O uso de nós e a gente em cinco comunidades rurais de Terra Nova do Norte/Mato Grosso/Brasil

Autores

  • Neusa Inês Philippsen neinph@yahoo.com.br
    Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT
  • Josilene Pereira dos Santos josilenesnp12@gmail.com
    Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Palavras-chave:

Sociolinguística Variacionista, nós, a gente.

Resumo

O uso de nós e a gente em cinco comunidades rurais de Terra Nova do Norte/Mato Grosso/Brasil

 

 

Resumo

Neste artigo analisamos a variação dos pronomes utilizados para a 1ª pessoa do plural na posição de sujeito, no português falado de comunidades rurais localizadas próximas à cidade de Terra Nova do Norte, localizada ao norte do Estado de Mato Grosso. Para esta análise, foram observados os fatores: escolaridade, faixa etária e o sexo na fala de vinte informantes. A pesquisa foi desenvolvida com base nos postulados da Sociolinguística Variacionista, partindo da descrição e análise linguísticas referentes à variação e à diversidade linguística. Através deste estudo podemos concluir que a variante a gente vem sendo utilizada com uma intensidade maior por falantes com mais escolaridade (57%), pelas mulheres (35%) e pelos mais jovens (57%); estes informantes são responsáveis pela inserção deste “novo pronome” no sistema pronominal das Agrovilas de Terra Nova do Norte. Há, contudo, nestas comunidades rurais o predomínio da variante nós sobre a gente, pois a frequência de uso de a gente ocorreu cerca de 17%, já o uso de nós incidiu em 83%. Desse modo, podemos salientar que há o predomínio do uso da forma mais conversadora nós, que é influenciada pelos informantes mais velhos, com menos escolaridade e do sexo masculino, uma vez que estes apresentaram maior percentual do uso de nós.  

 

Biografia do Autor

Neusa Inês Philippsen, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1998), graduação em Pedagogia Habilitação Orientação Educacional pelo Centro Técnico Educacional Superior do Oeste Paranaense (2001), especialização em Língua Portuguesa - Teoria e Prática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1999), mestrado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Mato Grosso (2007) e doutorado em Letras pela Universidade de São Paulo - USP (2013). Atualmente é professora adjunta da Universidade do Estado de Mato Grosso. Tem experiência nas áreas de Letras/Linguística, com ênfase em Sociolinguística/Geolinguística, Linguística Aplicada e Língua Portuguesa/Diacronia, atuando principalmente com os seguintes temas: Variedades e diversidades linguísticas, Estudos Semântico-Lexicais e Morfossintáticos, Gramática em uso e Processos ensino-aprendizagens. Vice-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras - Curso de Mestrado - Campus de Sinop e professora dos programas de pós-graduação stricto senso do Mestrado Acadêmico em Letras (PPGLetras) e do PROFLETRAS, na UNEMAT/Sinop; coordenadora do projeto "Diversidade e Variação Linguística em Mato Grosso/DIVALIMT" e membro dos grupos de pesquisa "Alma Linguae: Variação e Contatos de Línguas Minoritárias" e GEPLIAS (Grupo de Estudos e pesquisas em Linguística Aplicada e Sociolinguística), cadastrados no CNPQ; integrante da comissão editorial, responsável pelos Estudos Linguísticos, da Revista Norte@mentos da UNEMAT/Sinop, e membro do Conselho Editorial desta Revista e da Revista Acta Semiótica et Lingvistica.

Josilene Pereira dos Santos, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Possui graduação em Letras - Português e Inglês pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2015), mestrado em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGLetras) da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) (2018). Integrante do Projeto Diversidade e Variação Linguística em Mato Grosso (DIVALIMT). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística e Literatura.

Referências

ALKMIM, Tânia Maria. Sociolinguística. Parte I. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Ana Cristina. Introdução à linguística: domínios e fronteiras. V.1, 4 ed. São Paulo: Cortez, 2003. p.21-47.

BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BORGES, Paulo R. S. A gramaticalização do a gente no português brasileiro: análise-histórico-linguística da fala das comunidades gaúchas de Jaguarão e Pelotas. 2004. 227f. Tese (Doutorado em Letras) Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2004.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 10.ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2001.

BRUSTOLIN, Ana Kelly Borba da Silva. Itinerário do uso e variação de nós e a gente em textos escritos e orais de alunos do ensino fundamental da rede pública de Florianópolis. 2009. 245f. Dissertação (Mestrado em Linguística) Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2009.

CARVALHO, Gislaine Aparecida de. A concordância verbal no português europeu: variação e preenchimento do sujeito. Alfa, São Paulo, 57 (1): 81-98, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/alfa/v57n1/05.pdf> Acesso em: 31/08/2018.

CASTILHO, Ataliba Teixeira de. A gramaticalização. Estudos Linguísticos e Literários. Salvador, n. 19, p. 25-63, mar. 1997.

CEZARIO, Maria Maura; VOTRE, Sebastião. Sociolinguística. In.: MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2009.

COELHO, Izete Lehmkuhl; GÖRSKI, Edair Maria; MAY, Guilherme Henrique; SOUZA, Christiane Maria N. Para conhecer Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015.

CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. Lindley. Breve gramática do português contemporâneo. 12.ed. Lisboa: Edição João Sá da Costa, 1999.

FARACO, Carlos Emílio; MOURA, Francisco Marto de. Gramática. 18. ed. São Paulo: Ática, 2003.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 [1972].

FRANCESCHINI Lucelene. O uso dos pronomes pessoais nós/ a gente em Concórdia – SC. Anais do SILEL. Uberlândia: EDUFU, v.1, 2009. <http://www.ileel.ufu.br/anaisdosilel/pt/arquivos/gt_lg06_artigo_9.pdf> Acesso em: 18/09/2018.

LOPES, Célia Regina dos Santos. A inserção de “a gente” no quadro pronominal do português. Frankfurt/Madri: Vervuert/Iberoamericana, 2003a, vol. 18.

_______. A indeterminação no português arcaico e a pronominalização de nominais: mudança encaixada? Anais do V Encontro Internacional de Estudos Medievais. Salvador, 2003b. Disponível em: < http://www.letras.ufrj.br/posverna/docentes/70994-2.pdf> Acesso em: 31/08/2018.

_______. A gramaticalização de a gente em português em tempo real de longa duração e curta duração: retenção e mudança na especificação dos traços intrínsecos. Fórum linguístico, Florianópolis, v.4, n.1, p. 47-80, julho, 2004. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/7728> Acesso em:31/08/2018.

LUCCHESI, Dante. A representação da primeira pessoa do plural. In: LUCCHESI, D., BAXTER, A., and RIBEIRO, I., orgs. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009, pp. 457- 469. ISBN 978-85-232-0875-2. Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>.

NASCIMENTO, Carina Sampaio. Nós e A gente em Salvador: confronto entre duas décadas. 2013. 128f. Dissertação (Mestrado em Letras) Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2013.

NARO, Anthony Julius; SCHERRE, Maria Marta Pereira. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

PAIVA, Maria da Conceição de. A variável gênero sexo. In.: MOLLICA, Maria Cecília & BRAGA, Maria Luiza (orgs.). Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2015.

SANTANA, Abdon Mendes Borges. Nós e a gente: um retrato do português popular de Salvador. 2014.114f. Dissertação (Mestrado em Letras) Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens da Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA, 2014.

SANTOS, Josilene Pereira dos. O preconceito linguístico no âmbito escolar: análise de situações preconceituosas em duas escolas distintas na cidade de Sinop/MT. Trabalho de conclusão de curso. Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT, 2015.

STRAPASSON, Gloria Elizabeth Riveros Fuentes; COELHO, Izete Lehmkuhl. Presença dos pronomes pessoais tu / você e nós / a gente na narrativa de experiência pessoal nos indivíduos da cidade de Caçador – Santa Catarina. Revista Professare, ISSN 2238-9172, Caçador, v.2, n.1, p. 53-72, 2013. Disponível em: < https://periodicos.uniarp.edu.br/professare/article/download/209/211> Acesso em: 31/08/2018.

TARALLO, Fernando. A pesquisa Sociolinguística. 7ª ed. São Paulo: Ática, 1986.

ZILLES, Ana Maria S. O que a fala e a escrita nos dizem sobre a avaliação social do uso de a gente? Letras de Hoje. Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 27-44, junho, 2007. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/download/2408/1882> Acesso em: 31/08/2018.

Downloads

Publicado

2019-03-27

Como Citar

PHILIPPSEN, N. I.; DOS SANTOS, J. P. O uso de nós e a gente em cinco comunidades rurais de Terra Nova do Norte/Mato Grosso/Brasil. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 41, p. 157–177, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/7260. Acesso em: 19 jun. 2024.