TENDÊNCIA DA MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL

DESIGUALDADES SOCIAIS QUE SE EXPRESSAM EM NÚMEROS

Autores

DOI:

10.56267/rdtps.v8i15.14789

Palavras-chave:

Políticas públicas, Desigualdade social, Mortalidade infantil

Resumo

O artigo analisa a mortalidade na infância no Brasil entre 2015 e 2019, explorando as diferenças intrarregionais e de raça/cor/etnia presentes no interior dessa taxa, identificando sua tendência. Pesquisa documental de abordagem quantitativa, envolvendo a base de dados do departamento de informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (DATASUS). Utilizamos as variáveis: região e cor/raça/etnia e para análise dos dados a estatística descritiva com medidas de tendência central, compondo uma série histórica 2015-2019, apontando a tendência do indicador. Constatamos que as regiões com maior índice de desigualdades econômicas e sociais são também as que possuem maior concentração de óbitos infantis e que as crianças indígenas se encontram em desvantagem em relação a outros segmentos da população brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mylena Carlos Pessôa da Silva, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Graduanda em Serviço Social pela Universidade Federal do Espírito Santo – UFES. Vinculada ao Grupo de Estudos em Políticas Públicas Fênix (Bolsista FAPES).

Edineia Figueira dos A. Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Assistente Social, com mestrado, doutorado e pós-doutorado no Programa de Pós Graduação em Política Social pela Universidade Federal do Espírito Santo – UFES. Vinculada ao Grupo de Estudos em Políticas Públicas Fênix (Bolsista FAPES).

Maria Lúcia T. Garcia, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora Doutora do Programa de Pós Graduação em Política Social e do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal do Espírito Santo – UFES. Vinculada ao Grupo de Estudos em Políticas Públicas Fênix. Bolsista Pq do CNPq.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Federal de Medicina. A Declaração de Óbito: documento necessário e importante. Brasília-DF, 2006.

BRASIL. Funasa. Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas. Disponível em: file:///C:/Users/eoliv/Downloads/Inqu%C3%A9rito%20Nacional%20de%20Sa%C3%BAde%20e%20Nutri%C3%A7%C3%A3o%20dos%20povos%20Ind%C3%ADgenas%20(2009).pdf.

BRASIL. Presidência da República. LEI Nº 13.257, DE 8 DE MARÇO DE 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm. Acesso em: 20 jun. 2018.

BRITO, E. C.; DAMAZIO, M. R. Desenvolvimento econômico no Brasil: similaridades e diferenças entre as regiões Sul e Nordeste no período de 2001 a 2015. In: Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE - Ano XX – V. 3 - N. 41 – dez. 2018 - Salvador, BA – p. 167 – 198. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21452/rde.v3i41.5815. Acesso em: 22 jul. 2021.

CALDAS, A. D. R. et al. Mortalidade infantil segundo cor ou raça com base no Censo Demográfico de 2010 e nos sistemas nacionais de informação em saúde no Brasil. In: Cadernos de Saúde Pública. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00046516. Acesso em: 12 jun. 2021.

CARVALHO, M. P. et al. SAÚDE PARA TODOS: REFLEXÕES QUE PERMEIAM ESSA META. In: Vittalle - Revista De Ciências Da Saúde, 23(2), 27–31, 2014. Disponível em: https://periodicos.furg.br/vittalle/article/view/4498. Acesso em: 19 jun. 2021.

CASALI, G. F. R.; SILVA, O. M.; CARVALHO, F. M. A. Sistema regional de inovação: estudo das regiões brasileiras. In: Revista Econômica Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 515-550, set./dez. 2010.

CHOR, D.; LIMA, C. R. A. Aspectos epidemiológicos das desigualdades raciais em saúde no Brasil. In: Cad Saúde Pública. 2005, 21, 1586-94.

CORRÊA, A. M. C. J.; FIGUEIREDO, N. M. S. Riqueza, desigualdade e pobreza: um perfil da região centro-oeste no início do século XXII. In: Pesquisa & Debate, SP, volume 17, número 1 (29) p. 45-65, 2006. Disponível em: file:///C:/Users/eoliv/Downloads/11858-28434-1-SM.pdf. Acesso em: 20 de julho de 2021.

CUNHA, A. R. et al. PRINCIPAIS CAUSAS DA MORTALIDADE INFANTIL NA REGIÃO OESTE DE SANTA MARIA – RS. Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 15, n. 2, p. 261-268, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumS/article/view/1088/0. Acesso em: 19 jun. 2021.

EZEQUIEL, Pedro. Mortalidade infantil retorna com aumento das desigualdades sociais. In: JONRAL DA USP. São Paulo, 10 jan. 2019. Disponível em: https://jornal.usp.br/atualidades/mortalidade-infantil-retorna-com-aumento-das-desigualdades-sociais/. Acesso em: 12 jun. 2021.

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil. Ensaios de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FONSECA, S.C; MONTEIRO, D.S.A; PEREIRA, C.M.S.C; SCORALICK, A.C.D; JORGE, M.G; ROZARIO, S. Desigualdades no pré-natal em cidade do Sudeste do Brasil. In: Ciên. Saúde Colet. 2014 jul;19(7):1991-8. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232014197.04212013. Acesso em: 26 jun. 2021.

FRANCA, Elisabeth Barboza et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. In: Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 20, supl. 1, p. 46-60, maio 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700050005. Acesso em: 19 jun. 2021.

FUNCIA, F. R. Subfinanciamento e orçamento federal do SUS: referências preliminares para a alocação adicional de recursos. In: Ciênc. saúde coletiva 24 (12), dez. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320182412.25892019. Acesso em: 26 jun. 2021.

GARCIA, Leila Posenato; SANTANA, Lúcia Rolim. Evolução das desigualdades socioeconômicas na mortalidade infantil no Brasil, 1993-2008. In: Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 9, p. 3717-3728, Sept. 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001000009. Acesso em: 11 mar. 2021.

GREMAUD, A. P.; VASCONCELLOS, M. A. S.; TONETO JÚNIOR, R. Desenvolvimento e distribuição de renda. In: GREMAUD, A. P.; VASCONCELLOS, M. A. S.; TONETO JÚNIOR, R. Economia Brasileira Contemporânea. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2017. p. 61-85.

IAMAMOTO, M. V. “Questão social” no Brasil: relações sociais e desigualdades. In: ConCiencia Social. Revista digital de Trabajo Social. Vol. 2 (2018) Nro. 3 - ISSN 2591-5339 3. Disponível em: file:///C:/Users/eoliv/AppData/Local/Temp/21586-Texto%20del%20art%C3%ADculo-62085-1-10-20181019.pdf. Acesso em: 10 ago. 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. PNAD Contínua 2018: 10% da população concentra 43,1% da massa de rendimentos do país. Estatísticas sociais, 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25700-pnad-continua-2018-10-da-populacao-concentram-43-1-da-massa-de-rendimentos-do-pais. Acesso em: 20 jan. 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. PNAD Contínua: Educação 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf. Acesso em: 20 jan. 2022.

LAURELL, A. C. A saúde-doença como processo social. ∗ “La salud-enfermedad como proceso social”. In: Revista Latinoamericana de Salud, México, 2, 1982, p. 7-25. Trad. E. D. Nunes. Disponível em: https://unasus2.moodle.ufsc.br/pluginfile.php/6126/mod_resource/content/1/Conteudo_on-line_2403/un01/pdf/Artigo_A_SAUDE-DOENCA.pdf. Acesso em: 31 jul. 2021.

MAIA, L. T. S.; SOUZA, W. V.; MENDES, A. C. G. Determinantes individuais e contextuais associados à mortalidade infantil nas capitais brasileiras: uma abordagem multinível. In: Cad. Saúde Pública 2020; 36(2):e00057519. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00057519. Acesso em: 26 jun. 2021.

MALLMANN, Mariana Borsa et al. Evolução das desigualdades socioeconômicas na realização de consultas de pré-natal entre parturientes brasileiras: análise do período 2000-2015. In: Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 27, n. 4, e 2018022, dez. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000400014. Acesso em 22 mar. 2021.

MARINHO, G. L. et al. Mortalidade infantil de indígenas e não indígenas nas microrregiões do Brasil. In: Rev. Bras. Enferm. 72 (1) - Jan-Feb 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0646. Acesso em: 22 jul. 2021.

MARQUES, R. Permanência e ruptura na proteção social brasileira no período recente In: Argumentum, 2019, 11, 1, 130-145. Disponível em: https://doi.org/10.18315/argumentum.v11i1.23131. Acesso em: 23 ago. 2021.

MENDONÇA, F. M.; DRUMOND, E.; CARDOSO, A. M. P. Problemas no preenchimento da Declaração de Óbito: estudo exploratório. In: Rev. bras. estud. popul. 27 (2) – dez. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-30982010000200004. Acesso em: 22 jul. 2021.

NIOBEY, F. M. L.; CASCÃO, A. M.; DUCHIADE, M. P.; SABROZA, P. C. Qualidade do preenchimento de atestados de óbitos de menores de um ano na região metropolitana do Rio de Janeiro. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 311-8, 1990.

O Brasil e os ODM. ODM BRASIL. Disponível em: http://www.odmbrasil.gov.br/o-brasil-e-os-odm#:~:text=OBJETIVO%204%20%2D%20REDU%C3%87%C3%83O%20DA%20MORTALIDADE,7%20por%20mil%20nascidos%20vivos. Acesso em: 26 jun. 2021.

ONU: Brasil cumpre meta de redução da mortalidade infantil. Governo Federal – Governo do Brasil. 10 set. 2015. Disponível em: https://www.gov.br/casacivil/pt-br/assuntos/noticias/2015/setembro/onu-brasil-cumpre-meta-de-reducao-da-mortalidade-infantil. Acesso em: 12 jun. 2021.

PAES-SOUSA, R.; SANTOS, L. M. P.; MIAZAKI, E. S. Effects of a conditional cash transfer programme on child nutrition in Brazil. Bulletin of the World Health Organization. 2011; 89(7):496-503. Disponúvel em: http://dx.doi.org/10.2471/BLT.10.084202. Acesso em: 16 jul. 2021.

PASCHE, D. F.; VILELA, M. E. A.; GIOVANNI, M.; ALMEIDA, P. V. B.; NETTO, T. L. F. Rede Cegonha: desafios de mudanças culturais nas práticas obstétricas e neonatais. In: Divulgação em saúde para debate. Rio de Janeiro, n. 52, p. 58-71, OUT 2014. Disponível em: http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2014/12/Divulgacao-52.pdf. Acesso em: 14 jun. 2021.

RASELLA, D. et al. Effect of a conditional cash transfer programme on childhood mortality: a nationwide analysis of Brazilian municipalities. In: THE LANCET. VOLUME 382, ISSUE 9886, P57-64, JULY 06, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60715-1. Acesso em: 26 jun. 2021.

SANTOS, Isabela Soares; VIEIRA, Fabiola Sulpino. Direito à saúde e austeridade fiscal: o caso brasileiro em perspectiva internacional. In: Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2018, v. 23, n. 7, pp. 2303-2314. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018237.09192018. Acesso em: 14 jun. 2021.

SILVA, V. A. et al. Desigualdades socioeconômicas: uma análise sobre os determinantes da taxa de mortalidade infantil nos municípios brasileiros. In: Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 13, n. 1, p. 73-97, 2019. Disponível em: https://revistaaber.org.br/rberu/article/view/407. Acesso em: 12 jun. 2021.

SOARES, Alexandre. Unicef: relatório aponta 10 países com maiores taxas de mortalidade infantil. In: Nações Unidas. 20 fev. 2018. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2018/02/1611481. Acesso em: 26 jun. 2021.

VIEIRA, F. S.; BENEVIDES, R. P. D. S. Os impactos do novo regime fiscal para o financiamento do Sistema Único de Saúde e para a efetivação do direito à saúde no Brasil. Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2016. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7270 Acesso em: 20 dez. 2020.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

CARLOS PESSÔA DA SILVA, M. .; FIGUEIRA DOS A. OLIVEIRA, E. .; T. GARCIA, M. L. TENDÊNCIA DA MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: DESIGUALDADES SOCIAIS QUE SE EXPRESSAM EM NÚMEROS. REVISTA DIREITOS, TRABALHO E POLÍTICA SOCIAL, [S. l.], v. 8, n. 15, p. 169-192, 2022. DOI: 10.56267/rdtps.v8i15.14789. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/rdtps/article/view/14789. Acesso em: 28 jan. 2023.