TRABALHADORES NO CONTEXTO DE PANDEMIA

o que dizem as notícias?

Autores

Palavras-chave:

Trabalho, Precarização, Pandemia

Resumo

Este artigo se estrutura a partir de revisão de literatura, pesquisa documental e da análise de dados secundários, obtidos por meio de matérias jornalísticas veiculadas no Brasil, entre março e outubro de 2020. Tem por objetivo demonstrar como os trabalhadores brasileiros, sobretudo aqueles marcados por condições de trabalho precárias, foram impactados pela pandemia do novo coronavírus. Concluímos atestando que as alterações no mundo do trabalho – que já vinham sendo processadas de modo acelerado e intenso, foram intensificadas no contexto da pandemia, ganhando contornos ainda mais preocupantes a partir da elevação dos níveis de desemprego, da informalidade e, ainda, pela redução dos padrões de proteção social estabelecidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hiago Trindade, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Assistente Social. Doutor em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor do Curso de Serviço Social da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), onde coordena o Grupo de Estudo, Pesquisa e Extensão em Trabalho, Lutas Sociais e Serviço Social (GETRALSS).

Referências

ABÍLIO, L. C. et al. Condições de trabalho de entregadores via plataforma digital durante a COVID-19. Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano, v. 3, 8 jun. 2020.

AMARAL, A. Precarização estrutural e exploração da força de trabalho: tendências contemporâneas. Argumentum, [S. l.], v. 10, n. 3, 2018.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da Servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

ANTUNES, Ricardo. Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. São Paulo: Boitempo, 2020.

BRAGA, Ruy. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo, 2012.

BASSO, P. Tempos Modernos, Jornadas Antigas: Vidas de Trabalho no Início do Século XXI. São Paulo: Editora da Unicamp, 2018.

BRASIL. Medida Provisória 927 de 22 de março de 2020. Dispõe sobre as medidas trabalhistas para o enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo n.º 6, de 20 de março de 2020, e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (Covid-19), de que trata a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/Mpv/mpv927.htm. Acesso em: 03 jun. 2020.

DRUCK, Graça. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? CADERNO CRH, Salvador, v. 24, n. spe 01, 2011.

FILGUEIRAS, Vitor.; BISPO, Bruna.; COUTINHO, Pablo. A reforma trabalhista como reforço a tendências recentes no mercado de trabalho. KREIN, Dari. GIMENEZ, Denis Maracci. SANTOS, Anselmo Luis dos. (Orgs.). Dimensões críticas da reforma trabalhista no Brasil. Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2018.

HARVEY, D. Condição Pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

IBGE. PNAD Covid-19, 2020. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/27972. Acesso em: 20 jun. 2020.

LINHART, D. Modernização e precarização da vida no trabalho. In R. Antunes (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III. São Paulo: Boitempo, 2014.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. ENGELS, Friedrich. O manifesto comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, K. Cadernos de Paris e Manuscritos econômico-filosóficos de 1844. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

OIT. 2020. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/noticias/WCMS_627643/lang—pt/index.htm. Acesso em 20 jun. 2020.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo.

Boitempo, 2003.

OLIVEIRA, A. D. (Org.). População LGBTI+, vulnerabilidades e pandemia da Covid-19. São Paulo: Papel Social, 2020.

SILVA, C. F. Viração: o comércio informal dos vendedores ambulantes. In: CABANES, R; GEORGES, I. et. al. (orgs.). Saídas de emergência: ganhar/perder a vida na periferia de São Paulo. São Paulo: Boitempo, 2011.

SILVA, J. J. O precariado sexuado: configurações das relações sociais de sexo e sexualidade na inserção de LGBT’s em Centrais de Teleatividades. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). 210f. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Universidade Federal da Paraíba. Paraíba, 2018.

TELLES, V. S. Ilegalismos populares e relações de poder nas tramas da cidade. In: CABANES, Robert. GEORGES, Isabel et. al. (orgs.). Saídas de emergência: ganhar/perder a vida na periferia de São Paulo. São Paulo: Boitempo, 2011.

TRINDADE, H. O precariado no Brasil contemporâneo. Tese (Doutorado em Serviço Social). 249f. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2019.

TRINDADE, H. Serviço Social e Trabalho: percursos trilhados e desafios à investigação. Temporalis, ano 20, n. 40, jul./dez, 2020.

VALENCIA, A. S. Precariado ou proletariado? Baurú: Canal 6, 2016.

VASAPOLLO, L. O trabalho atípico. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

Downloads

Publicado

2021-03-22