ASSÉDIO MORAL: ultraje a rigor

Autores

  • Roberto Heloani Professor Titular na Faculdade de Educação e no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas(UNICAMP). Conveniado junto à Université Paris-X-Nanterre, Laboratoire Genre, Travail et Mobilités (GTM) http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do

Palavras-chave:

Assédio moral. Violência. Perversão moral.

Resumo

Resumo: Refletiremos aqui sobre a questão do assédio moral. Fazendo confronto com alguns pesquisadores que o entendem como essencialmente individual, como uma “perversão do ego” no âmbito estritamente psicopatológico, em que se dá um silencioso assassinato psíquico. Entre os mais conhecidos, podemos citar aquela que popularizou o conceito, Marie France Hirigoyen, em sua primeira obra Le harcèlement moral: la violence perverse au quotidien (1998),  embora em sua segunda obra, Malaise dans le travail (2001), essa autora relativize - e muito - a variável pessoal, valorizando os aspectos organizacionais. Não acreditamos nisso. A nossa experiência, de quase dezessete anos de atuação nessa área, nos permite afirmar que a organização do trabalho, “lato sensu”, é a grande responsável pela ocorrência ou não do assédio moral. 

Biografia do Autor

Roberto Heloani, Professor Titular na Faculdade de Educação e no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas(UNICAMP). Conveniado junto à Université Paris-X-Nanterre, Laboratoire Genre, Travail et Mobilités (GTM)

Professor Titular na Faculdade de Educação e no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas(UNICAMP). Conveniado junto à Université Paris-X-Nanterre, Laboratoire Genre, Travail et Mobilités (GTM)

Referências

BRASIL. Código penal. Barueri, SP: Editora Manole, 2006.

BRASIL. Consolidação das leis do trabalho. Barueri, SP: Editora Manole, 2006.
BRASIL. Constituição da república federativa do Brasil de 1988. Barueri, SP: Editora Manole, 2006.

BOBBIO, Norberto. Liberalismo e democracia. São Paulo: Brasiliense, 1993.

DA MATTA, Roberto et al. A violência brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1982.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

FREITAS, Ester; HELOANI, Roberto; BARRETO, Margarida. Assédio moral no trabalho. São Paulo: Editora Cengage Learning, 2008.

FREYRE, Gilberto. Casa – grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

HABERMAS, Jürgen.Teoría de la acción comunicativa: crítica de la razón funcionalista. Madrid: Taurus, 1988. V.II.

HIRIGOYEN, Marie-France. Le harcèlement moral: la violence perverse au quotidien. Paris: Èditions La Découverte et Syros, 1998.

______. Malaise dans le travail. Paris: Éditions La Découvert et Syros, 2001.

LEYMANN, Heins. Mobbing: la persécution au travail. Paris: Le Seuil, 1986.

LUBIT, Roy. O impacto dos gestores narcisistas nas organizações. Revista de Administração de Empresas, v.42, n.3, pp.66-77, jul. set., 2002.

Downloads

Publicado

2016-01-02