Reminiscências da infância viada: ensaio sobre o controle escolar da (homos)sexualidade

Autores

  • João Gomes Junior Pesquisador do Laboratório de Estudos de Gênero, Sexualidades e Educação (LEGESEX), da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, campus de Nova Iguaçu - Instituto Multidisciplinar.

Resumo

A proposta deste artigo com caráter ensaístico é ser uma auto etnografia, uma reconstrução das reminiscências da minha “infância viada” como meio de compreender o controle escolar sobre a (homos)sexualidade. Objetivo neste texto, dessa forma, apresentar em um primeiro momento um panorama histórico sobre a normatização da sexualidade infantil e a escola como espaço de controle das mesmas no Brasil, e em seguida fazer uma crítica, a partir da minha experiência pessoal quando criança, das forças que atuam de forma excludente, colonizadora e subalternizante nos colégios.

Biografia do Autor

João Gomes Junior, Pesquisador do Laboratório de Estudos de Gênero, Sexualidades e Educação (LEGESEX), da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, campus de Nova Iguaçu - Instituto Multidisciplinar.

Professor, historiador, poeta e militante LGBTI+. Mestrando em Sociologia e Antropologia (UFRJ), pós-graduando em Estudos Linguísticos e Literários (IFRJ – Nilópolis), mestre em História Social (UFF), licenciado em História (UFRRJ). Pesquisador do Laboratório de Estudos de Gêneros, Educação e Sexualidades (LEGESEX) da UFRRJ, em Nova Iguaçu, e do Laboratório Cidade e Poder (LCP), da UFF, em Niterói, ambos no Rio de Janeiro. E-mail: jaumgomesjr@gmail.com.

Referências

AGAMBEM, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2. ed. Tradução: Dora Flaksman. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

BRASIL. Decreto 17.943 de 12 de outubro de 1927, promulgado pelo presidente da República Washington Luiz. Código de Menores. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1910-1929/D17943A.htm Acesso em 10 de março de 2020.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 15. ed. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CASSAL, Luan Carpes Barros; CHIARADIA, Cristiana de França. Sexualidade, brincadeira e escola no processo de normalização da infância. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, mar. – jun. de 2017, p. 59- 76.

COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment. Nova York: Routledge, 2000.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. 2. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983. (Biblioteca de Filosofia e história das ciências; v. n. 5)

FERRAZ DE MACEDO, Francisco. Da prostituição em geral, e em particular à cidade do Rio de Janeiro: prophylaxia da syphilis. Rio de Janeiro, Typographia Academica, 1872. Acervo da BNRJ.

FIGARI, Carlos. @s outr@s cariocas: interpelações, experiências e identidades homoeróticas no Rio de Janeiro: séculos XVII ao XX. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2007.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. 41. ed. Rio de Janeiro, Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

_____. Nascimento da biopolítica – curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GREEN, James; POLITO, Ronaldo. Frescos trópicos: fontes sobre a homossexualidade masculina no Brasil (1870-1980). Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

HILÁRIO, Rosangela; JUNIOR, João Gomes. Raça, gênero e sexualidades no espaço escolar: relato sobre processos de formação e exclusão de estudantes a partir de uma oficina didática. In JÚNIOR, Jonas Alves da Silva; SALES, Sandra Regina; SILVA, Tiago Dionísio da (org.) Direitos Humanos na Educação Básica: diálogos e interseccionalidades. Curitiba: CRV, 2019, p. 56-66.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Pedagogia do Armário: a normatividade em ação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, jul. – dez. de 2013, p. 481-498.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. 5. reimp. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

LEMOS, Cleide de Oliveira. Crianças e adolescentes: a constituição de novos sujeitos de direitos. Constituição de 1988: o Brasil 20 anos depois – os cidadãos na Carta Cidadã, Vol. V. Brasília: Senado Federal, 2013. Disponível em https://www12.senado.leg.br/ecidadania/documentos/anexos/arquivos-antigos/criancas-e-adolescentes-a-constituicao-de-novos-sujeitos-de-direitos-por-cleide-de-oliveira-lemos/view Acesso em 26 de abril de 2020.

LUGONES, María. Colonialidad y género. Revista Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, jul.-dez. 2008, p. 73-101.

MARTINS, Georgina da Costa. O menino que brincava de ser. São Paulo: DCL, 2000.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de letras da UFF – Dossiê Literatura, língua e identidade, Niterói, n. 34, 2008, p. 287-324.

NEDER, Gizlene. Discurso jurídico e ordem burguesa no Brasil: criminalidade, justiça e constituição do mercado de trabalho (1890-1927). 2. ed. Rio de Janeiro, Niterói: EdUFF, 2012.

OLIVEIRA, Márcia Gomes de. Gênero, Família e Literatura Infantil: Homoafetividade em “O Menino Que Brincava De Ser”, de Georgina da Costa Martins. REBEH – Revista Brasileira de Estudos da Homocultura. Vol. 02, N. 04, Out. - Dez., 2019, p. 34-47.

PRECIADO, Paul B. Quem defende a criança queer? Revista Geni, sem páginas, 2013. Disponível em https://revistageni.org/10/quem-defende-a-crianca-queer/. Acesso em 27 de abril de 2020.

PIRES DE ALMEIDA, José Ricardo. Homossexualismo (a libertinagem no Rio de Janeiro); estudo sobre as perversões e inversões do instinto genital. Rio de Janeiro: Laemmert e C., 1906. Acervo da BNRJ.

POMPÉIA, Raul. O Ateneu. São Paulo: Editora Três, 1973. Edição original de 1888.

RIBEIRO, Leonídio. Homossexualismo e endocrinologia. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1938. Acervo da BNRJ.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

VALENTIN, Leandro Henrique Aparecido. Representações da homossexualidade nos romances O Ateneu, de Raul Pompéia, e O Cortiço, de Aluísio Azevedo. Revista Rascunhos Culturais. Coxim, Mato Grosso do Sul: v. 4, n. 8, jul./dez. 2013.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações