VIOLÊNCIA DA INTOLERÂNCIA OU DA INDIFERENÇA? Reflexões sobre violência, migração e adoecimento

Autores

Palavras-chave:

Violência. Intolerância. Individualismo. Migração. Adoecimento.

Resumo

Este artigo reflete sobre a indiferença e a intolerância social, elegendo a relação com o ‘estrangeiro’ e o adoecimento como duas das manifestações de um mesmo fenômeno histórico, cuja centralidade societária promoveu o individualismo como nuclearidade das relações sociais. Neste processo, os indivíduos relativizam, ignoram e/ou fragmentam as macrorrelações (econômicas, sociais e políticas) “explicando” o mundo através do seu mundo, ao invés de compreender esse no contexto daquele. Assim, a dinâmica do capital e as relações que promove, os refugiados, o desemprego, a violência, a solidão, o adoecimento etc. são “tratados” como de naturezas diversas: é problema pessoal,é problema do ‘outro’, ou algo que é passível de tratamento médico. Neste universo fragmentado, estético, volátil e insulado, a violência, a intolerância e/ou a indiferença são as manifestações mais correntes.

 

Biografia do Autor

Alair Silveira, Depto. de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Mato Grosso

Professora do Depto. de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de
Mato Grosso

Referências

BRANCO, Humberto Gimenes. Da Opulência à Falência: Serão precisos genocídios para se declarar a falência de um Estado-nação? Dissertação de Mestrado. Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2006.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social – Uma crônica do salário. Tradução de Iraci D. Poleti. 5ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2005.

_________. El ascenso de las incertidumbres. Trabajo, protecciones, estatuto del individuo.Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2010.

CHESNAIS, François. Et al. Uma nova fase do capitalismo? Tradução de Andréia Galvão e José Marcos Nayme Novelli São Paulo: CEMARX; Ed. Xamã, 2003.

DEBRAY, Régis. O Estado sedutor - As revoluções midiológicas do poder. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Tradução de Luiz Alberto Monjardim. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

FORRESTER, Viviane. O horror econômico. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo/SP: Editora UNESP, 1997.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. v. 3: Maquiavel. Notas sobre o Estado e a Política. Tradução de Luiz Sérgio Henriques; Marco Aurélio Nogueira e Carlos Nelson Coutinho. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

HIRST, Paul. & THOMPSON, Grahame. Globalização em questão – A economia internacional e as possibilidades de governabilidade. Tradução Wanda Caldeira Brant. Petrópolis/RJ: Vozes, 1998.

HOBSBAWN, Eric. Globalização, Democracia e Terrorismo. Tradução de José Viegas. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

______. Tempos fraturados. Cultura e sociedade no século XX. Tradução Berilo Vargas. São Paulo: Cia das Letras, 2013.

IANNI,Octavio. Capitalismo, violência e terrorismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

JUDT, Tony. O mal ronda a terra – Um tratado sobre as insatisfações do presente. Tradução de Celso Nogueira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

MÉSZÁROS,István. A crise estrutural do capital. Tradução Francisco Raul Cornejo et al. 2ª ed. revisada e ampliada. São Paulo: Boitempo, 2011.

RODRIGUES, Paulo de Tarso. Os Estados Colapsados e a Democracia Latino-Americana. O Caso do Brasil. Tangará da Serra/MT: EdUFMT, 2009.

SAFATLE, Vladimir. Amar uma ideia. In: Ocuppy. HARVEY, David et al. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

SILVEIRA, Alair. Estado do Bem Estar Social e Desfiliação Social. Revista Política & Sociedade. V. 12. N. 24. Florianópolis: UFSC, 2013.

VASAPOLLO, Luciano. A Europa do capital – Transformações do trabalho e competição global. Tradução de Maria Jesus de Britto Leite. São Paulo: Xamã, 2004.

Downloads

Publicado

2016-01-02