Notas para uma micropolítica da língua: modelizações ideológicas nas semioses da linguagem

Autores

Palavras-chave:

micropolítica, ideologia, modelização, subjetividade, semiótica

Resumo

Neste artigo apresentamos os primeiros movimentos de uma pesquisa a partir do conceito de Semiótica Crítica, em suas implicações linguísticas e políticas. Nosso objetivo é problematizar a colocação de Gilles Deleuze e Félix Guattari de que a linguagem é caso de política antes de ser caso de linguística. Para tal, procedemos a uma revisão bibliográfica e leitura crítica, retomando a ideia de micropolítica, em relação a uma concepção de linguagem (e de comunicação) não como transmissão, mas como produção: de signos e de ordens. Seguindo ainda Deleuze e Guattari, somos levados a tensionar essa micropolítica da linguagem à luz da noção de ideologia. Revisamos assim teorias da ideologia que estabeleceram relação com o pensamento semiótico, como os Aparelhos Ideológico de Estado, de Louis Althusser, e o marxismo de Mikhail Bakhtin. Essas visões são contrapostas às próprias críticas de Deleuze e Guattari, que advogam a adoção do conceito de subjetividade como operador desse nó micropolítico. Concluímos aqui, com e contra Deleuze e Guattari, por uma pertinência semiótica da ideologia como interpelação, com uma capacidade modelizante aos atos de comunicação, em sua potência de atuar já na infraestrutura do socius, compreendida sob a ideia de valor-signo.

 

Biografia do Autor

Luis Felipe Silveira de Abreu, UFRGS

Doutorando em Comunicação pelo PPGCOM/UFRGS. Membro do Grupo de Pesquisa em Semiótica e Culturas da Comunicação (GPESC). Bolsista CAPES.

Alexandre Rocha da Silva, UFRGS

Pesquisador do CNPq (bolsista produtividade). Professor do PPGCOM/UFRGS. Coordenador do Membro do Grupo de Pesquisa em Semiótica e Culturas da Comunicação (GPESC). Doutor em Comunicação pela UNISINOS.

Referências

ALMEIDA, Júlia. Estudos deleuzeanos da linguagem. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Lisboa: Editorial Presença, 1970.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC, 2006.

BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 2013.

BARTHES, Roland. Mitologias. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs - Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 2.

GUATTARI, Félix. O insconsciente maquínico. São Paulo: Papirus: 1988.

GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

SILVA, Alexandre Rocha da et al. Deleuze e a Semiótica Crítica. Semeiosis: semiótica e transdisciplinaridade em revista. São Paulo, n. 5, p. 1-15, jan./jun. 2013. Disponível em: <http://www.semeiosis.com.br/u/61>. Acesso em: 12 abr. 2018.

SILVA, Alexandre Rocha da. Semiótica Crítica: micropolíticas pós-humanas da comunicação. Projeto de Pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, 2016.

SILVA, Alexandre Rocha da; ARAUJO, André Correa da Silva de. Semiótica crítica: materialidades, acontecimento e micropolíticas. Intexto, Porto Alegre, n. 34, p. 132-145, ago./dez. 2015. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/intexto/article/view/58122/35438>. Acesso em: 12 abr. 2018.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2019-03-27

Como Citar

DE ABREU, L. F. S.; SILVA, A. R. da. Notas para uma micropolítica da língua: modelizações ideológicas nas semioses da linguagem. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 41, p. 103–118, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/7380. Acesso em: 19 jun. 2024.