COMUNIDADES TERAPÊUTICAS

RETROCESSO NA POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL

Autores

  • Elisangela do Nascimento Covre Silva Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM https://orcid.org/0000-0003-1977-8640
  • Klindia Ramos Barcelos Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM
  • Maristela Dalbello-Araujo Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM

Palavras-chave:

Políticas Públicas, Saúde Mental, Drogas.

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir as atuais tendências da Política de Saúde Mental no Brasil, com o intento de evidenciar os retrocessos desta política sobretudo no que diz respeito à abordagem aos usuários de álcool e outras drogas. Trata-se de pesquisa documental e bibliográfica. Ressalta que a inclusão das Comunidades Terapêuticas, como integrante da rede de assistência, contraria os princípios da desinstitucionalização e da reabilitação psicossocial preconizados pela Lei nº 10.216/2001 e privilegiam intervenções pautadas em elementos técnicos e ideológicos que não são compatíveis com um Estado laico e um sistema de saúde baseado em evidências científicas. E defende que o repasse de verbas para serviços privados configura-se como uma privatização gradual e sistemática do Sistema Único de Saúde.

Biografia do Autor

Elisangela do Nascimento Covre Silva, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (1999); Especializações em Saúde Mental, Atenção Básica em Saúde e Planejamento Gerenciamento e Projetos Sociais. Mestre em Políticas Públicas  e Desenvolvimento Local pela EMESCAM. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase na saúde básica  e também atua como preceptora na disciplina de saúde mental de um curso medicina de uma faculdade privada na cidade de Vitória ES.

Klindia Ramos Barcelos, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM

Psicóloga, Mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local pela EMESCAM

Maristela Dalbello-Araujo, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória - EMESCAM

Dra. Em Psicologia e estágio pós-doutoral em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da UERJ. Professora do Programa de Pòs-Graduação em Políticas Pùblicas e Desenvolvimento Local

Referências

ALVES, V. S. Modelos de atenção à saúde de usuários de álcool e outras drogas: discursos políticos, saberes e práticas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. .25, n.11, nov. 2009.

BARBOSA, E. C.; OLIVEIRA, F. M. Inovação tecnológica em saúde: o CAPS transformando o modelo assistencial. Argumentum, Vitória, v. 10, n. 1, p. 180-197, jan./abr. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Política Sobre Drogas. Resolução CONAD nº 01/2018, 19 de dezembro de 2017. Define as diretrizes para o realinhamento e fortalecimento da Política Nacional sobre Drogas, aprovada pelo Decreto 4345 de 26 de agosto de 2002. Brasília (DF), 2018. Disponível em: <http://www.justica.gov.br/news/politicas-sobre-drogas-dara-guinada-rumo-a-abstinencia/proposta-aceita-osmar-terra.pdf>. Acesso em: 09 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada nº 29, de 30 de junho de 2011. Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes do uso, abuso ou dependência de substâncias psicoativas. Brasília (DF), 2011b. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2011/res0029_30_06_2011.html> . Acesso em: 25 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução nº 32, de 14 de dezembro de 2017. Estabelece as Diretrizes para o Fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Brasília (DF), 2017a. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/05/Resolu----o-CIT-n---32.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília (DF), 2003. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_atencao_alcool_drogas.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação nº 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília (DF), 2017b. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html>. Acesso em: 15 jun.2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília (DF), 2011a. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html>. Acesso em: 18 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelecer que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional, conforme disposto nesta Portaria. Brasília (DF), 2002a. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html>. Acesso em: 12 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma Psiquiátrica e políticas de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reformas dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília: Organização Pan Americana de Saúde; 2005. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publica%C3%A7%C3%B5es/Relatorio15_anos_caracas.pdf> . Acesso em 02: jul. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 4.345, de 26 de agosto de 2002. Institui a Política Nacional Antidrogas e dá outras providências. Brasília (DF), 2002b. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4345.htm>. Acesso em: 10 jun. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 10.216, 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília (DF), 2001. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm>. Acesso em: 01 jun. 2018.

BRAVO, M. I. S.; PELAEZ, E. J.; PINHEIRO, W. N. As contrarreformas na política de saúde do governo Temer. Argumentum, Vitória, v. 10, n. 1, p. 9-23, jan./abr. 2018.

CARNEIRO, H. As necessidades humanas e o proibicionismo das drogas no século XX.Rev. out. IES, São Paulo, v. 6, p. 115-28, 2002.

CFP. Conselho Federal de Psicologia. Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas – 2017. Brasília (DF): 2018. 172 p. Disponível em: <https://site.cfp.org.br/lancamento-do-relatorio-da-inspecao-nacional-em-comunidades-terapeuticas/>. Acesso em. 25 jun. 2018.

FONSECA, E. M.; BASTOS, F. I. Políticas de redução de danos em perspectiva: comparando as experiências americana, britânica e brasileira. In: ACSELRAD, G. (Orgs). Avessos do prazer: drogas, Aids e direitos humanos. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2005. p. 289-310.

FOSSI, L. B.; GUARESCHI, N. M. F. O modelo de tratamento das comunidades terapêuticas: práticas confessionais na conformação dos sujeitos. Estud. pesqui. Psicol, Rio de Janeiro, v.15, n.1, p. 94-115, 2015.

GARCIA, M. L. T. Proibicionismo: há pedras‛ no caminho. Argumentum, Vitória, v. 4, n.2, p. 40-47, jul./dez. 2012.

GARCIA, M. L. T.; CAVALCANTE, R. Debate sobre drogas: um momento ímpar. Argumentum, Vitória, v. 7, n.1, p. 4-7, jan./jun. 2015.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Nota técnica PERFIL DAS COMUNIDADES TERAPÊUTICAS BRASILEIRAS. Nº 21, Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia, março de 2017. Disponível em:<http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/20170418_nt21.pdf>. Acesso em: 12 jul. 2018.

LEAL, F. X.; SANTOS, C. C.; JESUS, R. S. Política Sobre Drogas no Estado do Espírito Santo: consolidando retrocessos. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 423 - 436, ago./dez. 2016.

MACHADO, A. R.; MIRANDA, P. S. C. Fragmentos da história da atenção à saúde para usuários de álcool e outras drogas no Brasil: da Justiça à Saúde Pública. História, Ciências, Saúde- Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p.801-821, jul./set. 2007.

MELO, J. R. F.; MACIEL, S. C. Representação Social do Usuário de Drogas na Perspectiva de Dependentes Químicos. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 36, n. 1, p.76-87, jan./mar. 2016.

MELO, M. C.; CORRADI-WEBSTER, C. M. Sentidos produzidos sobre a maternagem por mulheres em tratamento por uso de drogas. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 33, n. 4, p. 699-709, out./dez. 2016.

PITTA, A. M. F. Perigo de retrocesso às etapas primitivas da política social. Argumentum, Vitória, v. 4, n.2, p. 34-39, jul./dez. 2012.

ROTELLI, F.; LEONARDIS, O.; MAURI, D. Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec, 2001, 112 p.

SCHEFFER, G.; SILVA, L.G. Saúde mental, intersetorialiadade e questão social: um estudo na ótica dos sujeitos. Serv.Soc.Sociedade, São Paulo, n.118, p.366-393, jun. 2014.

SILVA, A. I. A aceleração das contrarreformas no SUS e a transferência de valor ao setor privado pelo governo Temer. Argumentum, Vitória, v.10, n. 1, p. 33-50, jan./abr. 2018.

SILVA, V. A. A. legitimidade das comunidades terapêuticas católicas para dependência química no espaço público brasileiro: o caso da Fazenda Esperança. 2016. 144 f. Dissertação (Programa de pós-graduação em ciências sociais) - Instituto de ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora.

TEIXEIRA, M. J. A urgência do debate: as contrarreformas na política da saúde no governo Temer. Argumentum, Vitória, v. 10, n. 1, p. 33-50, jan./abr. 2018.

TRAD, S. Controle do uso de drogas e prevenção no Brasil: revisitando sua trajetória para entender os desafios atuais. In: NERY FILHO, A.; MAcRAE, E.; TAVARES, L. A.; REGO, M. (Orgs). Toxicomanias: incidências clínicas e socioantropológicas. Salvador: EDUFBA, 2009, p. 97-112.

WANDEKOKEN, K. D.; DALBELLO- ARAUJO, M. Trabalho nos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas e as Políticas Públicas: que caminho seguir?. Trab. educ. Saúde, Rio de Janeiro, v.13, p.157- 175, 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-01