ANAMORFOSE E O SUJEITO IMIGRANTE: usos do conceito na compreensão das (de)formações identitárias

Autores

  • Diane Portugueis Doutoranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo / PUC-SP. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do
  • Carolina Mirabeli Sanches Leite Cardoso Mestranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo / PUC-SP.

Palavras-chave:

Anamorfose. Identidades. Imigração.

Resumo

As ideias a serem desenvolvidas baseiam-se no estudo de Juracy Armando Mariano de Almeida (2005) intitulado: “Sobre a anamorfose: identidade e emancipação na velhice”.  Propõe-se relacionar suas proposições com a constituição das identidades de imigrantes, tomando-se a imigração como problemática que decorre no trânsito entre sociedades e que suscita transformações sucessivas, tanto naqueles envolvidos diretamente com o movimento migratório, como também para o entorno social. Almeida propõe uma exploração teórica do uso da noção de anamorfose nos estudos de identidade humana. Realiza para tanto, analogias do modo como esta noção é usada nas artes. A anamorfose é trabalhada pelo autor como lente para o estudo dos fenômenos de dominação e exclusão social que recaem sobre as chamadas minorias sociais- afetando os modos como suas identidades são construídas. (ALMEIDA, 2005, s/p). A anamorfose propõe uma nova proporcionalidade de visão da vida, como uma reiteração de formas de acordo com o olhar do expectador e também do lugar de onde se olha. Supõe um novo olhar da mesma forma que, também, uma deformação deste. Modos de olhar são culturais. Para olhar o mundo, o sujeito deve posicionar-se corretamente (lê-se de acordo com regras e normas sociais) e o papel da anamorfose aqui “está ligado ao modo peculiar de sentir e se relacionar com o mundo, de olhar e de saber.” (FLORES, 2007, p. 134). Nesta perspectiva, sugere-se que o imigrante só tenha existência na sociedade em função do trabalho, ou seja, é concebido ao trabalho de modo indissociado. Aqui, anamorfose clara de seus projetos e de suas identidades. 

 

Biografia do Autor

Diane Portugueis, Doutoranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo / PUC-SP.

Doutoranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo / PUC-SP.

Carolina Mirabeli Sanches Leite Cardoso, Mestranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo / PUC-SP.

Mestranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo / PUC-SP.

Referências

ALMEIDA, J.A.M. Sobre a anamorfose: identidade e emancipação na velhice. Doutorado em Psicologia Social (tese). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2005.

APPADURAI, A. O medo ao Pequeno número. Ensaio sobre a geografia da raiva. São Paulo: Iluminuras/ Itaú Cultural, 2009.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura (3 vols.). O poder da identidade, vol. II. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CIAMPA, A.C. Políticas de identidade e identidades políticas. In: DUNKER, Christian Ingo Lenz, PASSOS, Maria Consuêlo (Orgs.). Uma psicologia que se interroga: ensaios. São Paulo: Edicon, 2002.

CLAVAL, P. História da Geografia. (Trad.) José Braga Costa, Lisboa: Edições 70, 2006.

DUBAR, C. A crise das identidades. A interpretação de uma mutação. (Trad.) Mary Amazonas Leite de Barros, São Paulo: Edusp, 2009.

ESCOSTEGUY, A.C. Estudos Culturais: uma introdução. In: SILVA, T. T. (org.). O que é, afinal, Estudos Culturais? 3ª. ed. Belo Horizonte: Autentica, 2004.

FLORES, C. Olhar, saber, representar. Sobre a representação em perspectiva. São Paulo: Musa Editora, 2007.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GOFFMAN, E. Estigma: Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, 1988 [1975].

HAESBAERT, R. Da desterritorialização à multiterritorialidade. Anais do X encontro de Geografia da América Latina, USP, São Paulo, 2005.

LANE, S. T. M, CODO, W (orgs.). Psicologia Social o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1999 [1984].

LIMA, A.F. Da produção do não existente ao reconhecimento perverso: uma discussão sobre a persistência da racionalidade instrumental (politicamente correta) e a utopia do reconhecimento pós-convencional. Anais XVI Encontro Nacional da ABRAPSO, Maceió, 2009.

________, A. F. Metamorfose, anamorfose e reconhecimento perverso. A identidade na perspectiva da Psicologia Social Crítica. São Paulo: Educ-Fapesp, 2010.

PATARRA, N. L. Migrações internacionais: teorias, políticas e movimentos sociais. Estudos Avançados. 20 (57), 2006.

PORTUGUEIS, D. Quem somos nós, descendentes? Da História à socialização na constituição de identidades “teuto-brasileiras”. Mestrado em Psicologia Social. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2013.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. 13ª ed., São Paulo: Cortez, 2010.

SAYAD, A. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, 1998 [1991].

Downloads

Publicado

2016-01-02