COMENTÁRIOS SOBRE A MODALIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO INTERMITENTE NO BRASIL

Autores

Palavras-chave:

Trabalho Intermitente, Reforma Trabalhista, Precarização,

Resumo

O trabalho tem por escopo retratar a modalidade de contrato de trabalho intermitente no Brasil, instituída a partir da Lei nº 13.467/2017, comumente conhecida como Reforma Trabalhista, que envolve alterações na forma de contratação, habitualidade, jornada de trabalho, salário, verbas trabalhistas e previdência social. O desenvolvimento da pesquisa aborda o direito comparado, retratando as experiências estrangeiras enquanto recorte para a construção desta modalidade de contrato e no que consistem as especificidades do trabalho intermitente no Brasil, traçando dados secundários do período de novembro de 2017 a julho de 2019. O resultado da pesquisa afirma que a Lei nº 13.467/2017 viola princípios constitucionais e de Direitos Humanos, enfraquecendo os direitos trabalhistas dessa categoria profissional. A pesquisa utilizou o método quali-quanti, mediante pesquisas bibliográficas e dados secundários extraídos de fontes confiáveis como Caged e IBGE.

 

Biografia do Autor

Amanda Bezerra Carvalho, Universidade Federal do Cariri

Mestranda em Desenvolvimento Regional Sustentável pela Universidade Federal do Cariri - UFCA.

Especialista em Dirieto do Trabalho e Previdenciário pela Universidade Regional do Cariri - URCA.

Advogada. 

Referências

BARBA FILHO, Roberto Dala. Reforma Trabalhista & Direito Material do Trabalho: atualizada de acordo com a MP 808 de 14.11.2017.

BRASIL. Consolidação das Leis Trabalhistas. Disponível em

:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13467.htm

_____. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

CAGED. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego. Base de dados on line. 2019.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 5. ed. Coimbra: Almedina, 2002.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; DA SILVA, Roberto. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

COLNAGO, Lorena de Mello Rezende. Trabalho intermitente - trabalho "zero hora" - trabalho fixo descontínuo. Revista eletrônica [do] Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, Curitiba, PR, v. 8, n. 74, p. 27-35, dez. 2018/jan. 2019.

DELGADO, Maurício Godinho. A reforma trabalhista no Brasil: com os comentários à Lei n. 13.467/2017. Mauricio Godinho Delgado, Gabriela Neves Delgado. São Paulo:

LTr, 2017.

FLICK, Uwe. Introdução a pesquisa qualitativa. Traduação Joice Elias Costa. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Relatório econômico. Brasília: Ipea; IBGE, 2019.

KALED, Gabriela Schellenberg Pedro Bom. Contrato de Trabalho Intermitente. Congresso Brasileiro de Direito Empresarial e Cidadania. Curitiba, PR, v. 01, n. 28, pp. 39-55, 2019.

LIMA, Francisco Meton Marques de; LIMA, Francisco Péricles Rodrigues Marques de. Reforma Trabalhista: entenda ponto por ponto. – São Paulo: LTr, 2017.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. DESLANDES, Suely Ferreira. GOMES, Romeu. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petropolis: Vozes, 2009.

PACHECO, F; MARTINS, G. L; JORGE, G.G.B; BENEDITO, L.H; APARECIDO, J.K; ALONSO, E; CARDOSO, I.A. Análise compatariva normativa: trabalho intermitente no Brasil e em diplomas estrangeiros. Revista Cintífica Faculdades do Saber, Mogi Guaçu, v.2, pp. 204-220, 2017.

SOUTO MAIOR, Jorge Luiz.Trabalhador intermitente, desempregado permanente. Disponível em: . Acesso em 04 out. 2019.

Downloads

Publicado

2020-10-06