UM OLHAR SOBRE O TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Autores

  • Thiago Rodrigues Barbosa UNIC E PUC-MG

Palavras-chave:

Direito do Trabalho, Proteção Trabalhista, Criança e Adolescente, Politica Social.

Resumo

Objeto: A erradicação do trabalho infantil na zona rural não depende apenas do rigor normativo, pois a simples existência da norma não garante sua eficácia e efetividade no combate à exploração de mão de obra infanto-juvenil no contexto da agricultura familiar. A eficácia, que é em última análise a realização dos ditames jurídicos objetivados pelo legislador e a efetividade, que é a realização do direito desempenhando sua função social, dependem do ajustamento da norma às peculiaridades daqueles a quem se destinam. Metodologia: Para a análise cientifica do tema em questão fora utilizado o método de revisão bibliográfica. Objetivo: Salientar que diante deste quadro exploratório, as políticas sociais não devem ter apenas caráter de assistencialismo, mas devem, em última análise, promover reconhecimento da dívida social e dos direitos constitucionais dos cidadãos, objetivando não a perpetuação do clientelismo, mas a erradicação da pobreza e a redução das desigualdades sociais. Neste sentido, é preciso desenvolver programas de médio e longo prazo que possam atingir estes fins. Conclusão: vê-se a necessidade da criação de políticas públicas para o desenvolvimento e crescimento econômico que proporcionem condições de melhor remuneração ao trabalhador rural: incentivo à criação de escolas agrícolas para proporcionar a profissionalização do adolescente trabalhador rural; incentivo a atividades que possam ser desenvolvidas pela mãe, sem a necessidade de ausentar-se da casa, com a finalidade de melhorar a renda familiar, como por exemplo, a cultura comunitária de produtos horti-fruti-granjeiros orgânicos e, em longo prazo, a criação de políticas sociais que valorizem o trabalhador rural, objetivando fixá-lo à terra, como por exemplo a implementação de uma reforma agrária de forma séria e responsável, que não tenha apenas a finalidade de distribuir a terra, mas sim de proporcionar ao trabalhador rural a possibilidade de poder sustentar de forma digna a sua família.

Biografia do Autor

Thiago Rodrigues Barbosa, UNIC E PUC-MG

ADVOGADO ESPECIALISTA EM DIREITO DO TRABALHO E PREVIDENCIÁRIO

Referências

ANDRADE, Dárcio Guimarães de. Regime de economia familiar. Disponível em <http://www.mg.trt.gov.br>. Acesso em 7 de jan. 2017.

BRASIL. Constituição Federal do Brasil. 31ª ed. São Paulo: LTr, 2011.

________. Consolidação das Leis do Trabalho. 29ª ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

DE PLACIDO e Silva. Vocabulário jurídico, 19ª ed. Rio de Janeiro: Forense - atualizadores – Nagib Slaibi Filho e Geraldo Magela Alves, 2002.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito. 5ª ed. São Paulo: Atlas,2007. Apud, DINIZ, Maria Helena. Compêndio de Introdução à Ciência do Direito. São Paulo: Saraiva, 1998.

GOMES, Orlando e GOTTSCHALK, Élson. Curso de direito do trabalho, 16ª ed. revista e atualizada, por José Augusto Rodrigues Pinto. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

MARTINS. Adalberto. A proteção constitucional ao trabalho de crianças e adolescentes. São Paulo: LTR, 2002.

MARTINS, Sergio Pinto. Direito do trabalho. 16ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MINISTÉRIO PÚBLICO. Regulamentação da lei do estágio. Disponível em <http://www.coep.org.br/decreto87497.mun>. Acesso em 10 de jan. 2017.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO. Combate à Exploração do Trabalho Infantil e Proteção ao Trabalho do Adolescente. Disponível em <http://www.pgt.mpt.br/trabinfantil/modelo.num>.Acesso em 15 de fev. de 2017.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. 36ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de direito do trabalho. 16ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Estatuto da criança e do adolescente – comentado, 3ª ed. São Paulo: Saraiva, 1996.

REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. 27ª ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

ROMITA, Arion Saião. O novo regime da aprendizagem. Revista LTr, ano 65 – nº 12 – Dez/2001. 65-12.

SÜSSEKIND, Arnaldo. Convenções da OI. 2ª ed. São Paulo: LTr, 1998.

SÜSSEKIND, Arnaldo, MARANHÃO, Délio, Segadas Viana e Lima Teixeira, vol I e II. Instituições de direito do trabalho, 18ª ed. São Paulo: Ltr, 1999.

Downloads

Publicado

2019-01-02