A classe nos une e a sexualidade nos divide? A noção de sujeito no marxismo e nos movimentos queer

Autores

DOI:

10.31560/2595-3206.2020.10.10686

Resumo

Uma parte do pensamento marxista brasileiro ainda permanece, no momento contemporâneo, desvalorizando o debate em todos das identidades e tratando-as como uma preocupação “meramente cultural” (como criticou Judith Butler) e como algo que atrapalharia a luta da classe trabalhadora. Do outro lado, temos movimentos sociais da diversidade sexual e de gênero que reivindicam reconhecimento identitário através de pautas como a da representatividade nos meios de comunicação, o que, em certo sentido, pode ser capturado pela lógica da individualização radical na qual o que importa é a afirmação pessoal da expressão do gênero e da sexualidade. Se o economicismo de uma parcela do marxismo já foi amplamente criticado e precisa de uma vez por todas ser superado, também é preciso encontrar saídas para que a pauta da diversidade sexual e de gênero seja sempre anticapitalista e contrária à captura neoliberal que reconhece as identidades mas não busca superar as desigualdades econômicas. No campo filosófico, temos ainda e aparentemente a noção de que o sujeito do marxismo seria inconciliável com o sujeito da teoria queer, esta que vem se firmando talvez como a principal teoria de sexualidade no Brasil contemporâneo. A intenção desse texto é refletir sobre esses paradoxos teóricos, éticos e políticos, buscando diálogos entre o pensamento marxiano original e o que experimentam os movimentos políticos da diversidade sexual e de gênero vinculados ao campo teórico e político queer, entendendo que o materialismo-histórico fala sobre a existência humana na sua totalidade e tendo o horizonte de uma sociedade amplamente livre, de superação de toda dominação e exploração humana.

Biografia do Autor

Guilherme Gomes Ferreira, Ativista na ONG SOMOS - Comunicação, Saúde e Sexualidade

Assistente Social, Mestre e Doutor em Serviço Social. Ativista na ONG SOMOS - Comunicação, Saúde e Sexualidade. Membro do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura. Tem interesse pelas áreas de gênero e sexualidade, justiça criminal, prisões, marxismo, e movimentos sociais.

Referências

ARUZZA, Cinzia. Rumo a uma “união queer” de marxismo e feminismo? Lutas Sociais, São Paulo, n. 27, pp. 159-171, ago./dez. 2011.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre filosofia da história. In: KOTHE, Flávio R.

(Org.). Sociologia. São Paulo: Ática, 1985.

BUTLER, Judith. Merely cultural. Social Text, Durham, Carolina do Norte, v. 15, n. 3-4, pp. 265-277, 1997.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do “pós-modernismo”. Cadernos Pagu, Campinas, v. 11, pp. 11-42, jan. 1998.

COLLING, Leandro. O que a política trans do Equador tem a nos ensinar? In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 10: diásporas, diversidades, deslocamentos, 2010, Florianópolis. Anais eletrônicos. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2010, pp. 1-10.

Engels, Friedrich. Carta de Friedrich Engels a Conrad Schmidt [5 de agosto de 1890]. Publicado pela primeira vez na íntegra na Sozialistische Monatshefte n. 18-19, 1920. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/marx/1890/08/05.htm>. Acesso em: 21 jun. 2020.

FERNANDES, Idilia. O lugar da identidade e das diferenças nas relações sociais. Textos & Contextos (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 6, n. 2, pp. 1-12, ago./dez. 2006.

FRASER, Nancy. Heterosexism, misrecognition, and capitalism: a response to Judith Butler. Social Text, Durham, Carolina do Norte , v. 15, n. 3-4, pp. 279-289, 1997.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14-15, pp. 231-239, 2006.

FROMM, Erich. Conceito marxista de homem. 8. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, pp. 541-553, 2001.

MARX, Karl. O capital, tomo I. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996.

MARX, Karl. Sobre a questão judaica. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MILARÉ, Jéssica. A discussão não é a política da identidade: por um marxismo mais amplo. Temas de Marxismo e Ciência. Blog Esquerda Online. Disponível em: <https://blog.esquerdaonline.com/?p=8127>. Acesso em: 21 jun. 2020.

MIRANDA, Gutemberg da Silva. A utopia do sujeito nos Manuscritos econômico-filosóficos: um estudo sobre a dialética marxiana da subjetividade. Dissertação de Mestrado em Filosofia, Universidade Federal de Pernambuco, 2007.

MISKOLCI, Richard. A teoria queer e a sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n. 21, pp. 150-182, 2009.

PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, pp. 11-20, jan./abr. 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Teoria Social Crítica e LGBTI