ÉTICA DA DOCÊNCIA E DA PESQUISA JURÍDICAS

Autores

DOI:

10.56267/rdtps.v9i16.15004

Palavras-chave:

Ética acadêmica, Direito, Professores, Alunos-pesquisadores

Resumo

Este artigo tem por objetivo esboçar os contornos iniciais de uma ética da docência e da pesquisa jurídicas. Com base em pesquisa bibliográfica e apoiando-se na experiência como docente, apresenta o “terreno” da ética, sua cisão na modernidade entre direito e moral e o seu momento crítico atual, tudo isso para destacar as atitudes que incumbem a professores e a alunos-pesquisadores de direito. Conclui que, apesar dos obstáculos do individualismo e da tecnificação da universidade, uma ética acadêmica torna-se concretizável com a internalização do sentido geral da ética, concernente a uma responsabilidade fundamental que liga o eu ao outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Rodolfo de Carvalho, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Doutor em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo – FD/USP. Professor Adjunto da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso – FD/UFMT. Coordenador-Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Mato Grosso – PPGD/UFMT. Líder do Terceira Margem – Grupo de Pesquisa em Filosofia, Literatura e Direitos Humanos (UFMT).

Referências

ARISTÓTELES. A política. Tradução de Nestor Silveira. São Paulo: Folha de São Paulo, 2010.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de António de Castro Caeiro. São Paulo: Atlas, 2009.

ATIENZA, Manuel. O sentido do direito. Tradução de Manuel Poirier Braz. Lisboa: Escolar, 2014.

BAUMAN, Zygmunt. Ética pós-moderna. Tradução de João Rezende Costa. São Paulo: Paulus, 1997.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BITTAR, Eduardo C. B. A discussão do conceito de direito: uma reavaliação a partir do pensamento habermasiano. In: Boletim da Faculdade de Direito, Universidade de Coimbra, v. 81, p. 797-826, 2005.

BITTAR, Eduardo C. B. Curso de ética jurídica: ética geral e profissional. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

BITTAR, Eduardo C. B. Ética, educação, cidadania e direitos humanos. Manole, 2004.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

BOBBIO, Norberto. Direito e Estado no pensamento de Emanuel Kant. Tradução de Alfredo Fait. São Paulo: Mandarim, 2000.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Comissão de Integridade na Atividade Científica. Diretrizes básicas para a integridade na atividade científica, Portal Governo do Brasil, Brasília, mai. 2011. Disponível em: https://www.gov.br/cnpq/pt-br/composicao/comissao-de-integridade/diretrizes . Acesso em: 24 dez. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Código de Ética da Magistratura Nacional. Portal do CNH, Brasília, ago. 2008. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/codigo-de-etica-da-magistratura/ . Acesso em: 22 dez. 2021.

CAPELLA, Juan-Ramón. A aprendizagem da aprendizagem: uma introdução ao estudo do direito. Tradução de Miracy Barbosa de Sousa Gustin e Maria Tereza Fonseca Dias. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

CARVALHO, Felipe Rodolfo de. O rosto do outro e a letra da lei: ensaio sobre uma hermenêutica jurídica da alteridade, Annales FAJE, Belo Horizonte, v. 3, p. 62-71, 2018.

CARVALHO, Felipe Rodolfo de. Outramente: o direito interpelado pelo rosto do Outro. Belo Horizonte: D’Plácido, 2021.

CHALIER, Catherine. Pour une morale au-delà du savoir: Kant e Levinas. Paris: Albin Michel, 1998.

CHAUÍ, Marilena. A universidade operacional, Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 4, n. 3, p. 3-8, 1999.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 7. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2010.

DERRIDA, Jacques. A universidade sem condição. Tradução de Evando Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

DIEHL, Liciane; MARIN, Angela Helena. Adoecimento mental em professores brasileiros: revisão sistemática da literatura, Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 7, n. 2, p. 64-85, dez. 2016.

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 26. ed. Tradução de Gilson Cesar Cardoso de Souza. São Paulo: Perspectiva, 2016.

FIORAN, José Luiz. Semiótica das paixões: o ressentimento, Alfa, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 9-22, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 66. ed. Rio de Janeiro/ São Paulo: Paz e Terra, 2020.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO – FAPESP. Código de boas práticas científicas, São Paulo, set. 2011. Disponível em: https://fapesp.br/boaspraticas/codigo_050911.pdf . Acesso em: 24 dez. 2021.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO – FAPESP. Código de boas práticas científicas, São Paulo, 2014. Disponível em: https://fapesp.br/boaspraticas/2014/FAPESP-Codigo_de_Boas_Praticas_Cientificas.pdf . Acesso em: 24 dez. 2021.

GRANGER, Gilles-Gaston. A ciência e as ciências. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Unesp, 2012.

HAACK, Susan. Fora de sintonia: a ética acadêmica em um ambiente prepostero, Revista Cadernos de Estudos Sociais e Políticos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 1-33, jan.-jul. 2013.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. Tradução de George Sperber e Paulo Astor Soethe. São Paulo: Loyola, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Facticidade e validade: contribuições para uma teoria discursiva do direito e da democracia. Tradução de Felipe Gonçalves Silva e Rúrion Melo. São Paulo: Unesp, 2020.

HABERMAS, Jürgen. O conceito de dignidade e a utopia realista dos direitos humanos. In: Sobre a constituição da Europa. Tradução de Denilson Luis Werle, Luiz Repa e Rúrion Melo. São Paulo: UNESP, 2012.

HABERMAS, Jürgen. Teoría de la acción comunicativa, I: racionalidad de la acción y racionalización social. Tradução de Manuel Jiménez Redondo. Taurus: Madrid, 1999.

HANNUS, Gilles. L’universel en question: noahisme et retour à partir des Lectures talmudiques d’Emmanuel Levinas, Cahiers d’études lévinassiennes: Pensée du retour, Arcueil, Jerusalém, n. III, p. 41-71, 2004.

HESPANHA, António Manuel. O caleidoscópio do direito: o direito e a justiça nos dias e no mundo de hoje. 2. ed. Coimbra: Almedina, 2009.

HÖFFE, Otfried. O imperativo categórico do direito: uma interpretação da “Introdução à Doutrina do Direito”. In: Studia Kantiana, v. 1, n. 1, p. 203-236, 1998.

HOMEM, António Pedro Barbas. História do pensamento jurídico: guia de estudo. Lisboa: Associação Acadêmica da Faculdade de Direito de Lisboa, 2004.

HONNETH, Axel. La sociedade del desprecio. Tradução de Francesc J. Hernàndez e Benno Herzog. Madrid: Trotta, 2011.

JONAS, Hans. O princípio da responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2006.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. 2. ed. rev. Tradução de Edson Bini. Bauru: EDIPRO, 2008.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2007.

LEVINAS, Emmanuel. Autrement qu’être ou au-delà de l’essence. La Haye: Martins Nijhoff, 1974.

LEVINAS, Emmanuel. Ética e infinito. Tradução de João Gama. Lisboa: Edições 70, 1982.

LEVINAS, Emmanuel. La etica. In: CASADO, Josefina; AGUDÍEZ, Pinar. (Comps.) El sujeto europeo. Tradução de María Luisa Feliú e Santiago Jorán. Madri: Pablo Iglesias, 1990.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e Infinito: ensaio sobre a exterioridade. Tradução de José Pinto Ribeiro. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2011.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LIPOVETSKY, Gilles. La revolución de la autonomia. In: CASADO, Josefina; AGUDÍEZ, Pinar. (Comps.) El sujeto europeo.

Tradução de María Luisa Feliú e Santiago Jorán. Madri: Pablo Iglesias, 1990.

LIPOVETSKY, Gilles. Pós-modernidade e hipermodernidade. In: FORBES, Jorge; REALE JR., Miguel; FERRAZ JR., Tercio Sampaio (Coords.). A invenção do futuro: um debate sobre a pós-modernidade e a hipermodernidade. Barueri: Manole, 2005.

LYOTARD, Jean-François. Les droits de l’Autre. In: Logique de Levinas. Lagrasse: Verdier, 2015.

MARCONDES, Danilo. Textos básicos de ética: de Platão a Foucault. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

MONTORO, André Franco. Retorno à ética na virada do século. In: MARCILIO, Maria Luiza; RAMOS, Ernesto Lopes. Ética na virada do século: “busca do sentido da vida”. São Paulo: LTr, 1997.

NOVAES, Adauto (Org.). Ética. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

OLIVEIRA, Manfredo A. de. Correntes fundamentais da ética contemporânea. Petrópolis: Vozes, 2017.

PELLUCHON, Corine. Éléments por une éthique de la vulnerabilité: les hommes, les animaux, la nature. Paris: CERF, 2011.

QUEIROZ, Rafael Mafei Rabelo. Monografia jurídica: passo a passo. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2015.

REALE, Miguel. Introdução à filosofia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

SANCHEZ, Otavio Próspero; INNARELLI, Patricia Brecht. Desonestidade acadêmica, plágio e ética, GV-Executivo, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 46-49, jan.-jun. 2012.

SILVA, Franklin Leopoldo e; GRACIOSO, Joel. A ética. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2019.

Szymborska, Wislawa. Poemas. Tradução de Regina Przybycien. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SINGER, Peter. Vida ética. Tradução de Alice Xavier. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

SPINK, Peter Kevin. Ética na pesquisa científica, GV-Executivo, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 38-41, jan.-jun. 2012.

SOUSA, Rodolfo Neiva de et al. Desonestidade acadêmica: reflexos na formação ética dos profissionais de saúde, Revista Bioética, Brasília, v. 24, n. 3, p. 459-468, 2016.

SOUZA, Ricardo Timm de. Ética do escrever: Kafka, Derrida e a literatura como crítica da violência. Porto Alegre: Zouk, 2018.

SOUZA, Ricardo Timm de. Por uma pedagogia da alteridade: repensando a educação com Levinas. In: CARBONARI, Paulo César; COSTA, José André da; DALMÁS, Giovana (Orgs.). Ética, educação e direitos humanos: estudos em Emmanuel Levinas. Passo Fundo: IFIBE, 2008.

TERRA, Ricardo. Kant & o direito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

VASCONCELLOS, Vinicius G. Editorial – Autoria e coautoria de trabalhos científicos: discussões sobre critérios para legitimação de coautoria e parâmetros de integridade científica, Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 6, n. 1, p. 13-26, jan./abr. 2020.

WARAT, Luis Alberto. A ciência jurídica e seus dois maridos. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2000.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octany Silveira da Mota. 17. ed. São Paulo: Cultrix, 2008.

Downloads

Publicado

2023-07-01

Como Citar

CARVALHO, F. R. de. ÉTICA DA DOCÊNCIA E DA PESQUISA JURÍDICAS. REVISTA DIREITOS, TRABALHO E POLÍTICA SOCIAL, [S. l.], v. 9, n. 16, p. 73–113, 2023. DOI: 10.56267/rdtps.v9i16.15004. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/rdtps/article/view/15004. Acesso em: 19 maio. 2024.