Paisagem semiótica dos protestos em Belo Horizonte

Autores

Palavras-chave:

protestos políticos, paisagem linguística, gêneros

Resumo

Neste trabalho, temos por objetivo investigar protestos políticos à luz da paisagem linguística, entendida como paisagens efêmeras que emergem de manifestações de protestos em espaços definidos e que exibem diferentes territórios semióticos. Esse tipo de manifestação produz uma paisagem de protesto que representa as relações sociais e coloca em destaque alguns aspectos de um período histórico, refratando outros. Para o desenvolvimento do nosso estudo, observamos alguns protestos de rua, em Belo Horizonte, a favor e contra o golpe de 2016 e coletamos imagens no Google sobre os protestos que ocorreram antes e durante o golpe de 2016 na cidade, além de utilizar fotografias do arquivo dos autores. Focamos nas imagens dos protestos e respondemos a quatro questões de pesquisa adaptadas. São elas: 1. Quais tipos de linguagem são criados no espaço público? 2. Como as imagens e todas as outras representações interagem? 3. O que o estudo da paisagem semiótica em suas muitas perspectivas acrescenta à compreensão da linguagem, da sociedade e das pessoas? 4. O que elas refratam?  Nossos resultados mostram que a paisagem linguística do protesto surge em diferentes gêneros que podem ser encontrados em papel, paredes, outdoors, pele, tecido, camisetas entre outros suportes. Também descobrimos que diferentes espaços proporcionam diferentes experiências de protesto e que a divisão da classe social produz diferentes paisagens linguísticas. Concluímos que essas paisagens se constituem em territórios linguísticos cíclicos e efêmeros.

Biografia do Autor

Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva, Faculdade de Letras da UFMG

Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva é mestre em Letras (Inglês) pela UFMG e doutora em Linguística e Filologia pela UFRJ. É professora emérita da Faculdade de Letras da UFMG e pesquisadora 1 C do CNPq. Atua na Pós-Graduação, nas linhas de pesquisa em “Ensino/Aprendizagem de línguas estrangeiras” e em Linguagem e Tecnologia.

Eliano de de Souza Martins Freitas, Colégio Técnico da UFMG

Eliano de Souza Martins Freitas possui graduação em Geografia (2001), mestrado (2004) e doutorado (2013) em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais, no Colégio Técnico da UFMG (COLTEC), ministrando a disciplina de Geografia. Desenvolve pesquisas na área de Geografia com ênfase em Geografia Urbana, Políticas de Saneamento, Geografia e Educação (Ensino de Geografia, Educação de Jovens e Adultos, Formação Inicial e Continuada de Professores, Uso de Novas Tecnologias no Ensino de Geografia, Discursos dos Livros Didáticos). É subcoordenador da EJA/EM do COLTEC.

Referências

ALVARENGA, Alexandre Augusto. Segregação urbana socioespacial e o mercado do sexo: uma análise da dinâmica espacial da prostituição de rua em Belo Horizonte. 2012. Dissertação (Mestrado em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local). Centro Universitário UMA. 2012. 70 f.

BEZERRA, Benedito Gomes. Gêneros no contexto brasileiro: questões [meta]teóricas e conceituais. São Paulo: Parábola, 2017.

CALDEIRA, Júnia Marques. Praça: território de sociabilidade: uma leitura sobre o processo de restauração da praça da Liberdade em Belo Horizonte. 1998. Dissertação (Mestrado em Ciências Políticas). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Ábramo, 2000.

FERRAZ, M. K. Origem e utilizações do conceito de paisagem na geografia e nas artes. In: Anais do 14 Encontro de Geógrafos da América Latina. 2013. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal14/Teoriaymetodo/Conceptuales/08.pdf. Acesso em:05 maio 2019

HAESBAERT, Rogério.Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. Porto Alegre. 2004. Disponível em: http://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf. Acesso em: 23 de jan. 2019.

LANDRY, Rodrigue; BOURHIS, Richard Y. Linguistic landscape and ethnolinguistic: an empirical study. Journal of language and social psychology, v. 16, n.1.p. 23-49, 1997.

MCLUHAN, Marshall. Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. Trad. Décio Pignatari, São Paulo: Cultrix, 1974.

MONTE-MOR, Roberto Luís. (coord). Belo Horizonte: espaços e tempos em construção. Belo Horizonte. Cedeplar/PBH. 1994.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes.OGêneros da linguagem na perspectiva da complexidade. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão/SC, v. 19, n. 1, p. 67 – 85. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/6425/4291Acesso em: 07 de maio de 2019.

PEIRCE, Charles Sanders.Collected papers of Charles Sanders Peirce: pragmatism and pragmaticism. V. 5, ed. Charles Hartshorne e Paul Weiss.Cambridge: Harvard University Press, 1934.

RESENDE, Pedro Henrique de Mendonça. Contratempos da modernização: a cidade de Belo Horizonte e a praça da Liberdade em meio à metrópole. Revista Terra Livre.São Paulo. Ano 27. V1. n. 36. p. 152-179. Jan-jun/2011.

SANTOS, Josefa Maria.O Facebook como ferramenta para o ensino do gênero cartaz de protesto. 2015. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras/ PROFLETRAS) –Universidade de Pernambuco, Garanhuns.2015.

SCOLLON, Ron, SCOLLON, Suzie Wong. Discourse in place: language in the material world. London & New York:Taylor&Francis E-library, 2006. (e-book)

SEALS, Corinne A. Reinventing the linguistic landscape of a national protest.Working Papers of the Linguistics Circle 21. University of Victoria: Victoria, BC. p. 190-202, 2011.

SHOHAMY, Elana; GORTER, Durk. (Eds). Linguistic landscape: expanding the scenery. New York: Routledge, 2009.

SINGER, Paul. Belo Horizonte. In: SINGER, P. Desenvolvimento econômico e evolução urbana: análise da evolução econômica de São Paulo, Blumenau, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife. São Paulo. Companhia Editora Nacional. Segunda edição. 1977. p. 199 –269.

SOUZA, Marcelo Lopes de.Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil. 2015.

___. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I. & OUTROS. Geografia: Conceitos e temas. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil. 1995. p.77-116.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. O espaço uno e múltiplo. Scripta Nova.Barcelona. Universidade de Barcelona. n. 93. Julho/2001. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/sn-93.htm Acesso em 07 de maio de 2019.

VITTE, Antônio Carlos. O desenvolvimento do conceito de paisagem e sua inserção na geografia física. Mercator – Revista de Geografia da UFC.Ano 06. Número 11. 2007. p. 71-78. Texto disponível em: http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/58 Acesso em: 07 de fev. de 2018.

Downloads

Publicado

2019-11-30

Como Citar

PAIVA, V. L. M. de O. e; DE DE SOUZA MARTINS FREITAS, E. Paisagem semiótica dos protestos em Belo Horizonte. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 9–35, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8956. Acesso em: 13 jul. 2024.