O eu e o outro e o que conta como humano: o desejo pelo reconhecimento e pela eliminação das diferenças

Autores

DOI:

10.31560/2595-3206.2020.12.10845

Resumo

O presente ensaio faz um exercício de reflexão sobre a construção das identidades e diferenças, problematizando como o eu se constrói a partir de um outro e o que ocorre quando no processo de formação do sujeito há um desejo não de reconhecimento, mas de eliminação do outro. Em seguida, apresenta brevemente as noções de estigma, anormalidade e a noção de abjeção como forma de compreender os processos de negação e não reconhecimento de sujeitos, bem como aborda a luta por reconhecimento empreendida por sujeitos historicamente construídos como outros. Por fim, é feita uma reflexão sobre as políticas de eliminação do outro, trazendo o conceito de necrobiopoder para argumentar de que o Estado e a sociedade põe em ação técnicas de fazer viver, fazer morrer e fazer matar a própria população, essas duas últimas, em especial, direcionadas a sujeitos tidos como subalternos, abjetos, estigmatizados, monstros e anormais. Os debates suscitados apontam para a necessidade de questionar sobre qual o lugar que a diferença e o(s) outro(s) ocupam nas relações sociais e o que conta ou pode contar como humano em nossa sociedade.

Biografia do Autor

Cleverson de Oliveira Domingos, Mestrando em Educação, Universidade de Brasília

Licenciado em Pedagogia, História e Artes Visuais. Especialista em Gênero e Diversidade na Escola pela Universidade Federal de Goiás. Mestrando em Educação pela Universidade de Brasília. Professor da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Referências

BENTO, Berenice. Necrobiopoder: quem pode habitar o Estado-nação? Cad. Pagu, Campinas, n. 53, e185305, 2018.

______. O que pode uma teoria? Estudos transviados e a despatologização das identidades trans. Revista Florestan, São Carlos, ano 1, n. 2, p. 46-66, 2014.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética, São Paulo: Autêntica, 2015.

______. Fundamentos contingentes: feminismo e a questão do pós modernismo. Cadernos Pagu (11),1998.

______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BUTLER, Judith. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Entrevista concedida a Baukjer Prins & Irene Meijer. Estudos Feministas, n. 1,p. 155-166

PRINS, Baukje; MEIJER, Irene Costera. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, 2002.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Em defesa da sociedade. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

______. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HEGEL, Gerog Wilhelm Friedrich. Fenomenologia do Espírito. Petrópolis: Vozes, 1992.

HONNETH, Axel. A luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo, Editora 34, 2003.

KRISTEVA, Julia. Approaching Abjection. In: _____. Powers of horror: an essay on abjection. New York: Columbia University Press, 1982, p. 1–31.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: ______ (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

______. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, [S.l.], n. 32, mar. 2017. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169>. Acesso em: 23 jan. 2019.

MISKOLCI, Richard. Do desvio às diferenças. Teoria & Pesquisa. jul/dez, 2005.

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SANTOS, Matheus Araujo dos. Abjeto em disputa: dissidências ou não entre Bataille, Kristeva e Butler. In: COLLING, Leandro; THÜRLER, Djalma (Orgs.). Estudos e políticas do CUS – Grupo de Pesquisa Cultura e Sexualidade. Salvador: Edufba, 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Pedagogia como diferença. In: ______. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SPARGO, Tamsin. Foucault e a teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Edição

Seção

Dossiê Temático: Políticas de extermínio - transfobia, homofobia e feminicídio