Poulantzas, o Estado e O Conceito de Hegemonia.

Autores

  • Vinícios Eduardo Ferrari

Resumo

O intento primordial deste artigo consiste na análise das concepções de Nicos Poulantzas a respeito do Estado Capitalista presentes nas obras Poder Político e Classes Sociais, e O Estado, O Poder, o Socialismo. O primeiro livro foi fortemente influenciado pelo estruturalismo althusseriano. O Estado é concebido como uma estrutura regional do Modo Capitalista de Produção destinada a constituir o fator de coesão dos diversos níveis de uma formação social. Nas obras subsequentes, Poulantzas rompe com o marxismo estruturalista. Em O Estado, O Poder, o Socialismo, o Estado é descrito como a condensação material de uma relação de forças entre as classes e frações da sociedade, portanto, a cristalização de uma relação social. É possível observar nesta segunda obra uma tentativa de aproximação em relação ao pensamento gramsciano. Poulantzas passa a reconhecer a necessidade de concessões materiais estatais a favor das classes dominadas. Estas concessões são consideradas fundamentais para a construção do consenso popular, elemento, por sua vez, crucial para a instauração da hegemonia de uma classe social.PALAVRAS CHAVES: Poulantzas. O Poder, Conceito de Hegemonia.

Downloads

Publicado

2014-08-11

Como Citar

Ferrari, V. E. (2014). Poulantzas, o Estado e O Conceito de Hegemonia. Revista De Estudos Sociais, 14(28), 53-74. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/res/article/view/1830

Edição

Seção

Artigos