Uma análise discursiva das designações em “Bela, recatada e do lar”

Autores

  • Marco Antônio Adamoli marcoaadamoli@gmail.com
    Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) - Campus Pelotas
  • Elisane Pinto da Silva Machado de Lima elisane@pelotas.ifsul.edu.br
    Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul)

Palavras-chave:

Análise de Discurso, designações, androcentrismo

Resumo

Mesmo com o avanço das discussões sobre gênero e com a conquista de papéis importantes em nossa sociedade, as mulheres ainda não se livraram do peso da violência simbólica advinda de segmentos sociais portadores de concepções e de atitudes androcêntricas, as quais estão ancoradas em práticas e discursos historicamente construídos. Neste estudo, a partir dos pressupostos da Análise de Discurso de Pêcheux, apresentamos um gesto de análise acerca das designações presentes na matéria da revista Veja, “Bela, recatada e do lar”, acerca da primeira-dama Marcela Temer. Como mostraremos, o funcionamento de tais designações remete a uma posição-sujeito filiada a uma formação discursiva androcêntrica, que relega a mulher a uma condição de inferioridade e invisibilidade. No ensaio a seguir, mostraremos também que o preconceito às mulheres pode fazer-se presente mesmo no uso de algumas palavras aparentemente inocentes, como foi o caso das designações empregadas na matéria da Revista Veja sobre Marcela Temer.  

Biografia do Autor

Marco Antônio Adamoli, Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) - Campus Pelotas

Graduado em Letras - Habilitação em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira (UFPel). Mestre e doutror em Educação (UFPel). Doutorando em Letras (UCPel).

Elisane Pinto da Silva Machado de Lima, Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul)

Graduada em Letras (UFPel), mestre e doutora em Letras (UCPel). Docente do Instituto Federal Sul-rio-grandense

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado: Nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). 6ª ed., Rio de Janeiro: Edições Graal, 1992.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. rev. e ampl. 16ª reimpr. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1999.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

COURTINE, Jean-jacques. Analyse Du discours politique. Languages, n62, juin, 1981.

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes, 2ª ed., 2005.

LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006, p. 443-481.

LOURO, G.L. Gênero, sexualidade e educação – Uma perspectiva pós-estruturalista. 7ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

ORLANDI, E. Interpretação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

ORLANDI. E.P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 1999.

ORLANDI. E.P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1992.

ORLANDI, E.P. Discurso e Texto: formulações e circulação dos sentidos. 4ª Edição, Pontes Editores. Campinas, SP, 2012.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Traduzido por Eni P. Orlandi. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1988 [1975].

SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, ed. 20, 1995.

SWAIN, T.N. Feminismo e representações sociais: a invenção das mulheres nas revistas “feministas”. In.: História: Questões & Debates. n. 34, p. 11-44, 200. Curitiba, PR: Editora da UFPR, 2001.

Publicado

2018-05-25

Como Citar

ADAMOLI, M. A.; DE LIMA, E. P. da S. M. Uma análise discursiva das designações em “Bela, recatada e do lar”. Polifonia, [S. l.], v. 25, n. 37.1, p. 73–87, 2018. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/6119. Acesso em: 17 jun. 2024.