A variação dos verbos botar e colocar no Ceará em amostras do Atlas Linguístico do Brasil

Autores

Palavras-chave:

Sociolinguística variacionista, ALiB, botar e Colocar.

Resumo

Com base em pressupostos teórico-metodológicos da Sociolinguística Variacionista (LABOV, 2008; WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006), analisou-se a variação entre botar e colocar no sentido de pôr, no falar cearenses, com dados extraídos do ALiB. As variáveis controladas foram sexo, faixa etária, localidade, tipo de questionário e forma verbal. Os dados eram provenientes de 48 informantes originários de 12 localidades cearenses e foram submetidos ao programa Goldvarb X. O verbo botar, com 105 dados (53,8%), é mais produtivo do que colocar. As variáveis relevantes para o verbo botar foram: forma verbal (presente), faixa etária II.

Biografia do Autor

Cassio Murilio Alves de Lavor, Universidade Estadual do Ceará - UECE.

Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará - UECE e graduação em LETRAS LICENCIATURA pela mesma universidade (2014). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística.

Rakel Beserra de Macedo Viana, Secretaria de Educação do Estado do Ceará - SEDUC-CE Universidade Estadual do Ceará - UECE.

Doutoranda e mestre em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará – UECE (2018), Graduada em Letras Português/Inglês pela mesma instituição, na Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos - UECE/FAFIDAM (2007). Especialista em Gestão Educacional (2009) e em Ensino de Língua Inglesa (2012). Tem experiência no Ensino Básico com desenvolvimento de Projetos de Leitura e Escrita e no Ensino Superior em Educação à Distância.

Aluiza Alves de Araújo, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Doutora e mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduada em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professora adjunta K da graduação em Letras e do curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada (PosLA) do Centro de Humanidades (CH) da UECE. Atua na área de Letras com ênfase em Linguística, Sociolinguística e Dialetologia. É coordenadora do projeto Retratos sociolinguísticos de aspectos fonológicos, morfológicos e sintáticos do falar de Fortaleza – CE.

Referências

AGUILERA, V. A. de.; YIDA, V. Projeto ALiB: uma análise das respostas e das não respostas de informantes das capitais. Signum: estudos linguísticos. Londrina, n. 11/2, p. 15-31, dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2017.

ARAÚJO, A. A. de. As vogais médias pretônicas no falar popular de Fortaleza: uma abordagem variacionista. 2007. 152 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Linguística, Departamento de Letras Vernáculas, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3597>. Acesso: 11 nov. 2017.

______. O projeto norma oral do português popular de Fortaleza- NORPOFOR. In: CONGRESSO NACIONAL DE LINGUISTICA E FILOSOFIA, 15., 2011, Rio de Janeiro. Cadernos do CNLF. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2011, v. 15, n. 5, t. 1. p. 835-845. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/xv_cnlf/tomo_1/72.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2019.

ARAUJO, J. G. G. As construções com o verbo botar: aspectos relativos à gramaticalização. 2011. 115 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Departamento de Letras Vernáculas, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/8850/1/2010_dis_jggaraujo.pdf>. Acesso em: 6 nov. 2017.

BARRETO, K. H.; OLIVEIRA, N. F.; LACERDA, P. F. A. A variação dos verbos colocar e botar na modalidade oral. Via Litterae: Revista de Linguística e Teoria Literária, Anápolis, v. 4, n. 1, jan./jun., 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2013.

BATORÉO, H. J.; CASADINHO, M. Botar as mãos na massa? Estudo Cognitivo da produtividade lexical do verbo ‘botar’ no PE e PB”. In: SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DE LÍNGUA PORTUGUESA, 2., 2009, Évora. Anais Eletrônicos... Évora, PT: Universidade de Évora, 2009. p. 37-55. Disponível em: < http://www.simelp2009.uevora.pt/pdf/slg4/04.pdf >. Acesso em: 1 dez. 2013.

CARDOSO, S. A. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

______; MOTA, J. A. Projeto Atlas linguístico do Brasil: Antecedentes e Estágio Atual. Alfa, São Paulo, v. 56, n. 3, p. 855-870, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/alfa/v56n3/a06v56n3.pdf>. Acesso em: 2 jan. 2018.

CARMO, D. L.; ARAÚJO, A. A. de. Os verbos botar e colocar no falar culto de Fortaleza: uma fotografia Sociolinguística. Web-Revista Sociodialeto, Campo Grande, v. 6. n. 16, p. 282-297, jul. 2015. Disponível em: <http://sociodialeto.com.br/edicoes/21/18112015102622.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2017.

CHAVES, M. de F. F. Campo semântico e usos dos verbos colocar, botar e pôr no português do Brasil: uma contribuição ao ensino de PL2E. 2014. 72 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização de Formação de Professores de Português para Estrangeiros) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/29145/29145.PDF>. Acesso em: 29 jun. 2018.

GUY, G. R. As comunidades de fala: fronteiras internas e externas. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIN, 2., 2001, Fortaleza. Anais Eletrônicos... Fortaleza: Abralin, 2001. Disponível em: <http://sw.npd.ufc.br/abralin/anais_con2int_conf02.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2017.

______; ZILLES, A. Sociolinguística quantitativa: instrumental de análise. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

______. Principles of linguistic change: internal factors. Oxford: Blackwell, 1994.

LAVOR, C. M. A. de.; ARAÚJO, A. A.; VIANA, R. B. de M. Uma fotografia sociolinguística dos verbos botar, colocar e pôr em Alagoa, Ceará e Piauí a partir de dados do ALiB. Polifonia, Cuiabá, v. 25, n.37, p. 171-310, jan./abr., 2018. Disponível em: <https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/viewFile/6111/pdf>. Acesso em: 10 jun. 2018.

MONTEIRO, J. L. Para compreender LABOV. 2. ed. Petropólis, RJ: Editora Vozes, 2000.

MOTA, J. A.; CARDOSO, S. A. A construção de um Atlas Linguístico do Brasil: o percurso do ALiB. SIGNUM: Est. Ling., Londrina, v. 12, n. 1, p. 237-256, jul. 2009. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/viewFile/4243/4603>. Acesso em: 14 jul. 2017.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S. A.; SMITH, E. Goldvarb X - A multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics, 2005. Disponível em: <http://individual.utoronto.ca/tagliamonte/Goldvarb/GV_index.htm#ref>. Acesso em: 10 jun. 2017.

SCHERRE, M. M. P. Introdução ao Pacote VARBRUL para microcomputadores. Brasília, DF, UNB, 1993.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

Downloads

Publicado

2019-10-13

Como Citar

LAVOR, C. M. A. de; VIANA, R. B. de M.; ARAÚJO, A. A. de. A variação dos verbos botar e colocar no Ceará em amostras do Atlas Linguístico do Brasil. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 43, p. 272–295, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/7999. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Outros lugares