DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO E IMPACTOS NA SAÚDE DAS TRABALHADORAS: ADOECIMENTO POR LER/DORT

Autores

  • Rodrigo Garcia Schwarz Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC).
  • Candy Florencio Thomé Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região.

Palavras-chave:

Adoecimento. Divisão sexual do trabalho. Doença. Saúde. Trabalho.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo o estudo de revisão bibliográfica sobre a influência da divisão sexual do trabalho no acometimento de LER/DORT nas trabalhadoras. Para isso, discorre acerca das teorias principais sobre a divisão sexual do trabalho, mormente as teorias da divisão sexual do trabalho entre trabalho produtivo e trabalho reprodutivo como dominação e analisa suas consequências na saúde da trabalhadora, mormente nos casos de LER/DORT, em que os índices de mulheres afetadas são maiores que o de homens. 

 

SEXUAL DIVISION OF LABOUR AND IMPACTS ON THE HEALTH OF WORKERS: ILLNESS BY RSI/WMSD 

Abstract:
This article aims to study the literature review on the influence of the sexual division of labour involvement in RSI / WMSD in women workers. For this, talks about the major theories about the sexual division of labour, especially the theories of sexual division of labour between productive and reproductive work as domination and analyses its consequences on the health of the women workers, especially in cases of RSI/WMSD, where the indices of affected women are greater than men.

Keywords:
Disease. Sexual division of labour . Dealth. Illness. Work.

Biografia do Autor

Rodrigo Garcia Schwarz, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC).

Brasileiro e espanhol, RODRIGO GARCIA SCHWARZ é Juiz Titular da 13ª Vara do Trabalho da Zona Sul de São Paulo e Professor Doutor do Programa de Pós-graduação (Mestrado) em Direito da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), Doutor em Direito (Direito do Estado) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Brasil), Doutor em Direito (Direito do Trabalho e da Seguridade Social) pela Universidad de Castilla-La Mancha (Espanha) e Doutor em História (História Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Brasil), com passagens pós-doutorais na rede Fundación Centro Internacional de Educación y Desarrollo Humano (Colômbia), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Brasil) e Universidad de Manizales (Colômbia), na Universidad Nacional de Córdoba (Argentina) e na Universidade de Coimbra (Portugal). Atua na área do Direito, com ênfase em Direitos Fundamentais (Direitos Sociais), em Direito do Trabalho e da Seguridade Social e em História dos Direitos Fundamentais. Tem livros publicados no Brasil, na África do Sul, na Costa Rica, na Espanha, nos Estados Unidos, na Inglaterra e no México. Como Professor Doutor do Programa de Pós-graduação (Mestrado) em Direito da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), desenvolve, na linha de pesquisa Direitos Fundamentais Sociais: Relações de Trabalho e Seguridade Social, em especial, as questões concernentes à liberdade sindical, ao trabalho forçado, ao trabalho infantil e à discriminação em matéria de emprego e ocupação, nos projetos Direito Fundamental ao Trabalho Digno e Mecanismos de Efetivação do Direito Fundamental ao Trabalho Digno.

Candy Florencio Thomé, Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região.

CANDY FLORENCIO THOMÉ é Juíza Titular do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, Doutora em Direito (Direito do Trabalho e da Seguridade Social) pela Universidade de São Paulo, com passagens pós-doutorais na rede Fundación Centro Internacional de Educación y Desarrollo Humano (Colômbia), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Brasil) e Universidad de Manizales (Colômbia), e na Universidad Nacional de Córdoba (Argentina).

Referências

APFELBAUM, Erica. Domination. In: HIRATA, Helena et al. (Coord.). Dictionnaire critique du feminisme. Paris: Presses Universitaires de France, 2000, p. 44-49.

ARAÚJO, Angela Maria Carneiro; OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de. Reestruturação produtiva e saúde no setor metalúrgico: a percepção das trabalhadoras. Sociedade e Estado, Brasília, v. 21, n.1, p. 169-198, jan./abr. 2006.

BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins; CARVALHO, Suzete. A segregação ocupacional da mulher: será a igualdade jurídica suficiente para superá-la? In: ANDREUCCI, Ana Claudia Pompeu Torezan; BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins (orgs.). Mulher, sociedade e direitos humanos. Homenagem à Professora Doutora Esther de Figueiredo Ferraz. São Paulo: Rideel, 2010, p. 179-210.

BLAY, Eva Alterman. Trabalho domesticado: a mulher na indústria paulista. São Paulo: Ática, 1978.

BOURDIEU, Pierre. La domination masculine Paris: Seuil, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Anuário estatístico de acidentes do trabalho. http://www.previdencia.gov.br/conteudoDinamico.php?id=1605.

_____. Ministério da Previdência Social. Anuário Estatístico da Previdência Social 2010. Brasília: 2010. http://www.previdencia.gov.br/conteudoDinamico.php?id=1144. ______. Presidência da República. Secretaria Especial de Política Para as Mulheres. Relatório anual do observatório Brasil da igualdade de gênero 2009/2010. Brasília: Secretaria Especial de Política Para as Mulheres, 2010.
_____. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios. Disponível em: www.ibge.gov.br.

BRITO, Jussara Cruz de; D’ACRI, Vanda. Referencial de análise para a estudo da relação trabalho, mulher e saúde. Cad. Saúde Pública, vol.7, n.2 Rio de Janeiro Apr./June 1991.
BRITO, Jussara Cruz de. Enfoque de gênero e relação saúde/trabalho no contexto de reestruturação produtiva e precarização do trabalho. Cad. Saúde Pública, vol.16, n.1, Rio de Janeiro, Jan./Mar. 2000.

BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. Trabalho, educação e rendimentos das mulheres no Brasil em anos recentes. In: HIRATA, Helena, SEGNINI, Liliana (orgs.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007, p. 43-88.

CELIBERTI, Lilian; MESA, Serrana. La equidad de Género en los países del MERCOSUR. Montevideo: CEFIR - Centro de Formación para la Integración Regional, 2010.

FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO/SESC. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado. 2010. Disponível em: http://www.fpabramo.org.br/sites/default/files/pesquisaintegra.pdf.

HIRATA, Helena. Mundialização, divisão sexual do trabalho e movimentos feministas transnacionais. Cadernos de crítica feminista. SOS CORPO- Instituto feminista para a democracia: Recife, Ano III, n. 2, dez. 2009, p. 80-107.

______. Flexibilidade, trabalho e gênero. In: HIRATA, Helena, SEGNINI, Liliana (Org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007, p. 89-108.

______. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e para a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

HIRATA, Helena, KERGOAT, Danièlle, Os paradigmas sociológicos à luz das categorias de sexo: qual a renovação da epistemologia do trabalho? In: BAÇAL, Selma (Org.). Trabalho, educação, empregabilidade e gênero. Manaus: EDUA, 2009, p. 173-189.

HIRATA, Helena, SEGNINI, Liliana (Org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007.

IZQUIERDO, Raquel Aguilera. Los derechos de conciliación de la vida personal, familiar y laboral en la Ley Orgánica para la igualdad efectiva de mujeres y hombres. Revista del Ministerio del Trabajo y Asuntos Sociales. Madrid, número especial, p. 69-119.

KERGOAT, Danielle. Division sexuelle du travail et rapports sociaux de sexe. In HIRATA, Helena et al. (Coord.). Dictionnaire critique du feminisme. Paris: Presses Universitaires de France, 2000, p. 35-44.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Secretaria de Estado da Saúde Pública. Coordenadoria de Promoção à Saúde. Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador. SINAN – Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Estatística dos agravos relacionados ao trabalho. LER/DORT. Natal: 2011.

Disponível em : http://www.cerest.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/sesap_cerest/cerest/agravos_cerest_rn/estatistic%20sinan%20rn_ler_dort_ok.pdf.

LEITE, Patricia Campos; SILVA, Arlete; MERIGHI, Miriam Aparecida Barbosa. A mulher trabalhadora de enfermagem e os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Rev. esc. enferm. USP. vol.41 no.2 São Paulo June 2007.

Marcondes, Willer Baumgartem; Rotenberg, Lúcia; Portela, Luciana Fernandes; Moreno, Claudia Roberta de Castro. O peso do trabalho “leve” feminino à saúde. São Paulo Perspec. vol.17 no.2 São Paulo Apr./June 2003.

OFFE, Claus. Problemas estruturais do Estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de. A mulher, a sexualidade no trabalho. São Paulo: HUCITEC, CUT, 1999.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. 10ª ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SALIM, Celso Amorim. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo Perspec. vol.17 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2003.

SEGNINI, Liliana. Planos de demissão voluntária: do sonho de liberdade à vivência do desemprego e do trabalho precário. In: HIRATA, Helena, SEGNINI, Liliana (Org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007, p.109-140.

SOUZA-LOBO, Elisabeth. A classe operária tem dois sexos. Trabalho, dominação e resistência. 2ª Ed. São Paulo: Brasiliense/Secretaria Municipal de Cultura, 2011.

VARIKAS, Eleni. Égalité. In: HIRATA, Helena et al. (Coord.). Dictionnaire critique du feminisme. Paris: Presses Universitaires de France, 2000, p. 54-60.

______. Universalismo et particularisme. In: HIRATA, Helena et al. (Coord.). Dictionnaire critique du feminisme. Paris: Presses Universitaires de France, 2000, p. 241-245.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Editora UNB, 2000.

Downloads

Publicado

2017-07-06