GARANTIA DE DIREITO: ENFRENTAMENTO E RISCO PSICOSSOCIAL NA VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTIL

Autores

Palavras-chave:

Criança, Violência sexual, Risco psicossocial familiar,

Resumo

Este trabalho investigou o contexto psicossocial familiar e as estratégias de enfrentamento de crianças vítimas de violência sexual atendidas em uma unidade de saúde pública na cidade de Cuiabá-MT. Participaram 13 crianças (10 meninas), com idade média de 7 anos, com suspeita de abuso e seus responsáveis. Avaliou-se as estratégias de enfrentamento (coping) das crianças e o contexto psicossocial familiar. Nas estratégias de enfrentamento, observou-se maior uso do coping positivo (0,88), principalmente na estratégia de suporte social (0,92) e regulação emocional (1,0). No risco psicossocial familiar verificou-se presença de perfil “Alvo” (n=8). Embora as crianças utilizem mais estratégias de coping positivo, as famílias necessitam de suporte social e intervenção voltada para qualidade de vida, de modo a garantir os direitos dessa população.

Biografia do Autor

Amanda Morales TREVISAN, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduanda em Psicologia - Universidade Federal de Mato Grsso

Andressa Bruceze MARTINS, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduanda em Psicologia - Universidade Federal de Mato Grosso

Tatiane Lebre DIAS, Universidade Federal de Mato Grosso

Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso. Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

ABEP, AB de E. de P. Critério Brasil 2015 e atualização da distribuição de classes para 2016. 2016. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil

AMAZARRAY, M. R.; KOLLER, S. H. Alguns aspectos observados no desenvolvimento de crianças vítimas de abuso sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica. Porto Alegre. Vol. 11, n. 3, p. 559-578, 1998.

ARAUJO, M. D. F. Violência e abuso sexual na família. Psicologia em estudo, 3-11, 2002.

ARRUDA, T. F. P.; FREITAS, L. O. Violência sexual contra crianças e adolescentes em Mato Grosso: uma análise crítica sobre o processo de constituição dos direitos em 20 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente. Connectionline, n. 6, 2014.

BORGES, J. L.; DELL’AGLIO, D. D. Relações entre abuso sexual na infância, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e prejuízos cognitivos. Psicologia em Estudo. Maringá. Vol. 13, n. 2 (abr./jun. 2008), p. 371-379, 2008.

BRASIL. Ministério dos Direitos Humanos, Balanço Geral Disque 100. 2017. Disponível em: http://www.mdh.gov.br/disque100/balanco-2017-1

BRASIL. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica (No. 6) (3ª ed.). Ministério da Saúde. 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prevencao_agravo_violencia_sexual_mulheres_3ed.pdf

BRASIL, Lei Nº 13.431, de 4 de abril de 2017. Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 -Estatuto da Criança e do Adolescente. 2017. Brasília – DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13431.htm

BRASIL, Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente (1990). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm

BRASIL. Centro de Referência Técnica de Psicologia e Políticas Públicas & Conselho Federal de Psicologia. Serviço de proteção social a crianças e adolescentes vítimas de violência, abuso e exploração sexual e suas famílias: referências para atuação do psicólogo. 2009. Brasília.

CARDOSO, C. M. P. Estratégias de coping, bem-estar e adaptação nas crianças e adolescentes com cancro: estudo exploratório. Tese de Doutorado. 2010
COGO, K. S. et al. Consequências psicológicas do abuso sexual infantil. Unoesc & Ciência-ACHS, v. 2, n. 2, p. 130-139, 2012.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Combater abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. 2017. Disponível em: http://site.cfp.org.br/18-de-maio-e-dia-nacional-de-combate-ao-abuso-e-exploracao-sexual-de-criancas-e-adolescentes/

COUCEIRO, A. G. D. A avaliação das estratégias de coping nas crianças e adolescentes: questões desenvolvimentistas. Tese de Doutorado. 2008.

GAVA, L. L.; DA SILVA, D. G.; DELL’AGLIO, D. D. Sintomas e quadros psicopatológicos identificados nas perícias em situações de abuso sexual infanto-juvenil. Psico, v. 44, n. 2, p. 9, 2013.

HABIGZANG, L. F. et al. Abuso sexual infantil e dinâmica familiar: aspectos observados em processos jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília. v. 21, n. 3 (set./dez), p. 341-348, 2005

HABIGZANG, L. F. et al. Avaliação psicológica em casos de abuso sexual na infância e adolescência. Psicologia: reflexão e crítica. Porto Alegre. Vol. 21, n. 2, (maio/ago. 2008), p. 338-344, 2008.

HABIGZANG, L. F. et al. Fatores de risco e proteção na rede de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicologia: reflexão e crítica. Porto Alegre. Vol. 19, n. 3 (2006), p. 379-386., 2006.

HOHENDORFF, J. V; HABIGZANG, L. F.; KOLLER, S. H. Violência sexual contra meninos: teoria e intervenção. Curitiba: Juruá, 2014.

LAZARUS, R. S.; FOLKMAN, S. Coping and adaptation. The handbook of behavioral medicine, v. 282325, 1984.
LIMA, A. S. Avaliação de estratégias de coping em crianças com cancro: estudo exploratório. 2009. Tese de Doutorado.

MAIA, J. M. D.; WILLIAMS, L. C. A. Fatores de risco e fatores de proteção ao desenvolvimento infantil: uma revisão da área. Temas em psicologia, v. 13, n. 2, p. 91-103, 2005.

MONTEIRO, B. C. Transtorno de estresse pós-traumático: uma consequência da violência sexual na infância. 2015. Monografia (Especialização) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais da saúde. 2002. Brasília -DF, Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/notificacao_maustratos_criancas_adolescentes.pdf> Acesso em: 24 fev. 2018

PAI, A. L. H.; et al. The Psychosocial Asseessment Tool (PAT2.0): Psychometric Properties of a Screener for Psychosocial Distress in Families of Children Newly Diagnosed with Cancer. Journal of Pediatric Psychology, Pennsylvania, v. 33, n. 1, p. 50-62, 2008.

RABELLO, E. T.; PASSOS, J. S. Vygotsky e o desenvolvimento humano. v.5, 2013. Disponível em: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/38699285/desenvolvimento_humano.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1520047334&Signature=zDlzZn25rDcLEnJR1zzfKheAbE4%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DVygotsky_e_o_desenvolvimento_humano.pdf

RAMOS, F. P.; ENUMO, S. R. F.; DE PAULA, K. M. P. Teoria Motivacional do Coping: uma proposta desenvolvimentista de análise do enfrentamento do estresse. Estudos de Psicologia, v. 32, n. 2, p. 269-279, 2015.
ROSSETTI-FERREIRA, M. C.; AMORIM, K. S.; SILVA, A. P. S. Uma perspectiva teórico-metodológica para análise do desenvolvimento humano e do processo de investigação. Red Anais da Academia Brasileira de Ciências, 2000.

SAPIENZA, G.; PEDROMÔNICO, M. R. M. Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicologia em estudo, 2005.

SANTOS, S. S.; DELL’AGLIO, D. D. Quando o silêncio é rompido: o processo de revelação e notificação de abuso sexual infantil. Psicologia & Sociedade. São Paulo. Vol. 22, n. 2 (maio/ago. 2010), p. 328-335., 2010.

STRAUB, R. O. Psicologia da saúde: uma abordagem biopsicossocial. Artmed Editora, 2014.

SIERRA, V. M.; MESQUITA, W. A. Vulnerabilidades e fatores de risco na vida de crianças e adolescentes. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 1, p. 148-155, 2006

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. International society for prevention of child abuse and neglect. Preventing child maltreatment: a guide to taking action and generating evidence, p. 7-10, 2006.
Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/43499/1/
9241594365_eng.pdf

Downloads

Publicado

2019-07-15