Lugares que ocupam as línguas em publicações na área de linguística aplicada: análise de três periódicos com classificação máxima no Qualis/CAPES

Autores

  • Tadinei Daniel Jacumasso tadinei@unicentro.br
    Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná

Palavras-chave:

políticas linguísticas, linguística aplicada, lugar das línguas.

Resumo

Apresentamos neste artigo uma análise sobre os lugares que ocupam as línguas em publicações na área da Linguística Aplicada. Para tanto, investigamos três revistas especializadas nessa área com classificação máxima no Qualis/CAPES. Qualis é um sistema brasileiro para avaliação de produção científica. O corpus está constituído de duzentos e sessenta artigos que foram publicados entre janeiro de 2017 e julho de 2019. A fundamentação teórica está apoiada nos estudos sociolinguísticos, mais especificamente na área das Políticas Linguísticas. Os resultados mostram que a língua inglesa ocupa em relação a outras línguas estrangeiras um lugar de destaque nessas publicações analisadas, e esse lugar alcançado é efeito de um processo que tenta impor um modelo único de fazer ciência e de divulgar os seus resultados.

Biografia do Autor

Tadinei Daniel Jacumasso, Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná

Professor Adjunto do Departamento de Letras, Campus de Irati, da Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná. Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo.

Referências

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional [...]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm>. Acesso em: 19 jul. 2019.

______. Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11161.htm>. Acesso em: 25 jul. 2019.

CALVET, L-J. Pour une écologie des langues du monde. Paris: Plon, 1999.

______. As políticas linguísticas. Trad. Isabel de Oliveira Duarte, Jonas Tenfen e Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial/Ipol, 2007.

COOPER, R. L. La planificación lingüística y el cambio social. Trad. José María Serrano. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

FINARDI, K. R.; GUIMARÃES, F. F. Internacionalização, rankings e publicações em inglês: a situação do Brasil na atualidade. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 28, n. 68, p. 600-626, 2017. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6125389.pdf>. Acesso em: 22 out. 2019.

GARCÍA DELGADO, J. L.; ALONSO, J. A.; JIMÉNEZ, J. C. (Coords.). El español, lengua de comunicación científica. Madrid: Fundación Telefónica y Ariel, 2013.

HAMEL, R. H. La expansión del imperio del inglés: retos para las lenguas súper-centrales. In: BEIN, R. et al. (Coords.). Homenaje a Elvira Arnoux: estudios de análisis del discurso, glotopolítica y pedagogía de la lectura y la escritura. Tomo II: Glotopolítica. Buenos Aires: Editorial de la Facultad de Filosofía y Letras Universidad de Buenos Aires, 2017a. p. 41-66. Disponível em: <http://hamel.com.mx/Archivos-Publicaciones/79.-Hamel-2017-La-expansion-del-imperio.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2019.

______. Enfrentando las estrategias del imperio: hacia políticas del lenguaje en las ciencias y la educación superior en América Latina. In: DINIZ, A. G.; PEREIRA, D. A.; ALVES, L. K. (Orgs.). Poéticas e políticas da linguagem em vias de descolonização. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2017b. p. 229-261. Disponível em: <http://hamel.com.mx/Archivos-Publicaciones/78.-Hamel-2017-Enfrentando-las-estrategias.pdf>. Acesso em: 22 out. 2019.

______. El campo de las ciencias y la educación superior entre el monopolio del inglés y el plurilingüismo: elementos para una política del lenguaje en América Latina. Trab. ling. aplic., Campinas, n. 52, v. 2, p. 321-384, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tla/v52n2/a08v52n2.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2019.

JACUMASSO, T. D. Política linguística na pós-graduação paranaense: um estudo sobre exames de proficiência. In: SOUSA, S. C. T. de; PONTE, A. S.; SOUSA-BERNINI, E. N. B. de. (Orgs.). Fotografias da política linguística na pós-graduação no Brasil. João Pessoa: Editora UFPB, 2019. p. 385-416.

LAGARES, X. C. O espaço político da língua espanhola no mundo. Trab. ling. aplic., Campinas, n. 52, v. 2, p. 385-408, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tla/v52n2/a09v52n2.pdf>. Acesso em: 05 nov. 2019.

MEC, Ministério da Educação, 2019. Disponível em: <http://emec.mec.gov.br/>. Acesso em: 22 out. 2019.

MENEZES, V.; SILVA, M. M.; GOMES, I. F. Sessenta anos de Linguística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, R. C.; ROCA, P. Linguística aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009. p. 25-50.

MONTEIRO, J. L. Para compreender Labov. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

NASCIMENTO, A. K. Neoliberalismo e língua inglesa: um estudo de caso por meio do PIBID. Ilha do Desterro, Florianópolis, v. 71, n. 3, p. 39-58, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ides/v71n3/2175-8026-ides-71-03-39.pdf>. Acesso em: 23 out. 2019.

SAVEDRA, M. M. G.; LAGARES, X. C. Política e planificação linguística: conceitos, terminologias e intervenções no Brasil. Gragoatá, Niterói, n. 32, p. 11-27, 2012. Disponível em: <http://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33029/19016>. Acesso em: 22 out. 2019.

SILVA FILHO, M. N. dos R.; SCHMIDT, C.; SOUZA, A. C. S. de. Interfaces entre a sociolinguística e a linguística aplicada: por uma perspectiva social e política das línguas. Revista ECOS, Cáceres-MT, v. 20, n. 1, p. 345-357, 2016. Disponível em: <https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1514/1467>. Acesso em: 22 out. 2019.

SOUSA, A. P. de. Regra, estratégia e habitus. Revista Veredas, Santiago de Compostela, n. 16, p. 7-38, 2011. Disponível em: <https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/34511/1/Veredas16_artigo1.pdf?ln=pt-pt>. Acesso em: 22 out. 2019.

SUCUPIRA, Plataforma Sucupira, 2019. Disponível em: <https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/index.jsf>. Acesso em: 04 nov. 2019.

UCS, Universidade de Caxias do Sul, 2019. Disponível em: <https://www.ucs.br/site/noticias/graduacao-aulas-em-lingua-inglesa-propoem-internacionalizacao-em-sala-de-aula/>. Acesso em: 05 nov. 2019.

UFPR, Universidade Federal do Paraná, 2016. Disponível em: <https://www.ufpr.br/portalufpr/noticias/disciplina-100-em-ingles-e-ministrada-no-curso-de-agronomia/>. Acesso em: 05 nov. 2019.

ULBRA, Universidade Luterana do Brasil, 2016. Disponível em: <https://www.ulbra.br/canoas/imprensa/noticia/22813/ulbra-oferece-disciplina-ministrada-totalmente-em-ingles>. Acesso em: 05 nov. 2019.

ZIMMER, M. O bi/multilinguismo e o seu impacto sobre o potencial criativo. In: X SEMANA DE EXTENSÃO, PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DO UNIRITTER, 10, 2014, Anais... Porto Alegre: UniRitter, 2014. p. 01-08. Disponível em: <https://www.uniritter.edu.br/uploads/eventos/sepesq/x_sepesq/arquivos_trabalhos/2966/293/281.pdf>. Acesso em: 05 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2019-11-30

Como Citar

JACUMASSO, T. D. Lugares que ocupam as línguas em publicações na área de linguística aplicada: análise de três periódicos com classificação máxima no Qualis/CAPES. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 102–122, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8964. Acesso em: 22 maio. 2024.