De Criança Viada a Procurador de Estado: a trajetória de vida de um corpo desobediente no Sistema de Justiça brasileiro

Autores

  • Igor Veloso Ribeiro Procuradoria Geral do Estado de Rondônia (PGE/RO)

Resumo

O objetivo deste artigo é lançar o olhar sobre a diferença sexual/identitária humana, por meio do relato pessoal e da análise da minha trajetória de vida desde criança, perpassando pelas minhas estratégias positivas e trajetórias de vida como um corpo desobediente ao padrão heteronormativo para inserção como Procurador de Estado no Sistema de Justiça brasileiro, até os dias atuais. Nesse contexto, importante discorrer sobre as vulnerabilidades, os apagamentos e as estratégias de sobrevivência por mim vivenciadas, para em seguida agregar durante este percurso o campo de discussão sobre os direitos humanos, estudos sobre a sexualidade e gênero. Por isso também a justificativa de desenvolver o texto em formato de artigo com referencial bibliográfico, mas sem se desvencilhar da autoetnografia como procedimento metodológico. Para este exercício recorri aos estudos afeitos à colonialidade e à teoria queer, porque me reposicionam epistemologicamente conferindo a mim o cabedal teórico-político de um devir subversivo e provocador para sustentar a apresentação das minhas experiências pessoais como reflexo de uma dissidência empírica/social/afetiva em um ambiente institucional padronizado, masculinizado e de autoridade.

Biografia do Autor

Igor Veloso Ribeiro, Procuradoria Geral do Estado de Rondônia (PGE/RO)

Procurador do Estado de Rondônia (PGE/RO), advogado e ativista LGBTQI+. Mestre  em Direitos Humanos e Desenvolvimento da Justiça pela Universidade Federal de Rondônia (DHJUS/Unir/Emeron). Cursando Master in Business Administration em Parcerias Público-Privadas e Concessões na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Pós-graduado lato sensu em Direito Público pelo Centro Unificado de Teresina (CEUT). Bacharel em Direito pelo Instituto Camilo Filho (ICF). Membro Titular da Câmara Técnica de Direito Sanitário do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CTDS/Conass). Vice-Líder Grupo de Pesquisa Ativista Audre Lorde da Universidade Federal de Rondônia (GPAAL/Unir). Comissão de Diversidade Sexual e Gênero da Ordem dos Advogados do Brasil - seccional Rondônia (CDSG/OAB-RO). Porto Velho, Rondônia, Amazônia Ocidental, Brasil. E-mail: igorvelosor@gmail.com. OrcID: https://orcid.org/0000-0003-0687-8650

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. Tradução Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CORNEJO, Giancarlo. A guerra declarada contra o menino afeminado., In: MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012 (p. 73-82).

FERNANDES, Estêvão Rafael; RIBEIRO, Igor Veloso. A invalidade da Reputação Ilibada e da Idoneidade Moral: reflexões decoloniais. Quaestio Iuris. Rio de Janeiro: UERJ, v. 11, n. 04, p. 3128-3141, 2018. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/quaestioiuris/article/view/38049. Acesso em: 27 de abril 2020.

GREEN, James Naylor. Além do carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922016000100025&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 de abril de 2020.

PRECIADO, Paul B. (Beatriz). Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. Tradução Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1Edições, 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 3 ed. rev. amp. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2018.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas. Florianópolis, UFSC, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755/28577. Acesso em: 26 de abril de 2019.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais obscuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 32, n. 94, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092017000200507&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 27 de abril de 2020.

MISKOLCI. Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. Seguindo os passos "delicados" de gays afeminados, viados e bichas pretas no Brasil. In: CAETANO, Márcio; SILVA JUNIOR, Paulo Megaço da (Coord.) De guri a cabra-macho: masculinidades no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2018, p. 127 - 145.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu. Campinas: Unicamp, n. 28, p. 19-54, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/03.pdf. Acesso em: 27 de abril 2020.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações