Mito, ironia e identidade pós-moderna n’O Conquistador, do português Almeida Faria

Autores

Palavras-chave:

literatura, pós-modernidade, identidade, mito.

Resumo

Neste artigo problematizaremos as construções literárias que articulam concepções míticas em relação ao passado, elaborando sensibilidades do/no presente, ou ainda, um novo modo de ser frente à identidade cultural portuguesa, a partir da análise da obra O Conquistador, do português Almeida Faria. Nesse sentido, nossa proposta se ampara nas discussões teóricas sobre a pós-modernidade que, segundo as tendências críticas contemporâneas, é um momento que coloca em pauta de discussão novas questões, como: a impossibilidade de se determinar uma verdade sobre o mundo, a realidade enquanto construção ficcional, a dificuldade em definir o que é fundamentalmente literário, a problemática em torno das fronteiras que separam história e literatura, etc. Nossa hipótese é de que a narrativa de Almeida Faria pode ser encarada como um mecanismo que aponta para as naturalizações sobre a nacionalidade portuguesa, sua literatura, seus sentimentos, seu passado e seu futuro, bem como parte de uma prática dinâmica composta por diversas narrativas, em que as subjetividades, o íntimo, a história particular aparecem de forma a imprimir contrapontos referenciais e críticos às formulações míticas.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. História: a arte de inventar o passado. Ensaios de teoria da história. Bauru, SP: Edusc, 2007.

BARTHES, Roland. Mitologias. Tradução de Rita Buongermino e Pedro de Souza. 9ª ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1993.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: Artes de fazer. 3ª Edição. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

ECO, Umberto. Pós-escrito a O Nome da Rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

FARIA, Almeida. O Conquistador. Lisboa: Editorial Caminho, SA, 1990.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 4ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

HALL, Stuart. Pensando a diáspora: reflexões sobre a terra no exterior. In: Da diáspora: Identidades e meditações culturais. Organização Liv Sovik. Tradução Adelaine La Guardia Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003, p. 25-50.

HUTCHEON, Linda. Poéticas do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

LYOTARD, Jean-François. O pós-moderno explicado às crianças. 2ª ed. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

MADEIRA, Carlos Eduardo Louzada. Entre a literatura e a história: a narrativa pós-moderna em José Saramago. Escritos, ano 7, n. 7, 2013, p. 93-117. Disponível em: <http://escritos.rb.gov.br/numero07/escritos%207_03_entre%20a%20literatura%20e%20a%20historia.pdf>. Acesso em: 10/2019.

MELO, Carlos Augusto de. Henry Miller: O Viajante, O Literato. RevLet – Revista Virtual de Letras, v. 2, n. 02, 2010, p.213-232.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2005.

SANTIAGO, Silviano. O narrador pós-moderno. In: Nas malhas da letra. São Paulo: Companhia das Letras, 1989, p. 38-52.

SIMÕES, Maria de Lourdes Netto. Transgressão e Conquista: O Conquistador. In: As razões do imaginário. Salvador: FCJA; UESC, 1998, p. 117-133.

WHITE, Hayden. Trópicos do Discurso: Ensaio sobre a Crítica da Cultura. Tradução de Alípio Correia de Franca Neto. 2ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014. (Ensaios de Cultura; 6).

Downloads

Publicado

2020-04-02