censoagro2006.pdf> Acesso em maio de 2015.

MARCONI, M. de A; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 1990.

MARGULIS, S. Meio ambiente: Aspectos técnicos e econômicos. IPEA, Brasília. 1999.

OLIVEIRA JR., P. H. B. Notas sobre a história da agricultura através dos tempos. PTA. Projeto Tecnologias Alternativas. Rio de Janeiro, maio de 1989.72 p.

PESSÔA, C. C. Agricultura Urbana e pobreza: Um estudo no município de Santa Maria – RS/ Cristiane Cardoso Pessôa – 2005. Dissertação de Mestrado Universidade Federal de Santa Maria UFSM-RS.

PORTARIA, 476/2018/MDS. Brasília – DF. DOU. 09 de fevereiros de 2018. N 29, seção 1.

PORTAL SANEAMENTO BÁSICO. Dados sobre saneamento. Disponível em: . Acesso em 05 de fevereiro de 2018.

PREFEITURA DE CUIABÁ (2017). Projeto horta comunitária de Cuiabá. Disponível em: <http://www.cuiaba.mt.gov.br/assistencia-social-e-desenvolvimento-humano/horta-voltada-para-a-comunidade-estimula-a-consciencia-alimentar-no-cras-do-tijucal/15884>. Acesso em 10 de janeiro de 2018.

______. Dados da cidade de Cuiabá e sua população. Disponível em <http://www.cuiaba.mt.gov.br/imprime.php?cid=6679&sid=32>. Acesso em 15 de janeiro de 2018.

______. Plano diretor de desenvolvimento estratégico de Cuiabá. Disponível em : <http://www.cuiaba.mt.gov.br/upload/arquivo/plano_diretor_de_desenvolvimento_estrategico_cuiaba.pdf>. Acesso em: 12 dezembro de 2017.

PINDYCK, R.S.; RUBINFELD, D.L. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, 7ª edição, 2010.

RESENDE, S. Entre o rural e o urbano: a agricultura urbana em Uberlândia (MG). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Uberlândia. 2004.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social. Métodos e Técnicas. São Paulo. Editora Atlas. Terceira edição.1999.334p.

ROESCH, S. M. A. Projeto de estágio e de pesquisa em administração. 2ª ed. SP:Atlas, 1999.

ROMEIRO, A. R. Economia ou economia política da sustentabilidade? Texto para Discussão. IE/UNICAM. n. 102, set. 2001.

ROSA, C. DA; CÂMARA, S. G.; BÉRIA, J. U. Representações e intenção de uso da Fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 1, p. 311-318, 2011.

SANTOS, H. Faria dos. Modernização da agricultura e relação campo-cidade: uma análise a partir do agronegócio cafeeiro no município de alfenas – mg caminhos de geografia - revista on line. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/ ISSN 1678-6343. 2014> acesso em dezembro de 2018.

SELTIZ, J.; DEUTSCH, C. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder, 1971

SENADO FEDERAL. Brasília. Projeto de Lei da Câmara n° 182, de 2017. Disponivel em:

<http://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/132006>.Acesso em: 11 de ferreiro de 2018.

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA FAMILIAR E ASSUNTOS FUNDIÁRIOS. Dados de reforma agrária em Cuiabá. Disponível em: <http://www.seaf.mt.gov.br/-/7610552-governo-incentiva-estudantes-no-cultivo-de-hortas-escolares>. Acesso em 17 de fevereiro de 2018.

VINUTO, J. A amostragem em Bola de Neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, Campinas, 22, (44): 203-220, ago/dez. 2014.

YUNUS, M. O banqueiro dos pobres. São Paulo: Ática, 2000.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Vieira, A. N. de C., Ribeiro, A. R., & Cardoso, S. S. (2020). O PERFIL DOS AGRICULTUORES URBANOS DE CUIABÁ-MT: um estímulo à Economia Ecológica. Revista De Estudos Sociais, 22(44), 115-145. https://doi.org/10.19093/8580

Edição

Seção

Artigos