TRABALHO DOCENTE CERCADO POR CIRCUNSTÂNCIAS QUE SÃO FONTES DE ADOECIMENTO

Autores

  • Paula Adriana de Matos Freitas Mestranda no Programa de Pós Graduação em Política Social da Universidade Federal de Mato Grosso. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do
  • Marluce Souza e Silva Docente no Curso de Graduação em Serviço Social e no Programa de Pós Graduação em Política Social da Universidade Federal de Mato Grosso; Graduada em Serviço Social e em Direito (UFU), com mestrado e doutorado em Política Social pela Universidade de Brasília – UnB, atuando como pesquisadora nas seguintes temáticas: Trabalho escravo; Saúde do trabalhador; Previdência Social e Dívida Pública.

Palavras-chave:

Trabalho docente. Adoecimento. Violência.

Resumo

Considerando o atual contexto sócio político brasileiro, este artigo apresenta elementos que permitem refletir sobre o trabalho docente nas instituições federais de ensino e apresenta fundamentos teóricos e empíricos que confirmam a hipótese de que os servidores públicos da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT atravessam período de sofrimento com a sobrecarga de trabalho, com a competitividade vaidosa entre os “pares”, com a desvalorização e a desorganização de suas atividades laborais. A violência estabelecida entre tais trabalhadores é percebida não apenas pelos depoimentos de docentes, mas também pelos registros disponibilizados pela instituição, em sua home page, onde estão relacionados os Processos Administrativos e os Inquéritos Investigativos instaurados para apurar fatos que envolvem servidores e discentes da instituição. Aponta que o Burnout pode ser o responsável pelo processo de adoecimento dos docentes e pelos prejuízos causados ao ensino superior, pois elementos sinalizam para o esgotamento emocional do professor, para a sua despersonalização e, paradoxalmente, para uma sobrecarga horária de trabalho versus baixo envolvimento nas atividades. É inegável a hipótese de que o trabalho docente esta cercado por circunstâncias que são fontes de adoecimento.

 

Biografia do Autor

Paula Adriana de Matos Freitas, Mestranda no Programa de Pós Graduação em Política Social da Universidade Federal de Mato Grosso.

Mestranda no Programa de Pós Graduação em Política Social da Universidade
Federal de Mato Grosso.

Marluce Souza e Silva, Docente no Curso de Graduação em Serviço Social e no Programa de Pós Graduação em Política Social da Universidade Federal de Mato Grosso; Graduada em Serviço Social e em Direito (UFU), com mestrado e doutorado em Política Social pela Universidade de Brasília – UnB, atuando como pesquisadora nas seguintes temáticas: Trabalho escravo; Saúde do trabalhador; Previdência Social e Dívida Pública.

Docente no Curso de Graduação em Serviço Social e no Programa de Pós Graduação em Política Social da Universidade Federal de Mato Grosso; Graduada em Serviço Social e em Direito (UFU), com mestrado e doutorado em Política Social pela Universidade de Brasília – UnB, atuando como esquisadora nas seguintes temáticas:Trabalho escravo; Saúde do trabalhador; Previdência Social e Dívida Pública.

Referências

ABRAMIDES, C. B. M; CABRAL, R. S. D. M. Regime de acumulação flexível e saúde do trabalhador. In: São Paulo em Perspectiva. São Paulo, vol.17 no. 1,  Jan./Mar. 2003. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392003000100002 > Acesso em: 20 nov. 2015.

ARROYO, Miguel. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis/ RJ: Vozes, 2004.

ANDRÉ, Marli. O papel da pesquisa na articulação entre saber e prática docente. ln: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Goiânia: 1994.
BERALDO, Tânia Maria Lima. Formação de docentes que atuam na Educação Superior, In: Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 18, nº 36 jan. abril 2009, EdUFMT, p. 71 a 88.

CODO, W. (Org.). Educação: Carinho e Trabalho. Burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar a falência da educação. Petrópolis: Vozes, 1999.

CUNHA, Maria Isabel (Org.) & Leite Carlinda. Reflexões e Práticas em Pedagogia Universitária. Campinas, SP: Papirus, 2007. Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico.

DOMINGUES JUNIOR, L. R. P. O Processo Saúde – doença no Serviço Público e suas Conseqüências ao Estado, ao cidadão e ao Servidor. In: 3ª. Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador – Coletânea de Texto. 2005, p. 116. Disponível em: < https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwjinsfItdTJAhUMGJAKHRs7CUcQFggcMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.saude.sc.gov.br%2FSaudeTrabalhador%2Fconferencia_estadual%2Ftextos_apoio%2FCaderno_de_Textos_20_06_05_v1.doc&usg=AFQjCNGocuNcW4n0l4Hyl0v3FWEeU0BgOg&sig2=-ww47-dGi4D_UMXp1wTvkg&bvm=bv.109395566,d.Y2I&cad=rja >. Acesso em: 23 set. 2015.

FIDALGO, Fernando; OLIVEIRA, Maria Auxiliadora M; ROCHA, Nara Luciene (orgs). A intensificação do trabalho docente: tecnólogas e produtividade. Campinas, SP: Papirus, 2009.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Só de pensar em vir trabalhar, já fico de mau humor”: atividade de atendimento ao público e prazer-sofrimento no trabalho. In: Estudos de Psicologia 2001, 6(1), 93-104. Universidade de Brasília, 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/epsic/v6n1/5336.pdf >. Acesso em: 20 ago. 2015.

GRANDJEAN, Etienne. Manual de Ergonomia: Adaptando o Trabalho ao Homem. Porto Alegre: Bookman, 1998.

KNAPIK, Janete. Administração Geral e de Recursos Humanos. 2ª ed. Curitiba: IBPEX, 2005.

KUENZER, Acácia Z.; CALDAS, Andrea: Trabalho docente: comprometimento e desistência. In: FIDALGO, Fernando, OLIVEIRA, Maria Auxiliadora M., FIDALGO, Nara Luciene Rocha (Orgs): A Intensificação do Trabalho Docente: tecnologias e produtividades. Campinas, SP: Papirus, 2009.

KUENZER, A. Z. Sob a reestruturação produtiva, enfermeiros, professores e montadores de automóveis se encontram no sofrimento do trabalho. In: Trabalho, educação e saúde. Rio de Janeiro, v.2, n. 1, p. 107-119, mar. 2004.

LESBAUPIN, Ivo. O governo Lula: O governo neoliberal que deu certo? Disponível em:< http://www.gritodosexcluidos.com.br/documentos/20_governoLula_reeleicao.pdf >. Acesso em: 24 jan.2007.

LISBOA, Carla. Reuni expande a precarização nas universidades. GRAEFF, Billy. (depoimento) In: Dossiê Nacional 3 – publicação especial do ANDES – SN, Brasília-DF, 2013, p. 16.

LADEIRA, Bronzo Marcelo. O processo do stress ocupacional e a psicopatologia do trabalho. In: Revista de Administração. São Paulo, v.31, n.1, p. 64-74, jan/mar. 1996.

LEMOS, Denize. Trabalho Docente: Alienação ou Emancipação? In: VI Seminário da Redestrado – Regulação Educacional e Trabalho docente. UERJ – Rio de Janeiro/RJ, 2006.

LIMA, M. A. O mal-estar docente e o trabalho do professor: algumas contribuições da psicanálise. In: PAIVA, E. V. (Org.). Pesquisando a formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2004.

MENDES, Francisco Mário Pereira. Incidência de Burnout em professores das ciências biológicas e da saúde da Universidade Tuiuti do Paraná. Florianópolis, 2002. (Dissertação de mestrado em Engenharia de Produção e Sistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina.

MANCEBO, D. Uma análise da produção escrita sobre o trabalho docente em tempos de globalização. In: MANCEBO, D.; FÁVERO, M. L. DE A. (orgs). Universidade: políticas, avaliação e trabalho docente. São Paulo: Cortez, 2004, p. 235-250.

PERRENOUD, Philippe. La formation des enseignants entre théorie et pratique. Paris: Ed. L Harmattan, 1994.

PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (orgs). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e critica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, Selma Garrido et al (org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 8º. Ed. São Paulo: Cortez, 2012.

NÓVOA, Antonio. (Org.). Profissão professor. 1999. NÓVOA, Antonio. (Org.). Profissão professor. Qual cidade ou país? Editora: Porto, 1999.

ROCHA, Simone Karla. Qualidade de vida no trabalho: um estudo de caso no setor têxtil. Florianópolis, 1998. Disponível em: < http://www.eps.ufsc.br >. Acesso em: 4 fev. 2009.

SANTOS, Boaventura de Souza. A Universidade no Séc. XXI: Para uma Reforma Democrática e Emancipatória da Universidade. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SEVCENKO, N. O professor como corretor. Folha de São Paulo: São Paulo, 4 jun. 2000, Caderno Mais, p. 6-7.

SGUISSARDI. V; JUNIOR. J. D. R. U. Universidade Pública Brasileira no Século XXI Educação superior orientada para o mercado e intensificação do trabalho docente. Espacios en Blanco. Revista de Educación, n. 23, junio, 2013, Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires Buenos Aires, Argentina. Disponível em: < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=384539805007 >. Acesso em: 12 out. 2015.

SILVA, M. A. S. Nem déficit, nem superávit na Seguridade Social: Contra-reforma com retenções, renúncias e suplementações orçamentárias.Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Política Social, Universidade de Brasília, 2008, p. 62-63.

TARDIF. M; LESSARD. C. Trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis/RJ: Vozes, 2005.

THOMAZ JR A. (Org). Geografia e trabalho no século XXI. Presidente Prudente – SP: Centelha, 2002.

Downloads

Publicado

2016-01-02