O PROCESSO MUNDIAL DE ACUMULAÇÃO E AS SUAS CRISES

Autores

Palavras-chave:

Capital, Crise estrutural, Pandemia, Produção destrutiva

Resumo

O artigo apresenta elementos que configuram a continuidade, a perduração e o aperfeiçoamento históricos da crise estrutural do capitalismo e da produção destrutiva. O objetivo é situar os movimentos da crise em sua configuração contemporânea, situando-os nos mecanismos de reprodução e ampliação do capital, como parte das estratégias operadas pelos Estados e organizações com hegemonia imperialista em manter a dinâmica dos oligopólios. Foi realizada a seleção de textos, visando compreender e expor de forma didática, os fundamentos da crise estrutural do capital. As conclusões indicam a crise de 2008 como expressão concreta dos elementos da crise estrutural mundial e que esses pressupostos geram os referenciais para a análise em desdobramentos históricos, como a crise sanitária do coronavírus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Mirales, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Assistente Social, mestre em Ciências Sociais, doutora em Serviço Social, professora na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O artigo é resultante de pesquisa de pós-doutorado realizada entre 2016-18, vinculada ao Grupo de Pesquisa Fundamentos do Serviço Social: Trabalho e Questão Social, agradeço à Unioeste; ao Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre os Fundamentos do Serviço Social na Contemporaneidade – UFRJ, agradeço à Profª Yolanda Guerra; ao Núcleo de Estudos sobre Políticas Sociais, Trabalho e Desigualdades - Centro de Estudos Sociais, UC/Portugal, agradeço ao Prof. Pedro Hespanha. Agradeço ainda Alcina Martins e Rosa Tomé.

Referências

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. Política Social: fundamentos e história. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007. (Biblioteca básica de serviço social; v. 2).

FIORI, J. L. Sobre o poder global. Novos Estudos, 73, nov. 2005, p. 61-72.

IANNI, O. A interdependência das nações. In: ______. Teorias da globalização. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996, p. 59-74.

IPEA. Desafios do desenvolvimento. História - Bretton Woods. 2009. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=2247:catid=28&Itemid=23>. Acesso em: 06 abr. 2016.

LÉNINE, V. I. O imperialismo: fase particular do capitalismo. In: ______. O imperialismo: fase superior do capitalismo. Lisboa-Moscovo: Edições Avante! 1984, p. 89-100.

MARX, K. Capítulo XXII. Transformação de Mais-Valia em Capital. In: ______. O Capital: crítica da economia política. Trad. Regis Barbosa; Flávio R. Kothe. v. I, Tomo 2. São Paulo: Abril Cultural, 1984, p. 163-186.

MATTOS, F. A. M. A crise financeira internacional de 2008/2009 e a derrocada dos mitos do neoliberalismo. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, n. 25, p. 52-73, dez. 2009.

MÉSZARÓS, I. Marx: nosso contemporâneo e seu conceito de globalização. In: ______. Civilização ou Barbárie. Os desafios do mundo contemporâneo. Encontro Internacional, Serpa, Portugal, 23/23 setembro 2005, p. 227-243. (Comunicações v. I).

____. O século XXI: Socialismo ou Barbárie? Trad. Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2003.

MORAES, J. Q. Para a análise marxista da crise. Crítica marxista, n. 28, 2009, p. 11-14.

MÜLLER, G. Introdução à economia mundial contemporânea. São Paulo: Ática e Educ, 1987.

NETTO, J. P. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995. (Coleção questões da nossa época, v. 20).

Downloads

Publicado

2021-03-30