O português falado no Sul do Brasil: um balanço das áreas dialetais a partir de itens lexicais do ALiB

Autores

  • Amanda Chofard amandachofard@hotmail.com
    Universidade Federal de Santa Catarina
  • Felício Wessling Margotti felicio.margotti@ufsc.br
    Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Áreas dialetais, Variantes lexicais, ALiB

Resumo

Considerando que a variação é inerente às línguas, cabe à Dialetologia, principalmente por meio do método geolinguístico, identificar, analisar e descrever essa variação em diferentes dimensões, com prioridade para as variedades associadas ao espaço territorial. Desse modo, nesta pesquisa, que se liga ao projeto Atlas Linguístico do Brasil – ALiB – e também à dissertação Aspectos Lexicais do português do Brasil: um recorte de variantes registradas pelo ALiB, buscamos investigar, a partir dos itens lexicais banana dupla, filho mais moço, carne moída, glutão e semáforo, a existência de diferentes áreas dialetais no sul do Brasil. Para tanto, objetivamos: (i) proceder ao levantamento das variantes registradas pelo ALiB para os itens lexicais em questão na Região Sul do Brasil; (ii) mapear a distribuição das variantes, por meio do software SGVCLin; e (iii) comparar as fotografias linguísticas do Sul apresentadas por Koch (2000) e Altenhofen (2002), com base nos dados do ALERS, com as possíveis fotografias reveladas pelos dados do ALiB. Assim, por meio deste estudo, buscamos mais uma vez contestar a homogeneidade linguística existente nos falares sulistas proposto por Nascentes (1953) e evidenciar a diversidade linguística existente no português falado no Brasil.

Biografia do Autor

Amanda Chofard, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina. Atua principalmente na área da Dialetologia e da Geolinguística.

Felício Wessling Margotti, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina, onde iniciou sua carreira como Docente de ensino Superior em 1980. Licenciado em Letras (1975), cursou mestrado em Linguística na UFSC (1982) e doutorado em Letras na UFRGS (2004). Na graduação e na pós-graduação, atua principalmente no ensino de Morfologia, Dialetologia e Sociolinguística. Dedica-se aos estudos geolinguísticos, com participação na elaboração do Atlas Linguístico-Etnográfico da Região Sul do Brasil - ALERS e no Projeto Atlas Linguístico do Brasil - ALiB. Na administração acadêmica, exerceu as funções de Chefe do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas (1994-1988), Diretor do Centro de comunicação e Expressão por 4 mandatos (1988-1992; 1996-2000; 2008-2016) e Chefe do Gabinete do Reitor (1992-1996). De maio a novembro de 2016, foi Pró-Reitor de Graduação. Atualmente, é o Coordenador Pedagógico da Comissão Permanente do Vestibular.

Referências

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Estudos dialetológicos no Paraná: caminhos e perspectivas. In: GARTNER, Eberhard; HUNDT, Christine; SCHÖNBERGER, Axel (Ed.). Estudos de geolinguística do português americano. Frankfurt a.M.: TFM, 2000. p. 95-119.

ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Áreas linguísticas do português falado no sul do Brasil: um balanço das fotografias geolinguísticas do ALERS. In: VANDRESEN, Paulino (Org.). Variação e mudança no português falado na Região Sul. Pelotas: EDUCAT – Editora da Universidade Católica de Pelotas, 2002. p. 115-145.

BASSI, Alessandra; MARGOTTI, Felício Wessling. Um estudo geolinguístico nas capitais brasileiras das variantes lexicais para a brincadeira infantil amarelinha. In: ALTINO, Fabiane Cristina (Org.). Múltiplos olhares sobre a diversidade linguística: uma homenagem à Vanderci de Andrade Aguilera. Londrina, Midiograf, 2012. p. 49-78.

BRANDÃO, S. F. A geografia linguística no Brasil. São Paulo: Ática, 1991.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino. A Dialectologia no Brasil: Perspectivas. Revista Delta, v.15, 1999. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44501999000300010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 19 abr. 2018.

CARDOSO, Suzana A. M. da S.; MOTA, Jacyra A. Para uma nova divisão dos estudos dialetais brasileiros. In: MOTA, Jacyra A.; CARDOSO, Suzana A. M. (Orgs.). Documentos 2: Projeto Atlas Linguístico do Brasil. Salvador: Quarteto Editora, 2006. p. 15-26.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino da Silva. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas lingüístico do Brasil: questionários 2001. Londrina: EDUEL, 2001.

KOCH, Walter. O povoamento do território e a formação de áreas linguísticas. In: GARTNER, Eberhard; HUNDT, Christine; SCHÖNBERGER, Axel (Ed.). Estudos de geolinguística do português americano. Frankfurt a.M.: TFM, 2000. p. 55-69.

NASCENTES, Antenor. O linguajar carioca. 2. ed. Completamente refundida. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953.

RIBEIRO, Silvana S. C. Brinquedos e brincadeiras infantis na área do Falar Baiano. 2012. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

ROMANO, Valter Pereira. Balanço crítico da Geolinguística brasileira e a proposição de uma divisão. Entretextos, Londrina, v.13, n. 2, jul./dez.2013, p. 203-242.

ROMANO, Valter Pereira. Em busca de falares a partir de áreas lexicais no Cento-Sul do Brasil. 2015. 2v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

ROSSI, N., C. FERREIRA & D. ISENSEE. Atlas prévio dos falares baianos. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura - Instituto Nacional do Livro, 1963.

SEABRA, Rodrigo Duarte; ROMANO, Valter Pereira; OLIVEIRA, Nathan. 2014. [SGVCLin] - Software para Geração e Visualização de Cartas Linguísticas. Versão 1.1. Mídia em CD-ROM e manual explicativo impresso.

THUN, H. La géographie linguistique romane à la fin du XX siècle. In: RAENDONCK, D. V. et al. (Orgs.). Actes du XXII Congrès International de Linguistique e Philologie Romanes. Bruxelles, 1998, p. 367-409.

Downloads

Publicado

2019-10-13

Como Citar

CHOFARD, A.; MARGOTTI, F. W. O português falado no Sul do Brasil: um balanço das áreas dialetais a partir de itens lexicais do ALiB. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 43, p. 296–315, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8131. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Outros lugares