LINGUAGEM, SOCIEDADE E POLÍTICA: DIÁLOGOS COM KANAVILLIL RAJAGOPALAN SOBRE A NOVA PRAGMÁTICA

Autores

  • Danillo da Conceição Pereira Silva danillosh@gmail.com
    Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas; Universidade Federal de Sergipe. http://orcid.org/0000-0002-5879-5999 http://lattes.cnpq.br/6370328770730957
  • Kanavillil Rajagopalan rajagopalan@uol.com.br
    Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/Unicamp)

Palavras-chave:

Nova Pragmática, atos de fala, linguagem, sociedade, crítica

Resumo

A presente entrevista registra um diálogo, mediado por computador, estabelecido entre mim e o professor Kanavillil Rajagopalan, Professor Titular na área de Semântica e Pragmática de Línguas Naturais do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp. A ênfase da nossa discussão recaiu na proposta de uma Nova Pragmática, como por ele cunhada e defendida nas últimas décadas, suas perspectivas epistemológicas, desdobramentos críticos e inflexões políticas. Dentre outras coisas, ficou demarcado como fundante para tal abordagem dos estudos da linguagem o afastamento de uma tradição de pensamento logicista e positivista para pensar os problemas de linguagem, como amplamente adotado por perspectivas tradicionais em Pragmática, em específico, e em Linguística, em geral. Desse modo, ao assumir a linguagem como constitutivamente social e política, assim, implicada na vida de sujeitos concretos, em seus modos de agência mais diversos e em suas identidades, a Nova Pragmática se põe aberta ao diálogo com diferentes campos dos estudos da sociedade, a exemplo da Sociologia e da Antropologia, assumindo uma postura abertamente crítica e engajada frente aos problemas sociais cujas dimensões de linguagem em uso investiga. Em linhas gerais, abordamos a relação entre a Teoria dos Atos de Fala de Austin e o duelo entre interpretações formalizantes e críticas,  as implicações entre linguagem e identidade,  as relações entre ato de fala e texto, as confusões na interpretação da intencionalidade do sujeito, a negativa influência de modelos objetivistas e utilitaristas de ciência nos estudos da linguagem, a Nova Pragmática como uma perspectiva descolonial, as intervenções políticas na linguagem por parte dos ativismos linguísticos de gênero e sexualidade, e, por fim, sobre as dimensões éticas do ato de fala frente ao acirramento dos discursos de ódio, das violências linguísticas e de discursos populistas no o atual momento político do Brasil.

Biografia do Autor

Danillo da Conceição Pereira Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas; Universidade Federal de Sergipe.

Professor de Língua Portuguesa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL). Doutorando em Letras (2018), com ênfase em Linguística Aplicada, na linha “Linguagem: identidade e práticas sociais”, e Mestre em Letras/Estudos Linguísticos, com dissertação sobre linguagem, performatividade e violência linguística de motivação transfóbica, no escopo da Nova Pragmática, ambas as formações pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe (PPGL/UFS). Especialista em Educação em Gênero e Direitos Humanos pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo (PPGNEIM/UFBA). Licenciado em Letras Vernáculas também pela UFS. Desenvolve estudos sobre a relação entre linguagens, (pós)identidades e marcadores sociais da diferença, com ênfase em abordagens críticas e indisciplinares que investiguem a participação do discurso nas questões de gênero, sexualidade, subalternidades, violências, (ciber)ativismos e direitos humanos, em perspectivas performativas, decoloniais e queer dos estudos da linguagem.

Kanavillil Rajagopalan, Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/Unicamp)

Professor Titular (aposentado-colaborador) na área de Semântica e Pragmática das Línguas Naturais da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e pesquisador 1-A do CNPq. Participa em programas de pós-graduação na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e da Universidade Federal de Tocantins (UFT - Campus de Porto Nacional).

Referências

ALENCAR, C.; FERREIRA, D. Rajagopalan interpretando Austin: descolonialidades na Nova Pragmática do hemisfério sul. D.E.L.T.A. [online], vol.32, n. 3, p. 613-632, 2016.

BORBA, R. LOPES, A. Escrituras de gênero e políticas de differénce: imundície verbal e letramentos de intervenção no cotidiano escola. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 21, n. esp., |VIII SENALE| p. 241-285, 2018.

ILARI, R. Dos problemas de imperfeita simetria’. Ensaios Linguísticos. n. 9, p. 94-120, 1983.

ILARI, R. O que fazer quando “2+3” não é igual a “3+2”: a semântica e a pragmática das construções simétricas em língua natural’. Cadernos de Estudos Linguísticos. Unicamp. n. 13. p. 97-105, 1987.

LOPES DA SILVA, F. L.; RAJAGOPALAN, K. A Linguística que nos faz falhar. São Paulo: Parábola, 2004.

RAJAGOPALAN, K. Book review: Speech acts and speech events in African languages. Word, vol. 61, n. 3, 285-288, 2015.

RAJAGOPALAN, K. Linguística Textual e Pragmática: Texto, contexto e pretexto’ In: SOUZA, E.; PENHAVEL. E.; CINTRA, M. Linguística Textual: interfaces e delimitações. Homenagem a Ingedore Grünfeld Villaça Koch, São Paulo: Cortez, 2018, p. 233-257.

RAJAGOPALAN, K. Performativity and the claims of scientificity of modern Linguistics. D.E.L.T.A. 28:1, p. 85-103, 2012.

RAJAGOPALAN, K. Quando “2+3” não é igual a “3+2”: a semântica e a pragmática das construções simétricas em língua natural’. Cadernos de Estudos Linguísticos. Unicamp. n.º 13, p. 67-96, 1987.

RAJAGOPALAN, K. Linguistics as a performative Science. In: VIAN, O.; CALTABIANO, C. (Orgs.). Língua(gem) e suas múltiplas faces – Estudos em Homenagem a Leila Barbara. Campinas: Mercado de Letras, 2013, p. 27-36.

SARLE, J. Intentionality: An Essay in the Philosophyof Mind. Cambridgie: Cambridgie University Press, 1983.

SOMMERAND, G.; VIERKE, C. Speech acts and speech events in African languages. Köln: Köppe, 2011.

Downloads

Publicado

2019-10-13

Como Citar

SILVA, D. da C. P.; RAJAGOPALAN, K. LINGUAGEM, SOCIEDADE E POLÍTICA: DIÁLOGOS COM KANAVILLIL RAJAGOPALAN SOBRE A NOVA PRAGMÁTICA. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 43, p. 316–331, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/7768. Acesso em: 17 jun. 2024.